PCC exclui artigo da mídia estadual que levantava preocupações sobre a vacina da COVID-19

Empresas estatais chinesas e os militares também forçaram alguns funcionários e soldados a participarem dos testes de vacinas

Por Nicole Hao

Em meio à luta da China para desenvolver uma vacina contra o vírus do PCC, especialistas conversaram recentemente com a mídia estatal chinesa sobre os riscos de uma reação adversa conhecida como Aumento Dependente de Anticorpo (ADE), mas em poucas horas, o artigo foi removido e as postagens também foram retiradas da internet.

O corpo humano produz anticorpos após contrair um vírus. Os cientistas descobriram que alguns vírus podem manifestar ADE, o que significa que os anticorpos desencadeados pela primeira infecção podem conectar a segunda cepa viral a receptores nas células do sistema imunológico, permitindo assim que o vírus entre nas células do sistema imunológico.

Isso pode fazer com que um paciente infectado com uma cepa de um vírus experimente uma recorrência mais grave da doença se, subsequentemente, for infectado com uma segunda cepa.

Como as vacinas funcionam contendo toxinas ou proteínas de superfície de uma bactéria ou vírus, que estimulam o sistema imunológico do corpo a reconhecer o patógeno como uma ameaça e a produzir anticorpos para destruí-lo, o potencial do ADE é frequentemente considerado no desenvolvimento de vacinas.

O artigo de notícias chinês

Em um artigo de 30 de agosto, Yicai entrevistou quatro especialistas chineses sobre o risco de ADE do vírus do PCC, comumente conhecido como o novo coronavírus.

Um especialista anônimo do Centro Clínico de Saúde Pública de Xangai disse: “Nossa última pesquisa descobriu que o novo coronavírus tem o fenômeno ADE, e a porcentagem não é pequena”.

Pesquisador trabalhando em laboratório da Yisheng Biopharma, empresa que desenvolve vacinas COVID-19, em Shenyang, China, em 10 de junho de 2020 (NOEL CELIS / AFP via Getty Images)
Pesquisador trabalhando em laboratório da Yisheng Biopharma, empresa que desenvolve vacinas COVID-19, em Shenyang, China, em 10 de junho de 2020 (NOEL CELIS / AFP via Getty Images)

O virologista e professor da Universidade de Hong Kong Jin Dong-yan também disse a Yicai que o vírus do PCC poderia ter ADE. Ele citou casos recentes de pacientes recuperados que posteriormente testaram positivo para COVID-19 novamente como prova do fenômeno.

Jin citou um caso particular nos Estados Unidos. De acordo com o Nevada Independent, um residente de Nevada de 25 anos testou positivo para a COVID-19 novamente em 6 de junho, 48 dias após o teste positivo pela primeira vez. As duas amostras de vírus do paciente em abril e junho são diferentes, e o paciente apresentou sintomas graves após a segunda infecção.

“O paciente tinha anticorpos quando estava em estado grave [durante a segunda infecção], o que significa que os sintomas podem ser causados ​​por seu sistema imunológico. Existe a possibilidade de ADE”, disse Jin.

Em 31 de agosto, o diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) da China, Gao Fu, respondeu ao artigo de Yicai, dizendo que ainda não estava claro se o vírus do PCC manifestava ADE.

Um estudo publicado na revista científica Nature em 5 de junho concluiu que “se o SARS-CoV-2 pode causar efeitos do ADE permanece uma questão não resolvida”, mas “o ADE e o SARS-CoV estão intimamente relacionados”, mais estudos são necessários sobre os efeitos do ADE. SARS-CoV-2 é o nome científico completo do vírus que causa a COVID-19, enquanto SARS-CoV é o apelido do vírus que causa a SARS (síndrome respiratória aguda grave).

O estudo também alertou que, uma vez que “certos projetos de vacinas são mais propensos a induzir respostas imunes ao RDW do que outros”, os pesquisadores devem “proceder com cautela” no desenvolvimento de vacinas para COVID-19.

Vacinas chinesas

Apesar da falta de pesquisas concretas, o regime chinês está avançando com os testes da vacina COVID-19. A mídia estatal chinesa Xinhua informou em 28 de agosto que três empresas chinesas estavam conduzindo testes clínicos de fase 3, com um fabricante atualmente testando mais de 30.000 pessoas em países do Oriente Médio, América do Sul e Sudeste Asiático.

As empresas estatais chinesas e os militares também forçaram alguns funcionários e soldados a participarem dos testes de vacinas.

Um pesquisador do Centro de Inovação Avançada de Genômica de Pequim da Universidade de Pequim conduzindo testes em seu laboratório em Pequim, China, em 14 de maio de 2020 (WANG ZHAO / AFP via Getty Images)
Um pesquisador do Centro de Inovação Avançada de Genômica de Pequim da Universidade de Pequim conduzindo testes em seu laboratório em Pequim, China, em 14 de maio de 2020 (WANG ZHAO / AFP via Getty Images)

O comentarista de assuntos da China baseado nos EUA e ex-médico Tang Jingyuan disse que a pressão do regime chinês foi irresponsável e semelhante a tratar os cidadãos chineses “como ratos do laboratório”.

“O regime chinês está ansioso para ser o primeiro a ter uma vacina aprovada. Eles precisam usar a vacina como uma ferramenta política para ganhar o apoio dos países em desenvolvimento, bem como para competir com os países desenvolvidos”, disse Tang.

O artigo de Yicai gerou uma discussão acalorada online na China antes de ser removido.

“O regime chinês não quer que a opinião pública estrague seu plano. Provavelmente é por isso que as autoridades removeram rapidamente o item”, acrescentou Tang.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas