Pentágono age para tirar controle de terras raras da China

Por Greg Isaacson

Análise de notícias

A batalha pelo controle da cadeia global de fornecimento de terras raras está esquentando, com o Departamento de Defesa dos EUA investindo em uma nova planta de processamento em uma tentativa de desafiar o estrangulamento da China sobre os minerais críticos.

O Pentágono concordou em financiar todo o custo de US$ 120 milhões de uma instalação pesada de separação de terras raras a ser construída no Texas, pela australiana Lynas Rare Earths, avançando um programa lançado em 2020, anunciou a empresa em 14 de junho.

Localizada na Costa do Golfo, a nova instalação dará aos Estados Unidos acesso a terras raras pesadas produzidas internamente, essenciais para indústrias como veículos elétricos, turbinas eólicas e eletrônicos, segundo a empresa, que é a maior processadora de terras raras fora da China.

A instalação do Texas, que recebeu financiamento do Pentágono, processará o carbonato de terras raras pesado extraído na Austrália, formando um ciclo de produção que ignora totalmente a China. A Lynas Rare Earths planeja combinar a próxima planta com uma proposta de instalação de separação de terras raras leves que está sendo cofinanciada pela empresa e pelo Departamento de Defesa.

O projeto foi anunciado pela primeira vez em julho de 2020 como parte da estratégia do governo dos EUA – sob uma ordem executiva de 2017 assinada pelo ex-presidente Donald Trump – para reduzir a dependência das importações estrangeiras de minerais críticos. O Pentágono também está financiando uma instalação pesada de processamento e separação de terras raras em Mountain Pass, Califórnia.

O domínio da China na produção de terras raras

As terras raras são um grupo de 17 elementos com propriedades únicas usadas em praticamente todas as peças de tecnologia moderna, de smartphones a motores a jato. Embora os Estados Unidos tenham sido pioneiros na indústria durante a Segunda Guerra Mundial, a China agora controla mais da metade da mineração global de terras raras e 80 a 90% do processamento intermediário.

O domínio da China na indústria representa um grande risco para os Estados Unidos, que atualmente tem apenas uma mina ativa de terras raras – a mina Mountain Pass, na Califórnia – e zero capacidade de processamento em escala comercial. A dependência da América do processamento de terras raras chinesas dá ao Partido Comunista Chinês (PCCh) uma vantagem perigosa sobre a economia e as forças armadas dos EUA.

Por exemplo, o regime chinês ameaçou obliquamente limitar as exportações de terras raras para os Estados Unidos depois que Washington colocou a gigante chinesa de telecomunicações Huawei em uma lista negra comercial em 2019.

“Acredita-se que, se os EUA suprimirem cada vez mais o desenvolvimento da China, mais cedo ou mais tarde, a China usará terras raras como arma”, alertou o jornal estatal Global Times em maio daquele ano.

Não está claro quanto dano Pequim pode causar se optar por puxar o gatilho dessa ameaça. Um embargo chinês enviaria ondas de choque pelo mercado global – como aconteceu em 2010, quando a China restringiu temporariamente as exportações de minerais de terras raras para o Japão por causa de uma disputa territorial.

Um estudo de 2021 do Departamento de Energia dos EUA descobriu que uma proibição de exportação de terras raras por um ano pela China poderia causar uma queda de 40% na produção de ímãs fora da China, pois os metais se tornariam mais difíceis de obter. O óxido de disprósio, um componente-chave dos ímãs de neodímio usados em uma vasta gama de tecnologias, de turbinas eólicas a veículos elétricos, é particularmente vulnerável a choques de preços de um embargo chinês, segundo o estudo.

Mas a capacidade da China de prejudicar a economia dos EUA de transformar o fornecimento de terras raras em uma arma é provavelmente mais limitada do que seu domínio da indústria poderia sugerir. Uma nota de pesquisa publicada pelo banco de investimento Raymond James, em 2019, argumentou que o impacto de um embargo chinês às exportações de terras raras para os Estados Unidos seria “leve”, segundo um relatório da CNBC.

Os analistas apontaram que os Estados Unidos gastaram apenas US$ 160 milhões para importar terras raras para fabricação em 2018 e responderam por apenas 9% da demanda global por insumos de terras raras no processo de fabricação. A maioria dos produtos de alta tecnologia que seriam afetados por um embargo de terras raras – incluindo PCs, baterias de veículos elétricos e fibra ótica – são fabricados na Ásia e não nos Estados Unidos.

Dependência dos EUA em terras raras chinesas

A dependência das forças armadas dos EUA pelas terras raras chinesas é uma vulnerabilidade muito mais séria. A cadeia de suprimentos de defesa depende muito de terras raras, desde motores de acionamento de disco em tanques até atuadores de aletas em sistemas de orientação de mísseis.

Suponha que um conflito em larga escala irrompa entre as duas potências. Nesse caso, um embargo chinês de terras raras poderia prejudicar as forças armadas dos EUA, por exemplo, impossibilitando a substituição de estoques esgotados de mísseis ar-ar.

“Por mais que a falta de acesso seguro ao petróleo estivesse prejudicando os alemães no final da Segunda Guerra Mundial, as terras raras poderiam desempenhar um papel semelhante e fundamental em um futuro conflito com a China”, escreveu o coronel Charles J. Butler em um artigo de 2014.

O PCCh já explorou a possibilidade de limitar a exportação de minerais de terras raras que são usados em caças americanos F-35 e outros armamentos avançados, informou o Financial Times no ano passado. Autoridades do governo supostamente questionaram executivos do setor sobre o quanto os empreiteiros de defesa dos EUA e da Europa seriam afetados por tal movimento durante uma disputa bilateral.

US-RAREEARTHS
Carregadeiras de rodas enchem caminhões com minério na mina de terras raras MP Materials em Mountain Pass, Califórnia, em 30 de janeiro de 2020. (Steve Marcus/Reuters)

EUA respondem à ameaça da China

Os Estados Unidos, nos últimos anos, começaram a montar uma estratégia para abordar as preocupações de segurança nacional envolvendo terras raras.

Por exemplo, os senadores Tom Cotton (R-Ark.) e Mark Kelly (D-Ariz.) apresentaram um projeto de lei em janeiro passado para proibir o uso de metais de terras raras chinesas em sistemas militares sensíveis até 2026 e criar uma reserva estratégica de um ano de elementos e produtos de terras raras até 2025.

A legislação apresentada pelos Sens. Marco Rubio (R-Fla.) e Cindy Hyde-Smith (R-Miss.) em abril, criaria um programa de investimento do Departamento de Energia para estimular o desenvolvimento de instalações de produção de terras raras nos Estados Unidos, com o objetivo de reduzir a dependência da América em relação à China.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas