Pandemia destaca laços do Vaticano com regime chinês

Por Chen Han
   
Comentário

Desde que a Cidade do Vaticano (Santa Sé) confirmou seu primeiro caso do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) em 5 de março, um total de 12 pessoas foram infectadas. Por que a pequena cidade é vítima da pandemia?

A disseminação do vírus destacou os laços dos países com o regime chinês. Vamos examinar as relações que o Vaticano desenvolveu com Pequim nos últimos anos.

O Vaticano tem uma população de aproximadamente 800 pessoas. Em 6 de maio, a assessoria de imprensa da Santa Sé anunciou que uma décima segunda pessoa apresentou resultado positivo para o vírus do PCC. O primeiro cardeal a dar positivo foi Angelo De Donatis, vigário geral da diocese de Roma, em 30 de março.

Na tarde de 27 de março, o Papa Francisco ficou sozinho na Praça de São Pedro e durante o culto de oração disse: “Estamos com medo e perdidos”. O serviço foi transmitido ao vivo em todo o mundo.

Por que o Vaticano, a mais alta autoridade da Igreja Católica, foi afetado pelo vírus do PCC?

O Vaticano e Pequim romperam os laços em 1951 após a aquisição comunista. O Vaticano não reconheceu os chamados bispos católicos nomeados pelo PCC através de seus procedimentos de “auto-seleção” e “auto-consagração”.

No entanto, nos últimos anos, a situação começou a mudar.

Em setembro de 2018, o c assinou um acordo com Pequim, permitindo às autoridades chinesas nomear os bispos da China. A Santa Sé endossou a legitimidade desses bispos nomeados por Pequim.

O cardeal Joseph Zen, ex-bispo de Hong Kong, criticou a Santa Sé por se render completamente ao PCC e permanecer em silêncio sobre a história do PCC de violações dos direitos humanos.

A BBC publicou um artigo alegando que o Vaticano assinou o acordo com Pequim para promover boas relações e atrair mais chineses do continente para aderir à fé cristã no futuro.

Em uma entrevista exclusiva ao jornal Asia Times, de Hong Kong, em fevereiro de 2016, o Papa Francisco pediu ao mundo que não tema o “poder crescente” da China e transmitiu uma mensagem de amizade ao líder chinês Xi Jinping pelo Ano Novo Lunar. Francisco evitou falar sobre direitos humanos e a perseguição do PCC aos católicos na China.

Durante os protestos em Hong Kong por causa de um projeto de extradição arquivado no ano passado, o Vaticano decidiu permanecer calado sobre o assunto.

Em um post do blog, o cardeal Zen escreveu que viajou para Roma para encontrar o papa em junho do ano passado para implorar pessoalmente a ele que se posicionasse contra a erosão da autonomia de Hong Kong em Pequim. Mas cinco meses depois, o Vaticano não fez nenhuma declaração sobre os protestos.

O compromisso do Vaticano com o PCC não se limita ao exposto acima.

Em fevereiro de 2017, a Organização Mundial para Investigação da Perseguição ao Falun Gong (WOIPFG) escreveu uma carta ao Papa, pedindo-lhe para impedir que duas autoridades chinesas participassem da Cúpula da Academia Pontifícia do Vaticano sobre tráfico de órgãos e turismo de transplantes. O Dr. Huang Jiefu e o Dr. Wang Haibo estão fortemente envolvidos na extração de órgãos de prisioneiros de consciência na China, de acordo com uma investigação do WOIPFG. Huang foi um ex-vice-ministro encarregado de transplantes de órgãos no Ministério da Saúde Nacional e na Comissão de Planejamento Familiar do CPC. Wang foi responsável pela criação do banco de dados de transplantes de órgãos da China.

O próprio Huang revelou mais tarde em uma entrevista à Phoenix TV que seu convite para a Pontifícia Academia de Ciências do Vaticano foi condenado por 12 especialistas em ética médica de vários países que expressaram preocupação com a extração forçada de órgãos na China.

Huang também se gabou ao repórter do apoio que recebeu do bispo Marcelo Sánchez Sorondo, presidente da Pontifícia Academia das Ciências e do Papa, por sua participação na conferência.

O bispo Sorondo não apenas recebeu Huang no Vaticano, mas também esperava ser convidado a visitar a China. Seu desejo foi rapidamente realizado e, em entrevistas subsequentes à mídia, ele elogiou o PCC e subestimou os abusos de transplante de órgãos do PCC.

Nos últimos anos, o Papa Francisco repetidamente estendeu um ramo de oliveira a Pequim, expressando seu desejo de visitar a China. Esse também pode ser o próximo objetivo da Santa Sé depois de assinar o acordo de nomeação de bispos China-Vaticano de 2018. O South China Morning Post informou em agosto de 2014 que Francisco disse a um grupo de repórteres que viajavam com ele para a Coreia do Sul e de volta para a Europa: “Eu quero ir para a China? Claro, até amanhã”.

O encobrimento do PCC e a demora na resposta ao surto do vírus causaram a pandemia e agora o mundo está sofrendo. No entanto, o Papa Francisco elogiou publicamente o PCC por seus esforços para conter o vírus dentro de suas fronteiras.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 
Matérias Relacionadas