PCC estende a estratégia das ‘3 guerras’ ao espaço, afirma especialista

‘Pela perspectiva da RPC, estamos em guerra’, declarou o analista espacial

Por Andrew Thornebrooke

Um robô chinês caminha pela poeira. Colete amostras de rochas, meça compostos químicos e veja crateras nunca vistas antes pela humanidade. Está fora do alcance dos sensores americanos. Está além das leis e padrões internacionais. Ele está em uma missão.

Está no lado escuro da lua.

O Partido Comunista Chinês (PCC) opera o Yutu-2 do outro lado da Lua desde 2019. Rovers como o Yutu-2, aparentemente parte do programa de exploração lunar do PCC, estão preparando o caminho para a construção de uma nova base de pesquisa robótica na lua. Essa base, por sua vez, abrirá o caminho para um pouso tripulado na lua e uma nova base lunar administrada conjuntamente pela China e pela Rússia.

A fase de exploração deste processo, do qual o Yutu-2 faz parte, deverá durar até 2025 com mais seis missões realizadas pela China e pela Rússia. A construção da base deverá então durar pelo menos até 2035, com capacidade operacional total sendo alcançada em 2036.

Essa ambição desperta o interesse de cientistas, sempre ávidos por novos conhecimentos sobre a única lua da Terra. No entanto, o sigilo que cerca o projeto deixa os estrategistas nervosos, os quais não percebem este pequeno rover como um pequeno passo para a humanidade, mas como um salto gigante para as capacidades militares chinesas.

Na verdade, alguns especialistas acreditam que a coleção de rochas lunares do Yutu-2 não é apenas uma continuação da competição sino-americana, mas pode fornecer as chaves para a vitória em uma futura guerra.

O espaço é um domínio de guerra

Michael Listner é um advogado de um tipo muito peculiar. É especialista em política espacial e há alguns anos dirige a publicação do “The Précis”, um boletim jurídico que examina os fundamentos do direito espacial e suas ramificações para a política internacional em todas as áreas, desde os negócios à segurança nacional.

Segundo ele, o PCC está expandindo sua estratégia de “três guerras” para o espaço. Essa vasta nova fronteira será o centro das campanhas midiáticas de engrandecimento do regime, o objeto da guerra psicológica e, acima de tudo, o centro das novas batalhas jurídicas que reconfigurarão a ordem internacional enquanto a China tenta proclamar o status hegemônico dos Estados Unidos para si mesma.

A estratégia, afirmou ele, é projetada para minar e talvez derrotar o inimigo sem disparar um tiro.

“O espaço é um domínio da guerra”, declarou Listner. “Vai ser parte da luta e vai ser parte de um conflito futuro”.

“No momento eles estão lutando em todas essas frentes”, acrescentou Listner sobre a estratégia de guerra em três frentes do PCC no espaço. “Na verdade, eu realmente vejo isso como uma preparação para o campo de batalha”.

Este esforço para moldar o campo de batalha, fundamental para qualquer exército, é especialmente significativo para estrategistas militares chineses que, pelo menos desde o século V a.C., estudaram os escritos do eminente filósofo de guerra Sun Tzu, o qual argumentou que preparar o campo de batalha era o meio de dominar o inimigo.

Portanto, teme-se que o regime chinês garanta efetivamente que terá vantagem estratégica em caso de conflito, preparando um cenário jurídico favorável, posicionando ativos em órbita e construindo alianças em suas operações espaciais.

A razão para a continuação desse esforço na Lua é bastante simples: os EUA não podem trabalhar sem espaço.

“A dependência e a confiança dos Estados Unidos no espaço são quase absolutas”, afirmou Paul Crespo, presidente do Centro de Estudos de Defesa dos Estados Unidos.

“Das comunicações aos bancos, às viagens aéreas e terrestres e o GPS, nossa economia, nossa sociedade e nossos militares não podem sobreviver sem o domínio espacial dos EUA.”

Crespo, um veterano da Marinha que serviu na Agência de Inteligência de Defesa, passou anos examinando a influência maligna do PCC no exterior e seus esforços para degradar e enfraquecer seus adversários por meio de tecnologias de uso duplo e guerra legal.

Tanto Crespo quanto Listner temem que a lua seja a próxima linha de nove pontos da China e que seja usada para subjugar o Estado de Direito em benefício do PCC, assim como fez no Mar do Sul da China.

O regime chinês reivindica cerca de 85% do disputado Mar do Sul da China demarcado por sua “linha de nove pontos”, uma reivindicação que foi rejeitada por um tribunal internacional em 2016. Vários outros países também reivindicam partes das vias navegáveis.

Apesar da decisão, Pequim construiu postos militares em ilhas artificiais e recifes da região e implantou navios da guarda costeira chinesa e barcos de pesca para intimidar embarcações estrangeiras, bloquear o acesso às vias navegáveis ​​e apoderar-se das margens e recifes.

Especialistas temem que o PCC use suas infra-estruturas lunares e espaciais para, da mesma forma, se posicionar contra a competição e controle de eventos na região, violando leis e normas internacionais.

“O PCC demonstrou que não respeita a lei e as normas internacionais e está disposto a intimidar, ameaçar, coagir e abrir caminho em qualquer lugar que considere vital para seus objetivos estratégicos”, relatou Crespo. “Isso é muito claro com sua expansão ilegal na maior parte do Mar da China Meridional e suas afirmações quanto a isso”.

“Isso certamente será mais verdadeiro para a China no espaço, onde as regras são muito menos estabelecidas e codificadas.”

A resposta da América ao aventureirismo espacial do PCC tem sido mista.

Durante a administração do ex-presidente Donald Trump, a nação assumiu uma postura dura, tentando superar o PCC na lua. Na verdade, os Acordos Artemis foram inicialmente elaborados para orientar as nações que iriam participar do Programa Artemis, um esforço liderado pelos Estados Unidos para estabelecer uma base na lua.

Da mesma forma, a Diretiva 1 da Política Espacial de Trump pretendia “liderar um programa de exploração inovador e sustentável com parceiros comerciais e internacionais para permitir a expansão humana através do sistema solar e trazer novos conhecimentos e oportunidades de volta à Terra”.

Para acomodar essas ambições, a NASA tentou truncar sua meta original de estabelecer uma presença lunar em 2028-2024. No entanto, essa data foi rapidamente adiada para 2025. Desde então, a NASA mudou novamente o curso e definiu a meta para 2025 como a primeira data para um voo americano ao redor da Lua, mas que não pousará nela.

Um foguete Long March 5B decola do centro de lançamento de Wenchang, na Ilha de Hainan, no sul da China, no dia 5 de maio de 2020. Outra variante do foguete Long March foi usada para lançar o míssil hipersônico da China em órbita em julho (STR / AFP via Getty Images)
Um foguete Long March 5B decola do centro de lançamento de Wenchang, na Ilha de Hainan, no sul da China, no dia 5 de maio de 2020. Outra variante do foguete Long March foi usada para lançar o míssil hipersônico da China em órbita em julho (STR / AFP via Getty Images)

Usurpando o limite

A corrida lunar tem o potencial de revolucionar as relações internacionais mais do que qualquer outra faceta da competição sino-americana. Quando trata-se de ditar a lei além da atmosfera da Terra, Crespo e Listner acreditam que quem vier primeiro vence.

“Na verdade, trata-se de uma competição de grande potência”, afirmou Listner.

“O consenso geral sobre a competição das grandes potências é quem vai finalmente ditar as regras no cenário internacional. Em outras palavras, quem terá mais influência no momento de definir o que é legal e a cosmovisão das próximas décadas.”

Listner descreveu a luta entre os Estados Unidos e a China para influenciar a forma do mundo e suas normas como uma luta de visões concorrentes, na qual duas maneiras radicalmente diferentes de entender o mundo e operá-lo se chocam.

Essa luta, afirma ele, está florescendo no espaço.

“No momento, existem duas visões concorrentes”, relatou Listner. “Uma delas baseia-se nos acordos de Artemis, iniciados pela administração Trump”.

“A Federação Russa e a República Popular da China reagiram com sua própria visão competitiva, chamada de estação lunar internacional de pesquisa.”

Os Acordos de Artemis, explicou Listner, são uma estrutura para cooperação internacional em relação à exploração e uso da Lua, Marte e outros objetos astronômicos. O esforço baseia-se fortemente no Tratado do Espaço Exterior da ONU de 1967 e busca afirmar a cooperação pacífica, promover a interoperabilidade e registrar objetos no espaço com padrões uniformes.

O Tratado do Espaço Exterior tem atualmente 111 signatários, incluindo China e Rússia. Os acordos Artemis, assinados pela primeira vez em 2020, têm 14 signatários. China e Rússia não os assinaram, por se tratar de um acordo comercial desnecessariamente favorável aos Estados Unidos.

A Estação de Pesquisa Lunar Internacional, por outro lado, é o esforço do PCC e da Rússia para arrancar a liderança espacial internacional da NASA dos Estados Unidos e defender uma nova ordem da Eurásia.

Na verdade, o pequeno Yutu-2 é apenas a primeira das sete missões de reconhecimento planejadas pela China e pela Rússia, que abrirão o caminho para a construção da base. Isso é importante quando o futuro do domínio do espaço está em jogo.

“Trata-se da visão competitiva de como será o estado de direito e quem definirá as regras na superfície lunar e na exploração do espaço”, relatou Listner.

“Quem chega primeiro e começa a construir é quem dita as regras.”

Nesse sentido, Crespo advertiu que o PCC está tentando remodelar o espaço à sua imagem e semelhança, minando a capacidade dos Estados Unidos de se manter não apenas como uma superpotência mundial, mas possivelmente como uma civilização.

“Neutralizar nosso domínio do espaço prejudicará seriamente nossa capacidade de vencer qualquer conflito importante e, em última análise, até mesmo nossa capacidade de manter uma sociedade estável, moderna e funcional”, afirmou Crespo.

“Se os chineses forem além de simplesmente neutralizar nosso domínio e ganharem um claro domínio do espaço, isso se tornará quase um fato consumado em termos da América perder sua capacidade de permanecer uma potência mundial, e inclusive, até mesmo, uma nação soberana independente”.

Listner afirma que no melhor dos casos trata-se de um conflito de zona cinzenta.

“Do ponto de vista da RPC, estamos em guerra”, declarou Listner, referindo-se à República Popular da China.

Lançadores de mísseis terra-ar HQ-9 do Exército de Libertação do Povo, da China, durante um desfile militar na Praça Tiananmen, em Pequim, no dia 3 de setembro de 2015. Uma versão modificada deste míssil foi usada para derrubar um satélite em um teste conduzido pela China em 2007 (Greg Baker / AFP via Getty Images)
Lançadores de mísseis terra-ar HQ-9 do Exército de Libertação do Povo, da China, durante um desfile militar na Praça Tiananmen, em Pequim, no dia 3 de setembro de 2015. Uma versão modificada deste míssil foi usada para derrubar um satélite em um teste conduzido pela China em 2007 (Greg Baker / AFP via Getty Images)

A ameaça lunar

Essa zona cinzenta de conflito, na qual as nações se envolvem em hostilidades parando em algum ponto antes de abrir fogo, está em pleno andamento no espaço sideral.

“Qualquer base tripulada chinesa e / ou russa na Lua lhes proporcionaria uma vantagem estratégica importante do ponto de vista militar, legal e econômico”, afirma Crespo.

No início de dezembro, o general David Thompson, o primeiro vice-chefe de operações espaciais da Força Espacial, declarou que o PCC estava lançando ataques à infraestrutura espacial dos Estados Unidos “todos os dias”. Esses ataques reversíveis, nos quais a arquitetura dos satélites ou sistemas cibernéticos americanos ficam temporariamente comprometidos, são amplamente entendidos como uma forma de medir a reação.

