Pentágono cria software com lista “Não Compre” para barrar Rússia e China

O Pentágono também quer fortalecer a capacidade de seus fornecedores de resistir a ataques cibernéticos

Por Reuters

WASHINGTON – O Pentágono está trabalhando em uma lista intitulada “Não Compre” para bloquear fornecedores de software que usam código originário da Rússia e da China, disse uma importante autoridade de aquisições do Departamento de Defesa em 27 de julho.

Ellen Lord, subsecretária de defesa para aquisição e manutenção, disse aos repórteres que o Pentágono estava trabalhando há seis meses na lista, que deve ajudar a equipe de aquisições e parceiros do departamento a evitar a compra de código problemático para o Pentágono e seus fornecedores.

“O que estamos fazendo é garantir que não compremos softwares que tenham origem russa ou chinesa, por exemplo, e muitas vezes é difícil dizer à primeira vista por causa das holdings”, disse ela a repórteres reunidos em uma sala de conferência. Escritório do Pentágono.

O Pentágono trabalhou de perto com a comunidade de inteligência, disse ela, acrescentando: “Identificamos certas empresas que não operam de maneira consistente com o que temos para os padrões de defesa”.

Lord não forneceu mais detalhes sobre a lista.

Os comentários de Lord foram feitos antes da provável passagem do projeto de gastos do Pentágono pelo Congresso já na próxima semana. O projeto contém disposições que forçariam as empresas de tecnologia a divulgar se permitiam que países como a China e a Rússia examinem o funcionamento interno do software vendido aos militares dos Estados Unidos.

A legislação foi redigida depois que uma investigação da Reuters descobriu que os fabricantes de software haviam permitido que uma agência de defesa russa investigasse vulnerabilidades em softwares usados ​​por algumas agências do governo dos Estados Unidos, incluindo o Pentágono e agências de inteligência.

Especialistas em segurança disseram que permitir que as autoridades russas analisem o funcionamento interno do software, conhecido como código-fonte, poderia ajudar adversários como Moscou ou Pequim a descobrir vulnerabilidades que poderiam explorar para atacar mais facilmente os sistemas do governo dos Estados Unidos.

Lord acrescentou que um próximo relatório sobre a cadeia de suprimentos militar dos Estados Unidos mostrará que o Pentágono depende de fornecedores estrangeiros, incluindo empresas chinesas, para obter componentes de alguns equipamentos militares.

Ela disse que o Pentágono também quer fortalecer a capacidade de seus fornecedores de resistir a ataques cibernéticos e testará suas defesas de segurança cibernética ao tentar atacá-las.

O Pentágono divulgou as medidas que o governo federal busca para reforçar as defesas cibernéticas após os ataques contra os Estados Unidos, que o governo atribuiu à Rússia, à Coréia do Norte, ao Irã e à China.

Por Mike Stone

 
Matérias Relacionadas