Publicado em - Atualizado em 11/10/2017 às 17:59

Pasadena: Dilma, Palocci e Gabrielli têm bens bloqueados pelo TCU

Compra de refinaria causou prejuízo de US$ 580 milhões à Petrobrás, segundo tribunal

A ex-presidente Dilma Rousseff (Mario Tama/Getty Images)

A ex-presidente Dilma Rousseff (Mario Tama/Getty Images)

O Tribunal de Contas da União (TCU) bloqueou nesta quarta-feira (11) os bens da ex-presidente Dilma Rousseff, por sua atuação na aquisição pela Petrobrás da refinaria de Pasadena, no estado americano do Texas, em 2006. A pedido de técnicos do tribunal e do Ministério Público, o bloqueio, com vigência de um ano, foi acatado pelo ministro relator do processo, Vital do Rêgo, e aprovado pelo plenário da corte.

No caso, também tiveram seus bens bloqueados os ex-membros da diretoria deliberativa da estatal Antonio Palocci, José Sergio Gabrielli, Claudio Luis da Silva Haddad, Fabio Colletti Barbosa e Gleuber Vieira. Cabe recurso.

O alvo da decisão é o Conselho de Administração da Petrobrás, que aprovou na ocasião a compra da refinaria americana. O negócio resultou num prejuízo de US$ 580 milhões à empresa pública, segundo o tribunal, “em razão desses gestores terem adotado critérios antieconômicos para definir o preço da refinaria”.

Dilma era ministra da Casa Civil e presidente do referido Conselho em 2006, quando votou pela compra de 50% da refinaria de Pasadena, que terminou aprovada por unanimidade.

À imprensa, já em 2014, Dilma alegou como justificativa ter se baseado em “informações incompletas” que teria recebido de um parecer “técnica e juridicamente falho”, elaborado pelo então diretor internacional da Petrobrás, Nestor Cerveró.

Indicado pelo ex-ministro José Dirceu, na ocasião já afastado do Governo Federal por envolvimento no mensalão, Cerveró, que também foi diretor financeiro de serviços da BR Distribuidora, sustentava que a aquisição de Pasadena expandiria a capacidade de refino da estatal no exterior.

Por dano ao erário público na compra da refinaria de Pasadena, Cerveró e Gabrielli já haviam sido condenados pelo TCU a devolver US$ 79 milhões (aproximadamente R$ 250 milhões) e a pagar multa individual de R$ 10 milhões, além de terem tido seus bens arrestados, para assegurar o ressarcimento, e ficado inabilitados por oito anos a ocupar cargos públicos. O patrimônio rastreado de ambos até o momento, no entanto, não cobre o valor calculado pelo tribunal.

O bloqueio de bens se concretiza após o TCU ter analisado as defesas de cada membro do Conselho Administrativo e estudado os relatórios da Comissão Interna de Apuração (CIA) e de auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU).

“A diretoria executiva apreciou a aquisição de Pasadena em um dia e o Conselho de Administração aprovou uma negociação de milhões de dólares exatamente no dia seguinte”, discorreu o ministro Vital do Rêgo em seu voto. “Não se tem dúvida de que o Conselho contribuiu para a prática de gestão de ato antieconômico no que se refere à aquisição da primeira metade da refinaria.”

De acordo com a sentença do tribunal, o Conselho de Administração da Petrobrás será responsabilizado “pela integralidade do débito e não apenas pelo dano decorrente da aquisição da primeira metade da refinaria”.

Leia também:
MPF decide recorrer para aumentar tempo de prisão para Lula
Quem são os juízes da segunda instância a cargo da primeira condenação de Lula
Mensalão: MPF desarquiva inquérito e Lula volta a ser investigado
Lula condenado a 9 anos de cadeia por corrupção no caso triplex
Palocci pega 12 anos de prisão por propina da Odebrecht
Lula tenta evitar divulgação de gastos do cartão corporativo de Rose

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016