Ou seja, uma preparação para uma guerra real.

Thompson afirmou em outras declarações que o regime chinês está desenvolvendo o dobro de capacidades espaciais que os Estados Unidos. Além disso, seu conjunto de plataformas projetadas para a guerra espacial estava crescendo.

“[Os chineses] têm robôs no espaço que realizam ataques”, relatou Thompson. “Eles podem realizar ataques de bloqueio e cegamento a laser. Eles têm um conjunto completo de recursos cibernéticos”.

“Se não começarmos a acelerar nossos recursos de desenvolvimento e entrega, eles nos ultrapassarão. E 2030 não é uma estimativa exagerada”, declarou.

Esses avanços apontam para fraquezas nas leis existentes, como o Tratado do Espaço Exterior, que muitas pessoas acreditam erroneamente que proíbe o desenvolvimento de armas espaciais.

“As armas convencionais no espaço não são proibidas pelo Tratado do Espaço Exterior, como pode ser visto na demonstração ASAT [arma anti-satélite] da Federação Russa há algumas semanas”, afirmou Listner. “No entanto, as armas nucleares em certas circunstâncias são proibidas pelo Tratado do Espaço Exterior”.

Os comentários de Listner referiam-se à recente demonstração da Rússia de um míssil ASAT usado para explodir um satélite em órbita. Os críticos acusaram a Rússia de colocar em risco a vida de astronautas, já que milhares de fragmentos podem destruir veículos espaciais. O evento foi semelhante a um incidente realizado pela China em 2007.

Na verdade, o PCC está expandindo rapidamente suas capacidades militares como parte de um esforço total para usurpar o domínio militar e comercial dos EUA. Esse esforço é projetado para equipar o PCC com um novo ataque avassalador de tecnologias militares dignas da ficção científica.

O esforço inclui o desenvolvimento de armas hipersônicas, dispositivos de pulso eletromagnético, novas embarcações navais capazes de lançar foguetes ao espaço e um reator nuclear para impulsionar viagens espaciais, supostamente 100 vezes mais potente do que os previstos pelos Estados Unidos.

Ao todo, o PCC planeja lançar 10.000 satélites até 2030 em seus esforços para derrubar o domínio espacial americano.

Além disso, o PCC pode usar a Lua, ou recursos espaciais em geral, para explorar as fraquezas de seus adversários ou promover seus esforços com armas. Uma presença maior permitiria à China maior comunicação e controle de seus recursos espaciais, especialmente a arquitetura de satélites, que é a chave para os sistemas GPS dos EUA e aliados, dos quais os militares dependem. Especialistas há muito argumentam que um ataque preventivo aos sistemas GPS dos Estados Unidos seria o primeiro movimento da China em uma guerra, inclusive sobre Taiwan.

Outras possibilidades são mais hipotéticas, como o uso, há muito tempo teorizado, de um sistema de bombardeio cinético que poderia aproveitar a atração gravitacional da Terra contra ele. Este sistema poderia transformar objetos tão simples como hastes de tungstênio em armas de destruição em massa devido à velocidade com que eles colidiriam com a Terra.

Isso permitiria a um sistema em um satélite ou na Lua lançar objetos pesados ​​na Terra com o poder destrutivo de um meteorito. Uma façanha para a qual a arma proposta há muito é chamada de “Varas de Deus“.

Embora mais caro do que outros sistemas, a ideia de tal sistema existe desde a Guerra Fria, e o Pentágono considerou desenvolvê-lo em 2006, antes de prosseguir com a pesquisa de veículos planadores hipersônicos.

Listner afirmou que a contínua conquista do espaço pelo PCC deve-se em parte ao fracasso dos líderes americanos e aliados em reconhecer as diferenças fundamentais nas formas ocidentais e eurasianas de conceituar o mundo e a política.

“Fundamentalmente, temos que entender que a RPC e a Federação Russa não pensam como os Estados Unidos e as nações ocidentais”, afirmou Listner.

Seus comentários refletiram um consenso crescente, reconhecido por novos relatórios do Congresso dos Estados Unidos, de que o PCC está lançando uma campanha mundial para defender o marxismo como alternativa ao capitalismo dos Estados Unidos e para suplantar os Estados Unidos como a hegemonia mundial.

Para isso, a comunidade internacional pode gostar de brincar de legislar, como é o caso dos Acordos de Artemis, mas a RPC tem mostrado repetidamente sua relutância em aderir a tais normas.

“ONGs, grupos de paz e grupos de desarmamento acreditam que a RPC e os russos pensam como nós, quando não pensam”, declarou Listner. “Isso se chama ‘pensamento de espelho’ e é uma armadilha muito, muito perigosa de se cair”.

Uma base para quem?

Talvez em nenhum lugar essa armadilha seja mais evidente do que na chamada política de “uso duplo” do PCC.

O PCCh nega publicamente que seus sistemas e projetos espaciais, incluindo seus planos lunares e satélites, sejam usados ​​para fins militares. Por exemplo, ele caracterizou seu satélite de recolhimento como um meio de limpar detritos espaciais e seu teste de míssil hipersônico como uma espaçonave reutilizável.

Os críticos do PCC apontam que a ambiguidade quanto ao fato de tal tecnologia ser, em última análise, de natureza civil ou militar, é uma característica do uso duplo.

O uso duplo é a realização prática da política de “fusão civil-militar” do PCC, que visa apagar todas as barreiras entre a vida privada e pública para garantir que todas as tecnologias civis também promovam o domínio militar chinês.

Os foguetes usados ​​para lançar o Yutu-2 à Lua são um exemplo disso. O mesmo tipo de foguete foi usado para lançar o novo sistema de armas hipersônicas do PCC, que os líderes americanos temem ser uma arma nuclear de primeiro ataque.

Os líderes do PCC declararam que o teste foi para o benefício de seu programa espacial.

“Praticamente todos os objetos que um país é permitido a lançar ao espaço são indistinguíveis de ICBMs ou armas hipersônicas”, relatou Crespo. “E para a China essa distinção é bastante irrelevante”.

Crespo afirmou que a ambiguidade fazia parte do programa, projetado para esconder se o papel militar ou civil de qualquer projeto deveria ser dominante.

Essa ambiguidade faz toda a diferença na Lua, onde todos os taikonautas chineses estão a serviço dos militares chineses.

“Qualquer base lunar serve a propósitos científicos enquanto fornece claramente à China uma presença lunar estratégica que terá de ser defendida e pode ser usada para vigilância, reconhecimento ou ataques militares de todos os tipos contra satélites e outros recursos espaciais”, afirmou Crespo. “Nenhuma base lunar será puramente civil para o PCC”.

Um mundo para se ganhar

O espaço foi descrito pelo pesquisador Paul Szymanski como “o campo de batalha mais incerto”. No entanto, sua incerteza não diminui sua importância para o futuro das nações. Pelo contrário, as ramificações econômicas, militares e políticas do espaço, e do controle da Lua em particular, são quase impossíveis de exagerar.

“O espaço é o maior patrimônio da América e sua maior vulnerabilidade”, declarou Crespo. “Os chineses e os russos o percebem como nosso calcanhar de Aquiles”.

Nesse sentido, o valor estratégico do espaço pode ser considerado o ponto mais importante das ambições do PCC. É o portal através do qual uma potência em ascensão pode saltar para a hegemonia global para ditar o futuro dos assuntos terrenos.

Na verdade, não é exagero afirmar que a lua é para o PCC o que os Alpes foram para Aníbal. Se eles o dominarem, o resto pode cair como dominó.

“As apostas são grandes assim”, afirmou Crespo. “Quem controla o espaço pode controlar o mundo”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas