Parlamento da Nova Zelândia condena China por abusos de direitos humanos em Xinjiang

Por Victoria Kelly-Clark

O parlamento da Nova Zelândia aprovou na quarta-feira por unanimidade uma moção que declarava que a China estava cometendo graves abusos dos direitos humanos contra os uigures em Xinjiang.

Os políticos no parlamento declararam que estavam “gravemente preocupados com os graves abusos dos direitos humanos que ocorrem contra os uigures e outras minorias étnicas e religiosas na região autônoma uigur de Xinjiang”. Eles pediram ao governo de Ardern que “trabalhe com todos os instrumentos relevantes do direito internacional para pôr fim a esses abusos”.

“O governo da Nova Zelândia, em conjunto com outros, continuará a apelar à China nos termos mais firmes … Pedimos à China que cumpra suas obrigações de direitos humanos”, disse a ministra das Relações Exteriores Nanaia Mahuta em um discurso ao parlamento.

A oposição conservadora ACT Party, que apresentou a moção ao Parlamento, acusou o Partido Trabalhista de trabalhar para diluir a moção original, que dizia que a China estava cometendo genocídio contra os uigures.

A vice-líder do ato, Brooke van Velden,  disse ao canal de notícias Stuff.co.nz que o governo do Trabalhismo Ardern afirmou que não apoiaria a moção a menos que o termo “genocídio” fosse removido.

“É uma situação triste termos precisado suavizar nossa linguagem para debater questões difíceis”, disse van Veldon. “Mas o que fiz foi garantir que nosso Parlamento seja capaz de falar, debater e discutir as violações dos direitos humanos do povo uigur na China”.

“Sabemos que está ocorrendo um genocídio. As evidências são volumosas, de fontes múltiplas e confiáveis”, disse ela. “Aqui na Nova Zelândia, outras partes, que tinham poder de veto, não permitiriam que este debate continuasse se a moção mencionasse genocídio.”

A especialista da Nova Zelândia na China, Prof. Anne Marie Brady, também comentou sobre a diluição da citação. Em uma postagem no Twitter, Brady disse que seria inimaginável para a Nova Zelândia considerar a possibilidade de os Estados Unidos ditarem ao governo o que eles podem ou não contam em debate.

Ela disse que era “revoltante ver como nosso representante político permitiu que a pressão do PCC [Partido Comunista Chinês] os impedisse de falar sobre o genocídio uigur”.

A primeira-ministra Jacinda Arden disse acreditar que o fato de a moção ter sido aprovada com o apoio de todos os parlamentares eleitos a tornou uma mensagem eficaz.

“Temos uma declaração forte e clara, com o apoio do parlamento”, disse Ardern.

“Estou satisfeita que, ao contrário de muitos outros países, onde houve abstenções de moções, onde os partidos do governo, em particular, não votaram a favor, temos uma declaração que é forte e isso é claro”, disse ela sobre quarta-feira.

Houve discussão no parlamento de que o uso do termo “genocídio” estava politizando o crime.

O ministro das Relações Exteriores, Mahuta, disse que o governo estava muito ciente de que havia um potencial problema na moção, mas observou que, embora o governo da Nova Zelândia não tenha designado formalmente a situação como genocídio, isso não significa que não estejam preocupados.

Preocupação com a reação chinesa

As críticas ao governo trabalhista vêm depois que líderes políticos do Partido Nacional Trabalhista e de Oposição notaram que havia um potencial para a relação comercial da Nova Zelândia ser atingida se fizesse uma declaração de genocídio.

“Claramente, o governo chinês não gostaria de algo assim. Não tenho dúvidas de que teria algum impacto [com o comércio]. Isso dificilmente é ciência de foguetes ”, disse o ministro do Comércio, Damien O’Connor, à Australian Associated Press.

Da mesma forma, o porta-voz do Partido Nacional da oposição, Todd Muller, disse que a Nova Zelândia tinha fortes conexões comerciais e culturais com a China, relatou Stuff.co.nz.

“É a profundidade dessas relações pessoais que nos guiará nesta conversa difícil, porque a conversa será difícil”, disse ele.

Ele observou que entendia que Pequim analisaria o fato como um assunto para sua própria consideração. Mas ele disse: “Compartilhamos um planeta”.

“Este Parlamento e os cinco milhões de pessoas que representamos acreditam que é um direito humano básico que as pessoas se sintam seguras em suas casas, rezem para quem desejam orar, abraçem quem amam e se identifiquem com uma tradição cultural que melhor reflete sua genealogia whakapapa”, disse Muller.

 
Matérias Relacionadas