Patinadora olímpica dos EUA e seu pai são alvos de suposta conspiração de espionagem chinesa

“Eu meio que aceitei que minha vida fosse assim por causa do que escolhi fazer em 1989, me pronunciar contra o governo”, disse o pai

Por Andrew Thornebrooke 

Uma patinadora artística olímpica dos EUA e seu pai estavam entre os alvos de uma suposta conspiração de agentes secretos do Partido Comunista Chinês (PCCh) para silenciar dissidentes no exterior, segundo uma reportagem da Associated Press.

A patinadora artística olímpica Alysa Liu e seu pai, Arthur Liu, foram supostamente alvos do esforço do PCCh para perseguir e intimidar os críticos do regime que vivem nos Estados Unidos.

O FBI informou ao Sr. Liu no ano passado que ele e sua filha, Alysa, então com 16 anos, que estava se preparando para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, estavam sendo alvos do PCCh. O Liu mais velho disse que não contou à filha porque temia que isso a assustasse, informou a AP.

Arthur Liu era um refugiado político que fugiu da China após seu envolvimento no protesto da Praça da Paz Celestial em 1989, que foi violentamente reprimido pelos militares do PCCh, resultando na morte de milhares de manifestantes. Ele se estabeleceu nos Estados Unidos, formou-se em direito e criou sua filha.

Sua conexão com os eventos de 1989 também foram compartilhados por Yan Xiong, um congressista esperançoso na cidade de Nova Iorque, a quem a polícia secreta do PCCh também supostamente conspirou para caluniar e ferir fisicamente.

A revelação da identidade de Liu segue a abertura de três casos criminais pelo Departamento de Justiça (DOJ) acusando cinco homens de atuarem como agentes do regime chinês e se envolverem em tentativas expansivas de suprimir vozes dissidentes nos Estados Unidos por meio de assédio, perseguição, intimidação e violência.

“Esses casos expõem tentativas do governo da República Popular da China [RPC] de suprimir vozes dissidentes dentro dos Estados Unidos”, disse o procurador-geral assistente de Segurança Nacional, Matthew Olsen, durante uma entrevista coletiva em 16 de março, referindo-se ao nome oficial do regime chinês.

“Eles demonstram como a RPC procura perseguir, intimidar e silenciar aqueles que se opõem a eles.”

O DOJ descreveu os casos como parte da campanha de “repressão transnacional” do regime comunista chinês.

A divulgação dos casos ocorre um mês após a decisão do governo Biden de encerrar a “Iniciativa China” da era Trump, um programa do DOJ destinado a combater a espionagem do PCCh, e menos de uma semana depois que um líder militar acusar o PCCh de espalhar o autoritarismo no exterior.

O Sr. Liu disse à AP que um homem ligou para ele em novembro alegando ser um funcionário do Comitê Olímpico e Paralímpico dos EUA. O homem exigiu os números do passaporte dele e de sua filha, mas Liu se recusou a fornecê-los.

O homem que ligou era supostamente Matthew Ziburis, um cidadão americano que os promotores dizem ter sido contratado para conduzir a vigilância da família. Ziburis também é acusado de destruir uma estátua criada por um artista chinês pró-democracia e instalar dispositivos de rastreamento em carros de dissidentes nos Estados Unidos para o PCCh. Ziburis foi preso no dia 17 de março sob acusações, incluindo conspiração para cometer assédio interestadual e uso criminoso de um meio de identificação; ele foi libertado sob fiança de $500.000.

Após o incidente, Liu disse que recebeu garantias do Departamento de Estado e do Comitê Olímpico dos EUA de que sua filha estaria protegida enquanto competisse nas recentes Olimpíadas de Inverno de Pequim. Eles disseram que ela teria pelo menos duas pessoas a escoltando durante o evento, informou a AP. A patinadora artística finalmente competiu e ficou em sétimo lugar no evento feminino.

Alysa Liu disse ao pai que foi abordada por um estranho uma noite enquanto estava em Pequim para as Olimpíadas, e que o homem a seguiu e pediu que ela fosse ao seu apartamento.

“Eu meio que aceitei que minha vida fosse assim por causa do que escolhi fazer em 1989, me pronunciar contra o governo”, disse o Sr. Liu, segundo a AP. “E eu sei que o governo chinês estenderá suas longas mãos em qualquer canto do mundo”.

“Não vou deixá-los vencer, me impedir, me silenciar de expressar minhas opiniões em qualquer lugar.”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas