Países intensificam medidas para impedir a disseminação de pneumonia viral da China

Por Nicole Hao

Pela primeira vez, a China confirmou casos de infecção fora de Wuhan, sugerindo que a doença se espalhou mais amplamente do que as autoridades anteriormente permitiram.

Um instituto de pesquisa de Londres estimou que o número de infecções em potencial em Wuhan poderia ser superior a 1.000.

No fim de semana, os governos dos EUA e do Canadá se juntaram a uma lista crescente de países que estão intensificando o monitoramento da doença para impedir sua propagação: três aeroportos dos EUA começaram a rastrear os passageiros em busca de uma possível infecção, enquanto três do Canadá adicionaram mensagens de alerta para os viajantes de Wuhan.

A doença é causada por um novo tipo de coronavírus, segundo as autoridades chinesas. Este último é uma família de vírus que inclui o resfriado comum, SARS (síndrome respiratória aguda grave) e MERS (síndrome respiratória do Oriente Médio).

Wuhan

No início de 20 de janeiro, a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan anunciou que mais 136 pessoas foram diagnosticadas com o novo coronavírus – elevando o total da cidade para 198.

Este foi o maior aumento desde que o surto foi confirmado pela primeira vez pelas autoridades de saúde no final de dezembro.

As autoridades informaram inicialmente que 59 estavam infectadas. Na semana passada, eles reduziram o número para 41, sem explicações. Por vários dias, as autoridades não atualizaram o número, enquanto os governos do Japão e da Tailândia confirmaram um e dois casos de infecção, respectivamente – todos de pacientes que haviam viajado recentemente para Wuhan -, levando alguns especialistas a levantar preocupações sobre a veracidade dos números chineses.

Atualmente, nove estão em estado crítico, 35 em estado grave e três morreram, segundo a comissão de saúde de Wuhan, 25 foram liberados do hospital após a recuperação.

Outras cidades chinesas

Na capital do país, Pequim, duas pessoas foram diagnosticadas com a pneumonia de Wuhan em 20 de janeiro.

Segundo o jornal estatal Beijing News, dois moradores contraíram febre após viajarem para Wuhan e foram hospitalizados.

Ambos vivem no distrito de Daxing, em Pequim, e estão em condições estáveis.

E em 19 de janeiro, a Comissão Nacional de Saúde da China confirmou um caso de infecção na cidade de Shenzhen, na província de Guangdong, no sul da China.

O paciente é um homem de 66 anos de idade que é de Wuhan e vive em Shenzhen.

O paciente visitou sua família em Wuhan de 29 de dezembro a 4 de janeiro e começou a apresentar sintomas em 3 de janeiro. Ele visitou o médico após retornar a Shenzhen e ficou em quarentena desde 11 de janeiro.

O jornal de Hong Kong South China Morning Post, com sede em Hong Kong, citou três fontes anônimas em um relatório de 19 de janeiro que dizia que um paciente suspeito está sendo hospitalizado em Xangai.

Internautas chineses começaram a divulgar informações sobre pacientes suspeitos na cidade de Guangzhou, capital de Guangdong. Eles disseram que havia médicos e enfermeiros do Sexto Hospital Afiliado da Universidade Sun Yat-sen e do Hospital Geral do Exército em Guangzhou que estavam apresentando sintomas.

O sexto hospital afiliado da Universidade Sun Yat-sen logo acessou sua conta oficial do Weibo – uma plataforma de mídia social semelhante ao Twitter – em 18 de janeiro para dissipar os rumores. Mas o hospital rapidamente excluiu o post e se recusou a dar qualquer explicação quando contatado pela mídia.

Alerta Global

Em 16 de janeiro, os Centros de Controle de Doenças de Taiwan emitiram um alerta de viagem de nível dois para as pessoas que viajam para Wuhan, recomendando que os viajantes “reforcem suas defesas” contra a doença.

Nos Estados Unidos, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças começaram na sexta-feira a triagem de passageiros que viajam de Wuhan em três grandes aeroportos dos EUA: o Aeroporto Internacional John F. Kennedy de Nova Iorque, o Aeroporto Internacional de Los Angeles e San Francisco.

Também na sexta-feira, a Agência de Saúde Pública do Canadá confirmou que os aeroportos de Toronto, Montreal e Vancouver estavam lançando novas mensagens nas telas de chegada, solicitando aos viajantes de Wuhan que entrassem em contato com um agente de serviço de fronteira se estiverem com sintomas semelhantes aos da gripe.

Se um viajante se aproximar, um oficial de quarentena especialmente treinado fará uma triagem para identificar se há um risco potencial à saúde pública.

Transmissão de humano para humano?

Até o momento, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras autoridades de saúde disseram que poderia haver uma possibilidade de transmissão de humano para humano.

Em um relatório de 19 de janeiro da emissora estatal chinesa China Central Television (CCTV), Li Gang, diretor do Centro Municipal de Controle e Prevenção de Doenças de Wuhan, disse: “[Nós] não descartamos a possibilidade de uma transmissão limitada de humano para humano”.

E em uma entrevista coletiva em 16 de janeiro, Chuang Jen-hsiang, vice-diretor geral dos Centros de Controle de Doenças da Saúde e Ministério do Bem-Estar de Taiwan, disse que, depois de visitar Wuhan para aprender sobre o surto, ele concluiu que “a doença tem possibilidade de transmissão humana”.

Chuang explica que 13 dos 41 pacientes iniciais nunca estiveram no Huanan Seafood Market, onde as autoridades de Wuhan vincularam o surto.

Chuang mencionou um caso relatado anteriormente pelas autoridades de Wuhan, de uma mulher que nunca havia estado no mercado, que adoeceu depois que seu marido, que trabalha no mercado, passou a exibir os sintomas. Em outro caso, pai, filho e sobrinho – todos os vendedores do mercado – foram diagnosticados com pneumonia viral.

Enquanto isso, um instituto de pesquisa do Imperial College London divulgou um relatório em 17 de janeiro, no qual os pesquisadores estimavam que 1.723 pessoas em Wuhan poderiam potencialmente estar com a doença.

O cálculo foi baseado nos casos de infecção fora da China, número de passageiros no aeroporto de Wuhan, passageiros internacionais diários saindo de Wuhan e número de dias antes da descoberta dos casos internacionais.

Um dos pesquisadores, Neil Ferguson, disse que a situação atual exige mais transparência e compartilhamento de informações por parte do lado chinês, a fim de impedir sua disseminação global.

“Eles [autoridades chinesas] deveriam estar realizando testes generalizados de pessoas que relatam doenças respiratórias com pneumonia nos hospitais em toda a cidade, ainda não sabemos se é esse o caso”, disse ele em entrevista ao Epoch Times.

Eva Fu contribuiu para este relatório.

 
Matérias Relacionadas