PCC é vulnerável e seu governo pode acabar com um golpe de estado, diz especialista

"É absolutamente essencial que os Estados Unidos e seus aliados partam para a ofensiva"

Por Jan Jekielek, Frank Fang

O regime chinês não é tão forte quanto parece para o mundo exterior, e muitos problemas internos que assolam o regime levarão ao seu fim, disse um ex-diplomata britânico e especialista em China.

Esses problemas foram reconhecidos por algumas autoridades chinesas de alto nível que poderiam liderar um golpe para remover o atual líder chinês, Xi Jinping, a fim de proteger seus próprios interesses, disse Roger Garside, autor de “Golpe na China: O Grande Salto para a Liberdade” durante uma entrevista recente no programa “American Thought Leaders” do Epoch TV.

“Eles podem ver melhor do que a maioria das pessoas, que este regime é forte por fora, mas fraco por dentro. E que está em um estado de declínio político”, disse Garside.

Ele acrescentou: “[A] melhor esperança para preservar sua própria riqueza e poder, assim como a melhor esperança para a China, é liderar um golpe para eliminar Xi Jinping e lançar a China em uma transição democrática”.

Esses problemas não são causados ​​por “forças externas” ou “forças anti-China”, as quais o Partido Comunista Chinês (PCC) freqüentemente culpa pelos problemas do país. Em vez disso, os problemas foram criados pelo próprio sistema político do regime comunista, uma ditadura totalitária, disse Garside.

“Eles [o regime chinês] são internamente fracos porque há uma crise moral na China. Existe um sistema de corrupção, o sistema está corrompido, de cima para baixo, da esquerda para a direita. E pode continuar, mas a maior área de fraqueza é, estranhamente, a economia”, explicou Garside.

De acordo com Garside, o declínio da moral na China começou quando o Partido Comunista Chinês (PCC) perdeu sua autoridade moral após o massacre da Praça Tiananmen. Para substituir a autoridade perdida, Garside disse que o regime deu início à “maior campanha de privatização que o mundo já viu”, a fim de usar “incentivos materiais” para tornar as pessoas leais aos líderes do PCC.

Em junho de 1989, o regime chinês ordenou que suas tropas abrissem fogo contra manifestantes estudantis e civis desarmados na Praça Tiananmen. O PCC nega ter iniciado uma repressão violenta e qualquer discussão sobre o movimento de protesto é considerada tabu na China.

Fontes anônimas dentro do PCC disseram que pelo menos 10.000 pessoas morreram naquele dia, de acordo com um cabo britânico e documentos americanos desclassificados.

“Certamente há decadência moral e um vácuo moral: não há confiança, não há verdade”, acrescentou Garside.

O esforço de privatização de Pequim não levou a uma economia de mercado, mas a uma economia de comando que abriu caminho para a corrupção galopante na China.

“Atualmente, na China não há clareza sobre a propriedade das grandes empresas estatais: quem as controla, quem realmente as possui, mesmo as privadas, quem realmente as possui e controla. Tudo isso é muito opaco e, onde há opacidade em questões econômicas e financeiras, há corrupção”, explicou Garside. “E isso permitiu que os donos do poder em todos os níveis [na China] ficassem ricos e poderosos”.

Nos últimos anos, muitos funcionários de alto e baixo escalão do PCC foram acusados ​​de corrupção e desfalque, bem como altos executivos de empresas estatais da China. Um dos homens mais proeminentes implicados na corrupção foi Zhou Yongkang, um ex-chefe de segurança que foi condenado à prisão perpétua em 2015.

Entre todos os problemas da China, destaca-se sua economia, que não é tão forte quanto o regime chinês alardeava, segundo Garside.

Ele explicou: “Desde 2008, [o regime chinês] tem contado com a injeção de bilhões de crédito no sistema para manter uma taxa de crescimento artificialmente alta. E esta avalanche de dinheiro tem causado uma grande distorção, falsa atividade econômica, atividade não econômica e fragilidade dentro do sistema financeiro”.

De acordo com Garside, em vez de ficar de braços cruzados esperando que as mudanças políticas ocorram na China, os Estados Unidos e seus aliados devem ser proativos, por exemplo, ajudando a derrubar o Grande Firewall do regime chinês, que bloqueia o acesso a muitos sites Web e redes sociais estrangeiras.

Ele acrescentou: “O regime comunista é vulnerável. Mas não acho que o regime totalitário será destruído apenas pela dinâmica dentro da China. Acho que é absolutamente essencial que os Estados Unidos e seus aliados partam para a ofensiva”.

Como a China e os Estados Unidos estão profundamente conectados, especialmente nas frentes econômica e social, os Estados Unidos não podem ficar de braços cruzados diante das crescentes ameaças chinesas. “Se não lutarmos contra este regime ambicioso e perigoso, vamos perder nossa liberdade”, advertiu Garside.

“Não podemos simplesmente sentar e dizer, estamos do nosso lado, faremos um trabalho melhor ao administrar nossos próprios países. Sim, precisamos. Mas também temos que encontrar as vulnerabilidades. Temos que educar nosso povo sobre o perigo que enfrentamos”.

Siga Jan no Twitter: @JanJekielek

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

ntre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Twitter.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas