Paleontólogos descobrem fósseis de dinossauros que podem ser da maior criatura já conhecida

Maiores espécimes pesando várias toneladas foram descobertos principalmente na Patagônia

Por Louise Bevan

Os paleontólogos descobriram na Argentina os restos fósseis de um dinossauro de 98 milhões de anos e acreditam que ele possa ser uma das maiores criaturas terrestres de todos os tempos.

Os restos, que compreendem 24 vértebras caudais e partes da região pélvica e peitoral, foram descobertos na Formação Candeleros, uma densa formação rochosa sedimentar na província de Neuquén, no noroeste da Patagônia Argentina, informou a CNN.

Os especialistas acreditam que os restos mortais pertencem a um titanossauro, um grande dinossauro quadrúpede com uma cabeça pequena e pescoço e cauda longos, pertencente à família dos saurópodes herbívoros (com pés de lagarto) que viviam nas florestas. Os gêneros mais conhecidos são o Diplodocus e o Brontosaurus.

“É um enorme dinossauro”, explicou o paleontólogo Alejandro Otero, do Museo de La Plata, na Argentina, “mas esperamos encontrar muito mais do esqueleto em futuras viagens de campo, então teremos a chance de avaliar com segurança o quão grande ele era”.

A escavação foi uma colaboração entre o Museu de La Plata, o Museu Zapala na Argentina, o Museu Egidio Feruglio e as universidades de Río Negro e Zaragoza.

O grupo de pesquisa afirmou que sua análise dos restos “não permite atualmente” considerá-lo como uma nova espécie. No entanto, ao publicar seus resultados na revista Cretaceous Research, os especialistas afirmaram que a criatura era provavelmente “um dos maiores saurópodes já encontrados”, maior até do que o Patagotitan.

Esqueleto de titanossauro fundido em exposição no Field Museum of Natural History em Chicago, Illinois. ( Zissoudisctrucker / CC BY-SA 4.0)
Esqueleto de titanossauro fundido em exposição no Field Museum of Natural History em Chicago, Illinois ( Zissoudisctrucker / CC BY-SA 4.0)

O Patagotitan, uma espécie de saurópode que andou pela Terra de 95 a 100 milhões de anos atrás, tinha até 37 metros de comprimento e pesava até 77 toneladas. Otero e sua equipe acreditam que o espécime escavado da Formação Candeleros implica que os maiores titanossauros coexistiram com os de médio e pequeno porte.

“Essas diferenças de tamanho poderiam explicar a existência de tal diversidade de saurópodes na Bacia de Neuquén durante o Cretáceo Superior em termos de divisão de nicho”, escreveram eles.

Matt Wedel, do Museu de História Natural do Condado de Los Angeles, com um elenco de vértebra dorsal de argentinosaurus. ( Matt J. Wedel / CC BY 3.0)
Matt Wedel, do Museu de História Natural do Condado de Los Angeles, com um elenco de vértebra dorsal de argentinosaurus ( Matt J. Wedel / CC BY 3.0)

A maior criatura conhecida é a baleia azul, que tem até 33 metros de comprimento. Acredita-se que as maiores criaturas terrestres tenham sido os dinossauros, dos quais o titanossauro é considerado o maior.

Devido à falta de ossos nas pernas, os especialistas não podem estimar o peso vivo do espécime patagônico recente, informou a CNN. No entanto, a equipe levantou que sua massa corporal era provavelmente comparável à de um patagotitano ou mesmo de um argentinossauro, uma criatura de 39 metros de comprimento que pesava até 110 toneladas (12 vezes mais que um elefante africano).

Restauração esquelética e diagrama em escala de um argentinossauro. ( Weasel de ardósia )
Restauração esquelética e diagrama em escala de um argentinossauro ( Weasel de ardósia )

Embora fósseis de titanossauros tenham sido encontrados em todos os continentes, exceto na Antártica, os maiores espécimes pesando várias toneladas foram descobertos principalmente na Patagônia.

Desenterrar os restos de um titanossauro tão grande, disse a equipe de Otero, contribuiu para uma melhor compreensão da diversificação das espécies, “revelando a existência de uma linhagem até então desconhecida e lançando uma nova luz sobre a evolução da massa corporal”.

Adoraríamos ouvir suas histórias! Você pode compartilhá-los conosco aqui: emg.inspired@epochtimes.com 

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas