Pelosi furiosa com os resultados do julgamento de impeachment, desiste de censurar Trump

Por Allen Zhong

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi (D-Calif.), disse que não está interessada em censurar o ex-presidente Donald Trump depois que o Senado absolveu Trump em seu segundo julgamento de impeachment.

Ela deu a entender que censurar Trump seria semelhante a dar “um tapinha no pulso”.

“Nós censuramos as pessoas por usarem artigos de papelaria para propósitos errados. Você não censura as pessoas por incitarem a insurreição que mata pessoas no Capitólio”, acrescentou ela.

Pelosi fez os comentários durante uma visita surpresa aos administradores do impeachment da Câmara durante uma coletiva de imprensa depois que o Senado absolveu o ex-presidente.

Ela parecia furiosa com o resultado dos julgamentos de impeachment. Ela bateu várias vezes na mesa e criticou os senadores que votaram contra a condenação como um “grupo covarde de republicanos”.

O Senado votou pela absolvição de Trump em uma votação de 57:43. Todos os democratas e sete republicanos votaram para condená-lo. Os republicanos que votaram na linha do partido incluem Sens. Richard Burr (RN.C.), Susan Collins (R-Maine), Bill Cassidy (R-La.), Mitt Romney (R-Utah), Ben Sasse (R- Neb.), Lisa Murkowski (R-Alaska) e Pat Toomey (R-Pa.).

Trump disse em um comunicado após sua absolvição que defenderá o estado de direito.

“Sempre fui, e sempre serei, um defensor do império da lei, dos heróis da aplicação da lei e do direito dos americanos de debater pacífica e honradamente as questões do dia, sem malícia e sem ódio”, disse ele.

Enquanto isso, ele afirmou novamente que o movimento Make America Great Again “está apenas começando”.

“Nos próximos meses, tenho muito a compartilhar com vocês e espero continuar nossa incrível jornada juntos para alcançar a grandeza americana para todo o nosso povo”, dizia a declaração.

O Senado conseguiu avançar no julgamento de impeachment depois de uma chamada inesperada de testemunhas dos administradores de impeachment da Câmara.

O gerente de impeachment da Casa, Rep. Jamie Raskin (D-Md.), Afirmou no início do dia que queriam chamar testemunhas por causa de um suposto telefonema entre o líder republicano da Casa Kevin McCarthy (R-Califórnia) e Trump em 6 de janeiro.

O deputado Jaime Herrera Beutler (R-Wash.) Alegou em uma declaração que Trump hesitou em cancelar os distúrbios a pedido de McCarthy durante a violação do Capitólio em 6 de janeiro.

Trump supostamente acreditava que foi o Antifa que violou o Capitólio em primeiro lugar.

“Bem, Kevin, acho que essas pessoas estão mais chateadas com a eleição do que você”, disse ele a McCarthy após McCarthy ter refutado a narrativa do Antifa.

O Epoch Times não conseguiu verificar de forma independente a declaração de Beutler.

Os escritórios de Trump e McCarthy não responderam aos pedidos de comentários do Epoch Times.

O Senado havia inicialmente aprovado a convocação de testemunhas com uma votação de 55:45, mas foi capaz de chegar a um acordo para evitar um julgamento prolongado em potencial.

O Senado, os gerentes de impeachment da Câmara e os ex-conselheiros de Trump concordaram em registrar a declaração de Beutler nos registros do julgamento de impeachment de Trump como evidência sem intimação de testemunhas para o julgamento.

O julgamento passou para a fase de argumentos finais após o acordo ser fechado.

 

Tom Ozimek contribuiu para o relatório.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas