PCCh tentou interferir em apresentação do Shen Yun em universidade dos Estados Unidos

Por Danella Pérez Schmieloz e Eva Fu
15/07/2023 12:28 Atualizado: 15/07/2023 12:28

Estudantes chineses tentaram cancelar uma apresentação do Shen Yun em uma importante universidade do Texas em 2018, enviando solicitações ao presidente da universidade e à bilheteria do teatro, de acordo com e-mails fornecidos recentemente ao Epoch Times.

Antes da apresentação do Shen Yun na Texas A&M University (TAMU), um estudante chinês chamado Tian Su enviou um e-mail ao então presidente da universidade, Michael Young, pedindo-lhe que não deixasse a apresentação acontecer.

No e-mail, o Sr. Su atacou o Shen Yun e o Falun Gong, uma disciplina espiritual sob forte perseguição na China, com uma linguagem que ecoava a propaganda do Partido Comunista Chinês (PCCh), alegando que a apresentação tornaria o ambiente “inseguro” para estudantes chineses.

O Sr. Su também enviou um e-mail para a bilheteria do teatro, pedindo-lhes que revisassem a linguagem que descreve a performance do Shen Yun como “autêntica cultura chinesa” que não pode ser vista na China.

A TAMU é uma das 100 melhores universidades do mundo em ciência e tecnologia. Sua escola de engenharia está entre as dez melhores dos Estados Unidos.

Outro estudante chamado Bizhu também pediu à bilheteria que “pensasse duas vezes” antes de sediar o evento, alegando que o show estava ligado à política e poderia trazer consequências negativas para os estudantes chineses na TAMU, já que ele foi organizado pela Southern USA Falun Dafa Association, uma organização dirigida por praticantes do Falun Gong.

“Nosso diploma na TAMU pode não ser considerado legítimo quando voltarmos para a China por causa disso”, afirmava o e-mail. “Isso pode prejudicar nossa reputação na China e, de forma mais prática, a validade de nosso diploma.”

Um ex-estudante de engenharia da TAMU que participou da organização do evento recentemente forneceu os e-mails ao Epoch Times. Ele só deu seu primeiro nome Jim por medo de represálias. Ele relatou o incidente ao FBI e forneceu os e-mails.

Esses esforços de censura são familiares ao Shen Yun Performing Arts – uma companhia de música e dança clássica chinesa – que há anos é alvo de uma campanha implacável do Partido Comunista Chinês (PCCh) para interferir em suas apresentações em todo o mundo.

A empresa, fundada em Nova York em 2006, tem como missão reviver 5.000 anos da cultura tradicional chinesa por meio das artes, segundo seu site. A empresa oferece ao público um vislumbre da “China antes do comunismo”, uma civilização divinamente inspirada onde a sabedoria e a espiritualidade antigas prosperaram, mas foram esmagadas quando o partido comunista assumiu, afirma seu site.

As apresentações do Shen Yun incluem representações da China atual e da perseguição do regime ao Falun Gong por mais de duas décadas.

A prática, que envolve exercícios meditativos e ensinamentos morais baseados em três princípios básicos: verdade, compaixão e tolerância, ganhou popularidade na China durante a década de 1990, com estimativas de 70 milhões a 100 milhões de adeptos. Em 1999, o regime comunista, temendo que o número de praticantes representasse uma ameaça ao seu controle autoritário, iniciou uma ampla campanha para reprimir a prática e seus adeptos. Desde então, os adeptos da prática foram detidos arbitrariamente, submetidos a trabalhos forçados, torturados e até mortos para a retirada de seus órgãos.

A campanha de propaganda do PCCh contra a prática se expandiu para o Ocidente, onde usa rótulos “malignos e imprecisos” na tentativa de demonizar a prática “e incitar temores infundados de que o grupo é perigoso ou violento”, de acordo com um relatório recente do Centro de Informações do Falun Dafa.

Epoch Times Photo
Pôster do Shen Yun Performing Arts da turnê de 2018 (Shen Yun).

Conexão com o Consulado Chinês

Em uma captura de tela diferente de uma discussão em grupo na mídia social chinesa WeChat em 30 de janeiro de 2018, um estudante chinês disse que entrou em contato com a seção de Assistência e Proteção Consular da embaixada chinesa sobre a apresentação, e que os oficiais consultarão o Escritório de Assuntos Educacionais da embaixada antes de “nos dizer como eles vão intervir”.

“O presidente Yuan da CSSA compareceu à universidade. Alguns de nós protestamos no gabinete do presidente. Mas a universidade não deu uma resposta positiva até agora”, disse o estudante, acrescentando que pode “continuar a expressar insatisfação e protestar” desde que não viole as leis locais.

CSSA é a sigla para Chinese Students and Scholars Associations [Associações de Estudantes e Estudiosos Chineses], grupos de estudantes locais com ligações conhecidas aos consulados chineses.

Supostamente criadas para ajudar os estudantes internacionais e promover o intercâmbio cultural, as CSSAs fazem parte das operações de influência internacional de Pequim sob o comando do Departamento de Trabalho da Frente Unida do PCCh.

Levi Browde, diretor executivo do Falun Dafa Information Center, disse que o incidente na TAMU é parte de uma “dinâmica mais ampla” nos esforços do regime no exterior para suprimir as críticas.

“Vimos estudantes chineses e associações de procuração em outras universidades americanas, enganados pela propaganda do Partido Comunista Chinês ou sob pressão do consulado chinês, enviarem e-mails coletivos para administradores de universidades apresentando reclamações onde alegam se sentir ofendidos por uma atividade no campus que promove liberdade de expressão ou vai contra a propaganda do PCCh, incluindo aquelas relacionadas ao Falun Gong”, disse ele ao Epoch Times.

O Centro de Informações do Falun Dafa divulgou recentemente o relatório “Vigilância, calúnia e censura”, que descobriu que o regime chinês exportou sua repressão às religiões para o solo americano por meio de livros didáticos difamatórios, bem como interferindo nos eventos do Falun Gong, alguns deles envolvendo os CSSAs vinculados ao consulado.

Epoch Times Photo
Levi Browde, diretor executivo do Falun Dafa Information Center, em um comício do Falun Gong na prefeitura de Nova York em 11 de maio de 2016. (The Epoch Times)

De acordo com o Sr. Browde, desde 2017, houve pelo menos nove incidentes documentados em Nova York, Chicago, Ohio, Pensilvânia, Califórnia e outros estados, onde estudantes chineses e associações de procuradores em universidades dos EUA, “enganados pela propaganda do Partido Comunista Chinês ou sob pressão do consulado chinês, enviam e-mails coletivos para administradores de universidades apresentando reclamações onde afirmam se sentir ofendidos por uma atividade no campus que promove a liberdade de expressão ou contraria a propaganda do PCCh, incluindo aquelas relacionadas ao Falun Gong.”

“Claramente, este é outro exemplo”, disse o Sr. Browde.

“Esses e-mails e as seguintes reclamações pessoais geralmente usam rótulos difamatórios e falsos do PCCh sobre o Falun Gong, como ‘culto’ ou ‘antigovernamental’”, disse ele, acrescentando que tal comportamento é “muitas vezes um esforço coordenado para silenciar o discurso”, com instruções do consulado chinês.

“Muitas vezes, essa conexão pode ser difícil de definir, mas, neste caso, é óbvio que isso foi relatado ao consulado e as instruções aguardadas”, disse ele, observando a mensagem do WeChat.

O Sr. Browde ficou particularmente impressionado com o argumento de Bizhu de que as apresentações do Shen Yun poderiam “deslegitimar” os diplomas dos estudantes chineses da TAMU e prejudicar o prestígio da universidade.

“Isso também é um argumento para pressionar a universidade de que ela pode perder mensalidades lucrativas de estudantes chineses, essencialmente uma ameaça de potencial boicote econômico se o evento em questão for autorizado”, disse ele.

“Este é um exemplo perfeito de estudantes chineses e CSSAs sendo colocados em uma difícil posição intermediária porque, se recusarem pedidos ou não demonstrarem sua lealdade ao PCCh no campus, isso pode ter consequências de curto e longo prazo para eles e suas famílias na China.”

Apesar da tentativa de interferência no show, o Shen Yun se apresentou com sucesso no Rudder Auditorium em College Station, Texas, na noite de 13 de fevereiro de 2018, para um auditório lotado.

O Sr. Young, então presidente da TAMU – advogado e professor emérito – compareceu à apresentação.

Quando entrevistado após a apresentação, ele disse: “Adoro o fato de que a apresentação está capturando uma ampla gama de história e cultura chinesas, e tem uma enorme quantidade de beleza e paixão conectada a isso.”

O Epoch Times entrou em contato com a Embaixada da China para comentar.

Sherry Dong, Li Chen e Cathy He contribuíram para este artigo.

Entre para nosso canal do Telegram