PCC pode coletar DNA de atletas americanos nas Olimpíadas de Pequim, afirmam especialistas

Mais de 200 atletas americanos estão recebendo exames diários da COVID para os Jogos Olímpicos de Inverno

Por Dorothy Li & Joshua Philipp

Selados do resto de Pequim em uma bolha de “circuito fechado”, mais de 200 atletas americanos estão recebendo exames diários da COVID para os Jogos Olímpicos de Inverno. Mas alguns especialistas temem que o DNA dos atletas olímpicos dos EUA possa ser coletado pelo Partido Comunista Chinês (PCC).

Patricia Adams, diretora executiva da Probe International, uma organização sem fins lucrativos com sede no Canadá, afirmou que “é uma possibilidade muito provável” que o PCC colete o DNA de atletas de alto desempenho nos Jogos.

“Eles [PCC] estão fazendo os testes todos os dias… e [não há] absolutamente nenhuma supervisão sobre o uso dos produtos que estão recebendo”, afirmou Adams durante um webinar no dia 26 de janeiro no programa “Desmascarando a China Comunista” da EpochTV .

No evento online, Stephen Yates, chefe executivo da empresa de consultoria DC International Advisory, se pronunciou sobre a ameaça representada pela coleta em massa de informações pessoais e dados de saúde pelo regime chinês. Autoridades e especialistas dos EUA já alertaram que Pequim está acumulando um grande banco de dados que inclui informações pessoais e de saúde dos americanos, que podem ser usadas para aprimorar sistemas de inteligência artificial e campos da medicina, além de auxiliar em operações de espionagem e militares.

O perigo, declarou Yates, está no fato do PCC usar o conjunto de dados em massa para fins antiéticos.

“A China tornou a inteligência artificial uma arma, assim como muitos outros estudos do processo humano de maneiras que os países civilizados nem mesmo permitiriam, então não temos como realmente saber o que essa janela escura do futuro pode ser”,afirmou ele.

De acordo com Yates, o PCC pode usar o enorme conjunto de dados para dar a seus atletas uma vantagem competitiva ou aumentar as oportunidades de guerra psicológica.

Os Jogos Olímpicos de Inverno devem começar em Pequim no dia 4 de fevereiro. Os boicotes diplomáticos anunciados pelos Estados Unidos e uma série de outros países, que visam responsabilizar o regime comunista por suas violações aos direitos humanos em Xinjiang, não impedem os atletas de competir nos Jogos.

Os atletas norte-americanos chegaram a Pequim na noite de 28 de janeiro e foram enviados diretamente para hotéis situados em um sistema de circuito fechado cercado por cercas de arame. Todos na bolha só podem sair por meio de veículos especiais, e funcionários em trajes de proteção completos realizam exames com cotonetes na boca todos os dias.

Um segurança monta guarda no estacionamento de um hotel em Pequim, no dia 29 de janeiro de 2022 (KIRILL KUDRYAVTSEV/AFP via Getty Images)
Um segurança monta guarda no estacionamento de um hotel em Pequim, no dia 29 de janeiro de 2022 (KIRILL KUDRYAVTSEV/AFP via Getty Images)

No evento online, Adams sugeriu que o PCC pode “se livrar de um americano que é o provável vencedor do ouro ” através do que ela descreveu como “o uso nefasto de teste positivo para COVID falso”.

Os organizadores olímpicos de Pequim, no dia 29 de janeiro, negaram relatos de que podem manipular os resultados dos testes para a COVID, afirmando que os testes estão de acordo com os padrões internacionais, segundo a mídia estatal China Daily.

Adams afirma que “no final das contas, tudo está sendo feito pelo governo chinês e ninguém sabe realmente o que vai acontecer com os dados”.

Ela observou que o problema é que “ninguém confia no governo chinês”.

“O governo chinês demonstrou repetidamente ao mundo que não segue regras. Eles seguem suas próprias regras. Eles não seguem as regras internacionais. Eles não seguem os tratados que assinaram.”

O histórico conhecido de espionagem cibernética do PCC levou vários países, incluindo Estados Unidos, Reino Unido e Canadá, a pedir a seus atletas que trouxessem um telefone descartável para os Jogos. Especialistas em segurança cibernética alertaram que Pequim 2022, um aplicativo de saúde obrigatório para os Jogos, pode espionar usuários por meio de falhas de criptografia.

“Acho que os atletas estão muito, muito nervosos. E eles não estão felizes”, declarou Adams.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas