Pelosi diz que os EUA ‘não permitirão que a China isole Taiwan’

Por Katabella Roberts

Os Estados Unidos “não permitirão” que a China isole Taiwan, disse a presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi (Democratas-Califórnia), na sexta-feira durante sua viagem à Ásia, que enfureceu Pequim.

Pelosi fez as declarações em Tóquio, no Japão, na etapa final de sua turnê asiática, depois que a democrata e cinco outros membros do Congresso chegaram à capital na quinta-feira, tendo visitado anteriormente Cingapura, Malásia, Taiwan e Coréia do Sul.

“Eles podem tentar impedir que Taiwan visite ou participe de outros lugares, mas não isolarão Taiwan impedindo-nos de viajar para lá… Não permitiremos que isolem Taiwan”, disse Pelosi.

Pelosi enfatizou ainda que a visita à Ásia “não se trata de mudar o status quo” da região.

“Trata-se da Lei de Relações de Taiwan, da política EUA-China, de todas as leis e acordos que estabeleceram nosso relacionamento – ter paz no Estreito de Taiwan e prevalecer o status quo”, disse. “Isso não é sobre mim, é sobre eles.”

Pelosi também chamou a ilha autogovernada de “um dos países mais livres do mundo” e “uma grande democracia com uma economia próspera”.

Quando questionada sobre como ela sente se sua viagem à Ásia afetará as relações entre os Estados Unidos e a China, Pelosi disse que, embora seja importante que a comunicação seja mantida entre as duas nações, “se não falarmos pelos direitos humanos na China por causa de interesses comerciais, perdemos toda a autoridade moral para falar sobre direitos humanos em qualquer lugar do mundo”.

Questões de direitos humanos

A legisladora observou que, embora a China tenha feito progressos em algumas áreas, ainda é um país de “contradições” e apontou questões de direitos humanos, como relatos de genocídios em massa.

O Partido Comunista Chinês (PCCh) foi acusado de cometer genocídio e crimes contra a humanidade como contra os uigures predominantemente muçulmanos e entre outros grupos minoritários, como praticantes do Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa.

“Mais uma vez, nossa visita não se trata de determinar qual é a relação EUA-China. É um desafio muito maior e de longo prazo, e temos que reconhecer que temos que trabalhar juntos em certas áreas”, disse Pelosi.

O regime chinês vê Taiwan como parte de seu território e se opõe fortemente à visita de Pelosi e outros governos ou organizações internacionais que formam laços com autoridades taiwanesas.

Os comentários de Pelosi vieram apenas um dia depois que a China aumentou a atividade militar perto de Taiwan; disparando uma série de mísseis balísticos Dongfeng em águas perto de Taiwan na quinta-feira, com cinco supostamente pousando na zona econômica exclusiva do Japão (ZEE).

Um míssil é lançado de um local não especificado na China em 4 de agosto de 2022. Os militares chineses dispararam mísseis em águas perto de Taiwan como parte de seus exercícios planejados em 4 de agosto. (CCTV via AP)

 

Os lançamentos de mísseis, que dizem ser uma retaliação à visita de Pelosi à ilha autogovernada, foram relatados pelo Ministério da Defesa Nacional de Taiwan e levaram o ministério taiwanês a ativar seu sistema de defesa e fortalecer sua prontidão de combate. 

O primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, chamou os lançamentos de mísseis da China de um “sério problema que afeta nossa segurança nacional e a segurança de nossos cidadãos”, dizendo a repórteres que as ações recentes de Pequim também “têm um sério impacto na paz e estabilidade de nossa região. e a comunidade internacional”.

Enquanto isso, houve condenação internacional pelo comportamento agressivo dos militares chineses na região após a visita de Pelosi.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas