Para alterar como você se sente, sorria

Por Universidade A&M do Texas

Sorrir realmente pode fazer você se sentir mais feliz, relatam os pesquisadores.

O artigo analisou quase 50 anos de dados testando se as expressões faciais podem levar as pessoas a sentir as emoções relacionadas a essas expressões.

“Essas descobertas abordam uma questão crítica sobre as ligações entre nossa experiência interna e nossos corpos – se mudar nossa expressão facial pode alterar as emoções que sentimos e nossa resposta emocional ao mundo”, diz a coautora Heather Lench, professora associada e chefe do setor. departamento de psicologia e ciências cerebrais da Texas A & M University.

“A sabedoria convencional nos diz que podemos nos sentir um pouco mais felizes se simplesmente sorrirmos. Ou que podemos nos deixar com um humor mais sério se fizermos cara feia. Mas os psicólogos discordam dessa ideia há mais de 100 anos”, afirma o principal autor do estudo, Nicholas Coles, pesquisador da Universidade do Tennessee.

Ãvörkhangai, Mongolia (Unsplash)
Övörkhangai, Mongolia (Unsplash)

Essas divergências se tornaram mais pronunciadas em 2016, quando 17 equipes de pesquisadores não conseguiram reproduzir um experimento bem conhecido, demonstrando que o ato físico de sorrir pode fazer as pessoas se sentirem mais felizes.

Agora, no entanto, usando uma técnica estatística chamada meta-análise, a equipe combinou dados de 138 estudos que testaram mais de 11.000 participantes de todo o mundo. De acordo com a meta-análise, o posicionamento de expressões faciais tem um pequeno impacto em nossos sentimentos. Por exemplo, sorrir faz as pessoas se sentirem mais felizes, fazer caretas faz com que elas se sintam mais raivosas, e franzir a testa faz com que elas se sintam mais tristes.

“Não achamos que as pessoas possam sorrir para a felicidade”. Mas essas descobertas são empolgantes porque fornecem uma pista sobre como a mente e o corpo interagem para moldar nossa experiência consciente de emoção”, diz Coles.

“Ainda temos muito a aprender sobre esses efeitos de feedback facial, mas essa meta-análise nos coloca um pouco mais perto de entender como as emoções funcionam.”

O artigo foi divulgado no Psychological Bulletin..

Este artigo foi originalmente publicado pela Texas A & M University. Republicado via Futurity.org sob a licença Creative Commons 4.0.

 
Matérias Relacionadas