PCC continua inventando mentiras, apesar de enfrentar uma crise severa

Xi e o PCC estão unidos em um destino comum de enfrentar a luta pelo poder dentro do Partido, a agitação social na nação e a pressão da comunidade internacional

Por Wang He

O ano de 2020 deveria ver o fim da pobreza na China, o ano em que a 13ª Iniciativa de Desenvolvimento Econômico e Social Quinquenal é concluída e o ano em que o país entra na segunda fase do “Desenvolvimento em Três Etapas do socialismo com características chinesas” nas áreas econômica, militar e rural.

Deveria ser um ano para o líder chinês Xi Jinping e seus camaradas elogiarem sua importância e sucesso na China. No entanto, a pandemia de COVID-19 colocou Xi e o Partido Comunista Chinês (PCC) em uma crise séria.

Na verdade, Xi e o PCC estão unidos em um destino comum de enfrentar a luta pelo poder dentro do Partido, a agitação social na nação e a pressão da comunidade internacional.

Podemos esperar que Xi e o PCC mudem? Não, eles ainda estão pegando o mesmo velho caminho com a mesma mentalidade.

Por um lado, o PCC continua a proclamar que o progresso foi “melhor do que o esperado”, conforme relatado pelo Politburo em 30 de julho.

Por outro lado, o PCC continua agindo duro.

A supressão de grupos étnicos continua. A construção de campos de concentração continua em Xinjiang, onde pelo menos um milhão de uigures estão detidos. As autoridades da Mongólia Interior ordenaram recentemente que as escolas ensinassem em mandarim, cancelando à força o ensino da língua mongol. No passado, essa política também foi usada com coreanos étnicos e no Tibete.

Vigilância de alta tecnologia e gerenciamento extensivo de rede são impostos ao povo em geral na China. O gerenciamento de rede é um sistema recentemente adaptado por Pequim para monitorar e controlar os residentes.

As empresas privadas agora devem ficar sob o controle do Partido por meio do Departamento do Trabalho da Frente Unida, uma unidade do PCC que coordena milhares de grupos para realizar operações de influência política estrangeira, suprimir movimentos dissidentes, reunir inteligência e facilitar transferência de tecnologia para a China.

A repressão contra dissidentes políticos continua, sejam eles intelectuais, como Xu Zhangrun, Professor de Jurisprudência e Direito Constitucional na Universidade Tsinghua em Pequim; ou os “príncipes vermelhos” de segunda geração, como Ren Zhiqiang, um ex-magnata do setor imobiliário; e Cai Xia, um professor aposentado da Escola Central do Partido do PCC.

Na arena internacional, o PCC adotou políticas para ameaçar a democracia em Hong Kong e Taiwan, e está em um confronto global com os Estados Unidos.

Figuras econômicas inventadas

Embora 2020 tenha sido um ano de desastres sem precedentes na China – a mortal pandemia do vírus do PCC (novo coronavírus), inundações massivas, uma economia ruim e muito mais – todos tiveram um impacto negativo direto em um ano politicamente importante para o regime. No entanto, o PCC continua a inventar conquistas econômicas e números de crescimento.

Recentemente, os internautas chineses resumiram as três principais mentiras do PCC em 2020:

O crescimento do PIB no segundo trimestre de 2020 foi de 3,2%;
A produção de cereais no verão atingiu um recorde, 0,9% a mais que no ano passado, de acordo com o Escritório Nacional de Estatísticas;
Todos os residentes rurais serão retirados da pobreza em 2020. Aqui está minha breve análise dessas três mentiras.

A mentira sobre o crescimento do PIB

O porta-voz da China CGTN relatou: “A segunda maior economia do mundo cresceu 3,2% de abril a junho em relação ao ano anterior, revertendo uma queda de 6,8% no primeiro trimestre”.

É óbvio que é difícil para o PCC não se gabar de suas realizações e da superioridade do histórico chinês. Mas os dados oficiais do regime são confiáveis?

Em 2019, Xiang Songzuo, economista e professor da Escola de Finanças da Universidade Renmin, argumentou que as estatísticas oficiais não dizem a verdade sobre a saúde da economia chinesa. De acordo com Xiang, quando ele foi aos lugares para observar, pesquisar e conversar com as pessoas, “os funcionários do governo local são muito mais francos sobre o fato de que suas regiões estão experimentando um crescimento negativo”. Claro, seu comentário foi imediatamente removido do site chinês.

Até agora, a pandemia causou mais de 33 milhões de casos confirmados e mais de um milhão de mortes em todo o mundo. Entre eles, os Estados Unidos registraram mais de 7,4 milhões de pessoas infectadas e mais de 210.000 mortes. A China, por outro lado, sendo o epicentro e origem do vírus do PCC, anunciou oficialmente um número surpreendentemente pequeno de infecções e mortes (um total de 90.993 infecções e 4.746 mortes em 28 de setembro) – esse número indica o quanto o PCC pode ter adulterado os dados.

Dado o efeito devastador que a pandemia tem sobre a economia chinesa, o crescimento de 3,2% no segundo trimestre pode ser considerado uma mentira.

A mentira sobre a abundante colheita de grãos

Em 22 de agosto, o jornal estatal People’s Daily informou que “a produção de cereais de verão da China atingiu um recorde de 142,8 bilhões de quilos este ano, 1,210 milhões de quilos a mais do que no ano anterior”.

Pan Wenbo, chefe do departamento de produção agrícola do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais, disse: “As enchentes no sul da China não mudaram a tendência geral de aumento da produção”.

No entanto, Pan está ciente do fato de que a safra de cereais do outono é responsável por três quartos da produção anual de cereais da China. Com fortes inundações ao sul e na bacia do Rio Amarelo e infestações de gafanhotos, qual a probabilidade de haver uma safra abundante de grãos este ano, como você afirmou?

O Relatório de Desenvolvimento Rural de 2020 da Academia Chinesa de Ciências Sociais, divulgado em 17 de agosto, diz que a China deverá ter um déficit no abastecimento de alimentos de 130 milhões de toneladas até o final de 2025. E de acordo com dados divulgados pela Escritório Nacional de Estatísticas da China em dezembro de 2018, a taxa de autossuficiência alimentar da China caiu para cerca de 82,3%. Essa é uma diferença de 17,7%.

O que a diferença de 17,7% implica é a escassez de alimentos para 250 milhões de chineses no continente.

Na verdade, a China se tornou um importador líquido de produtos agrícolas em 2008, de acordo com o USDA Foreign Agricultural Service Report. A CGTN, porta-voz do regime, informou ainda que a China é o maior importador mundial de grãos, tendo importado 115 milhões de toneladas de grãos em 2018. E de acordo com o portal de notícias chinês Sina.com, a China se tornou o maior importador de produtos agrícolas desde 2011.

Os Estados Unidos são o principal exportador de alimentos para a China. Na atual situação de guerra fria entre os Estados Unidos e a China, o problema do abastecimento de alimentos deixou de ser uma arma usada por Pequim para atacar Washington, para ser a fraqueza do PCC. As amargas relações do PCC com a Austrália e o Canadá, também grandes exportadores de alimentos, aumentaram ainda mais o risco de que a China não consiga garantir suas importações de alimentos.

Além disso, a corrupção dentro do sistema de reservas de grãos da China levou muitos a suspeitar que os falsos registros de reservas de grãos poderiam chegar a centenas de milhões de toneladas de grãos.

O PCC sabe disso muito bem. Em março de 2019, enquanto a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China aumentava, o PCC ordenou um controle de estoque nacional da quantidade e qualidade das reservas de grãos da China. Em agosto deste ano, Xi Jinping chamou novamente a atenção para a segurança alimentar e o desperdício de alimentos e implementou a campanha “prato limpo”. Tudo isso revela a crise alimentar que a China enfrenta hoje.

A mentira sobre a erradicação da pobreza

Em 2015, durante uma visita a Seattle, Xi Jinping mencionou em um discurso: “Pelos próprios padrões da China, ainda temos mais de 70 milhões de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza. Se medido pelo padrão do Banco Mundial, o número seria superior a 200 milhões”.

Em novembro do mesmo ano, o Comitê Central do PCC e o Conselho de Estado tomaram a decisão de “Vencer a Luta Contra a Pobreza”, que traçou o curso da campanha de redução da pobreza da China até 2020. No entanto, a pandemia, inundações e vários outros desastres condenaram a “decisão”.

Além disso, quando se trata de tirar pessoas da pobreza, pontos de vista divergentes são ouvidos. Por exemplo, durante uma reunião da legislatura fantoche da China em 28 de maio, o primeiro-ministro Li Keqiang disse que a China ainda tem 600 milhões de pessoas com uma renda mensal de apenas 1.000 yuans (US$ 140). Isso foi amplamente interpretado como um ataque ao plano de redução da pobreza de Xi.

No entanto, reivindicar “vitória” na erradicação da pobreza continua a ser previsível no que diz respeito à mentalidade do regime.

É muito fácil e conveniente para o PCC criar uma imagem de vitória.

Em 2 de janeiro, uma mensagem do WeChat postada em Yulin, na província de Guangxi, informava aos moradores: “Você foi identificado como um indivíduo em extrema pobreza. Para garantir que a nação alcance a meta de 2020 de eliminar a pobreza, se apresente amanhã de manhã às 8 horas para que a segurança pública local seja executada”.

Autoridades locais em Yulin disseram mais tarde que alguém estava “espalhando boatos”. Mas esta publicação não está muito longe das afirmações absurdas feitas pelo PCC sobre “tirar todas as pessoas da pobreza” na China hoje.

Em conclusão, Xi Jinping e o PCC foram flagrados em uma crise causada pelo desenvolvimento de três etapas do socialismo com características chinesas e pelas Três Grandes Mentiras. Para o PCC, isso significa que ele está condenado a deixar o cenário da história.

Wang He tem mestrado em direito e história, com especialização no movimento comunista internacional. Ele foi professor universitário e executivo de uma grande empresa privada na China. Ele foi preso na China duas vezes por suas crenças. Wang agora mora na América do Norte e posta comentários sobre os assuntos atuais e a política da China desde 2017.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas