Regime chinês usa chicote para torturar prisioneiros de consciência

Vários capangas arrancaram Liang Zhenxing da cama e despiram-no antes de açoitarem-no nas costas com um chicote. “Chicotear pessoas é um trabalho tão cansativo!”, exclamou Gao Minglong depois de ficar esgotado. Zhang Liwei assumiu a função e não parou até que Liang desmaiasse.

Eles riram, olhando para o sangramento das costas de Liang. Gao afirmou: “Eu não tinha espancado ninguém há anos. Eu me diverti muito hoje! Quem se recusar a me ouvir, venha até aqui que eu lhe ensinarei uma lição!”

A descrição acima é de uma testemunha ocular do que ocorreu com o sr. Liang Zhenxing (梁振兴) na Penitenciária de Siping, província de Jilin, em 29 de junho de 2008. O sr. Liang foi um dos pioneiros que arriscaram suas vidas ao interceptar a rede de TV a cabo na cidade de Changchun para transmitir programas que expunham a perseguição ao Falun Gong em 2002.

De acordo com a testemunha, os guardas nunca fizeram quaisquer esforços para impedir que os detentos chicoteassem o sr. Liang. Ele eventualmente morreu por causa das chicotadas e de outras torturas em maio de 2010.

A cerca de 1.400 quilômetros de distância, na cidade de Baiyin, província de Gansu, uma cena semelhante se desenrolou numa delegacia de polícia local em novembro de 2002. A sra. Chen Jie (陈洁) foi pendurada e privada de sono, comida e água por três dias seguidos, durante o qual ela era frequentemente chicoteada com um fio.

O sangue escorreu de tal forma que os sapatos dela ficaram repletos dele antes de transbordar para o chão. Dez guardas se revezaram nas chicotadas e ameaçavam continuar se ela se recusasse a revelar a fonte dos materiais de exposição da perseguição ao Falun Gong, encontrados na sua bolsa.

Chicotear praticantes do Falun Gong com o propósito de infligir dores é um dos métodos de tortura mais comumente usados pelo Partido Comunista Chinês (PCC) na sua tentativa de fazer com que os cidadãos fiéis à lei abandonem suas crenças.

De acordo com relatos recolhidos pelo Minghui.org, o chicoteamento é usado em todos os tipos de instalações de detenção do PCC, incluindo prisões, delegacias de polícia, centros de detenção, centros de lavagem cerebral e os agora extintos campos de trabalho forçado.

Os chicotes são feitos de vários materiais, incluindo, mas não limitados a fios eléctricos, cabos telefónicos, varas de bambu, couro e cordas de nylon. Os praticantes, jovens e velhos, são submetidos a esta tortura cruel. Às vezes, os torturadores usam chicotadas como o principal método de tortura em suas tentativas de enfraquecer a força de vontade dos praticantes, enquanto que em outras vezes eles usam chicotes em conjunto com outros métodos de tortura.

Abaixo nós documentamos alguns casos em que chicotes foram usados como a principal técnica de tortura para fazer os praticantes sofrerem.

Olhos chicoteados com cordas de nylon

Guardas penitenciários na Penitenciária Feminina da província de Hunan, incentivadas por uma recompensa de até 10 mil yuanes por praticante “transformado”, usaram todos os meios possíveis para tentar fazer com que os praticantes desistissem de suas crenças no Falun Gong. Em particular, eles miraram nos olhos de praticantes ao torturarem-nos com chicotadas.

Elas esfregavam os olhos dos praticantes com pomadas de bálsamo e álcool antes de chicotearem-nos com três cordas de nylon amarradas juntas.

Despido e chicoteado

Por medo de demissão, todos os guardas do Presídio de Mudanjiang, província de Heilongjiang, pressionaram os praticantes a escreverem as chamadas “quatro declarações” de renúncia ao Falun Gong.

Eles despiram os praticantes que se recusavam a escrever as declarações e os mantiveram em quartos com janelas completamente abertas durante os meses de inverno. Eles eletrocutaram os praticantes com cassetetes elétricos e também os chicotearam por várias horas.

Muitos praticantes não conseguiram suportar a humilhação de serem chicoteados nus e escreveram as “quatro declarações” contra a própria vontade.

Tal humilhação não ficou restrita ao Presídio de Mudanjiang. A mais de 1.000 quilômetros de distância, na província de Hebei, o sr. Li Zhenfang (李振芳) também foi despido e açoitado com um chicote molhado. O chicote duro o deixou coberto de hematomas e ele teve dificuldades para andar após a tortura.

Chicoteada nas solas dos pés

A sra. Chen Jinhua (陈金华), 73 anos, foi anteriormente vice-diretora do povoado de Hesheng, distrito de Wenjiang, cidade de Chengdu, província de Sichuan. Certa vez, ela perdeu a voz depois de terem injetado drogas desconhecidas nela num centro de lavagem cerebral.

Em julho de 2000, ela também sofreu a tortura de ser chicoteada no gabinete de Huang Hongshi, vice-diretor do PCC no povoado de Hesheng. Huang, junto com dois gestores do povoado, a chicotearam com três cabos de cobre trançados. Como resultado da dor, ela se enrolou no chão. As presilhas de seu relógio foram quebradas e suas roupas estavam muito rasgadas.

Em seguida, eles obrigaram-na a ajoelhar-se no chão e tirar as suas meias. Eles chicotearam as solas de seus pés enquanto gritavam para ela obscenidades o tempo todo. Ela desmaiou várias vezes, mas era chicoteada novamente toda vez que acordava.

O corpo dela ficou coberto de feridas e hematomas após mais de quatro horas de chicotadas. Seus pés ficaram inchados e ela ficou incapaz de andar.

Mulher de 20 anos chicoteada por mais de 40 dias

A sra. Liu Xia (刘霞) foi presa em novembro de 2001 por peticionar pelo Falun Gong em Pequim. No Centro de Detenção de Huaiyang, o guarda Wu Quanzhong amarrou suas mãos atrás das costas e agarrou seu cabelo para bater sua cabeça contra a porta de um armário. O guarda Li Degong a chicoteou com um cinto de couro.

Para protestar, ela entrou em greve de fome, porém, foi submetida à alimentação forçada. Para fazê-la sofrer ainda mais, os guardas a amarraram de uma forma que ela não podia nem sentar, nem deitar. Nesse meio tempo, eles frequentemente a chicotearam por mais de 40 dias. Eles só liberaram-na quando ela estava à beira da morte. Ela era só pele e ossos quando sua família a resgatou.

Chicotadas contínuas enquanto praticante cospe sangue

O sr. Li Xinliang (李新良), da cidade de Donggang, província de Liaoning, era um paciente psiquiátrico. Ele voltou à lucidez após ter começado a praticar o Falun Gong. Ele foi preso no dia 5 de abril de 2002 por compartilhar suas experiências com outras pessoas e expor a perseguição ao Falun Gong.

Um oficial de sobrenome Wang chicoteou o sr. Li durante um interrogatório bem na frente do chefe de polícia Niu Chengyi, que observava em silêncio com um parecer favorável. Wang continuou a chicotear o sr. Li, mesmo após ele ter voltado para a cela. O sr. Li cuspiu sangue como resultado das chicotadas contínuas. Wang só parou de chicoteá-lo quando estava exausto.

Praticante falecido certa vez foi chicoteado num campo de trabalho forçado

O sr. Yang Lidong (杨立东), da cidade de Songyuan, província de Jilin, foi chicoteado com um fio grosso de metal quando esteve detido no Campo de Trabalho Forçado de Yinmahe em maio de 2002. Ele sangrou por causa das feridas quase imediatamente.

Ele morreu dois anos depois de sua libertação do campo de trabalho forçado, aos 35 anos.

Mulher chicoteada nas nádegas e nas mãos

A sra. Xiao Yongkang (肖永康), do condado de Huayuan, província de Hunan, foi espancada três vezes quando ela se recusou a responder à lista de chamada no Centro de Detenção do condado de Baojing.

O guarda Zhan Jianjun a chicoteou com força nas suas nádegas e nas suas mãos. Ele também a chutou, inflingindo-a dor excruciante. Ela gemeu de dor por várias horas seguidas. Devido aos ferimentos sofridos, ela não podia nem se sentar, nem se deitar de costas. Após o chicoteamento, ela foi algemada e acorrentada numa cela pequena.

Casal espancado com um chicote de um metro de comprimento

O sr. Wei Youtong (魏有同) e sua esposa Liu Fengzhi (刘凤芝), ambos do distrito deSonggezhuang, província de Hebei, foram brutalizados ao se recusarem a dar informações sobre outros praticantes. O chefe de polícia Li Zhiguo algemou o casal a um aquecedor e os espancou com um chicote de um metro de comprimento feito de sete cabos elétricos amarrados juntos. O sr. Wei ficou com marcas de chicote nas suas costas e as costas da sra. Liu sangraram.

 
Matérias Relacionadas