Parlamento do Reino Unido declara que regime chinês comete genocídio em Xinjiang

Por Lily Zhou

O Parlamento do Reino Unido aprovou por unanimidade em 22 de abril uma moção não vinculativa declarando que os muçulmanos uigures e outras minorias étnicas e religiosas na região de Xinjiang na China estão sofrendo crimes contra a humanidade e genocídio , e pediu ao governo do Reino Unido que use a lei internacional para levá-la a um fim.

Isso torna o Parlamento do Reino Unido a terceira legislatura do mundo – depois do  Canadá e da Holanda – a aprovar moções que se referem ao tratamento dos muçulmanos uigures em Xinjiang como “genocídio”.

O governo dos EUA também declarou em janeiro  que o regime chinês cometeu “genocídio” e “crimes contra a humanidade” contra os muçulmanos uigures em Xinjiang, e a Câmara dos Representantes dos EUA em 15 de abril  apresentou uma resolução bipartidária condenando o genocídio do Partido Comunista Chinês contra os uigures e outras minorias étnicas.

Membros do Parlamento citaram evidências, incluindo testemunhos, sobre campos de detenção, vigilância em massa, estupro, esterilização forçada e extração de órgãos, e disseram “é hora” de o Reino Unido agir.

A moção apela ao governo do Reino Unido para “agir para cumprir suas obrigações nos termos da Convenção para a Prevenção e Punição de Genocídio e todos os instrumentos relevantes do direito internacional, para trazê-la a um fim.”

Garnett Genuis, um membro canadense da Aliança Interparlamentar na China (IPAC), classificou a moção como um marco.

Benedict Rogers, o cofundador da Comissão de Direitos Humanos do Partido Conservador, considerou este um “dia verdadeiramente histórico”.

Nusrat Ghani, o legislador britânico que propôs a moção, é um dos cinco parlamentares britânicos que foram  sancionados pelo regime chinês por falar abertamente sobre os abusos dos direitos humanos contra o povo uigur em Xinjiang.

Durante o debate, o MP Sir Charles Walker disse que todos os membros do Parlamento precisam se posicionar.

“Quando um governo nacional sanciona um membro do Parlamento neste lugar, aquele governo, aquele governo nacional está na verdade sancionando todos os membros do Parlamento neste lugar, e cabe a todos nós, todos os 650 de nós, sermos um só neste momento ”, disse Walker aos parlamentares.

Ghani respondeu dizendo que acreditava que as sanções impostas por Pequim estão “sancionando esta casa e pedindo-lhe que pare de aumentar os abusos dos direitos humanos em Xinjiang” e “o fato de estarmos aqui hoje e tendo este debate mostra que as sanções acabaram não funcionando. ”

No mesmo dia, o parlamento lituano também se reuniu para ouvir as evidências sobre as violações dos direitos humanos ocorridas em Xinjiang.

Isabel van Brugen contribuiu para este artigo.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas