Partido Comunista Chinês reprime grupo civil

Xu Zhiyong foi preso recentemente na China por seu ativismo

Enquanto o líder chinês Xi Jinping faz discursos internos no Partido Comunista Chinês (PCC) sobre a necessidade de identificar e reprimir a corrupção e instituir novas regras, como uma moratória de cinco anos na construção de novos edifícios oficiais, ele sinalizou claramente que outro lado das políticas do PCC não mudará: a violência policial contra ativistas.

Apelando por um governo democrático que promova “liberdade, justiça e amor”, o Movimento do Novo Cidadão (MNC) se baseia na Declaração de Independência dos EUA em sua convicção de que o dever do governo é proteger os direitos humanos e servir os interesses do povo.

“A China precisa de um movimento para se salvar de seus problemas sociais: a corrupção, o abuso de poder e a disparidade de riqueza, apenas para citar alguns”, escreveu Xu Zhiyong, um conhecido ativista dos direitos humanos e cofundador do MNC, numa mensagem de blogue em maio.

Até 26 de julho, o regime chinês reagiu com a prisão de pelo menos 15 ativistas e colocou Xu Zhiyong em prisão domiciliar em abril e o prendeu em 16 de julho. Ele foi acusado de “reunir uma multidão para perturbar a ordem num local público” e encontrar-se num quarto com onze suspeitos de roubo.

“Prender Xu é uma clara violação da liberdade de expressão”, disse Hu Jia, um ativista dos direitos humanos de Pequim, numa entrevista ao Epoch Times.

“As autoridades acreditam que o MNC terá grande impacto na sociedade, então, eles estão assediando e aterrorizando os participantes na tentativa de obstruir o movimento”, disse Hu. “Todos deveriam se manifestar em apoio a estes ativistas, porque proteger os direitos deles é proteger os próprios direitos.”

Destacados estudiosos, advogados, economistas e empresários chineses começaram uma carta aberta pedindo a soltura de Xu e de outros participantes do MNC e reuniram 446 assinaturas até 23 de julho.

O MNC depara-se com uma divisão de opiniões entre ativistas sobre o PCC e como melhor lidar com este, que inclui uma visão de que o regime ainda seria capaz de corrigir muitos problemas. No outro extremo, manifestantes como o artista Ai Weiwei se desiludiram completamente com o PCC. Ai satirizou alguns dos ativistas mais otimistas em sua canção “Idiota”, lançada em maio com um vídeo musical figurando Ai na cadeia sendo monitorado pela polícia mesmo quando no vaso sanitário.

Epoch Times publica em 35 países em 21 idiomas

Siga-nos no Facebook: https://www.facebook.com/EpochTimesPT

Siga-nos no Twitter: @EpochTimesPT

 
Matérias Relacionadas