Países devem escolher entre ‘liberdade e tirania’ em sua posição contra a China comunista, afirma Pompeo

"Por muitas décadas, nossos líderes ignoraram, minimizaram, as palavras dos bravos dissidentes chineses que nos alertaram sobre a natureza do regime que estamos enfrentando"

Por Cathy He

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, implorou às democracias que trabalhem juntas para se defenderem contra as ameaças expansivas colocadas pelo Partido Comunista Chinês (PCC), chamando-as de uma opção entre “liberdade e tirania”.

“Nós, as nações livres do mundo, devemos induzir uma mudança no comportamento do PCC de maneiras mais criativas e assertivas, porque as ações de Pequim ameaçam nosso povo e nossa prosperidade”, disse Pompeo durante um discurso na Biblioteca e Museu Presidencial Richard Nixon, na Califórnia, em 23 de julho.

“O mundo livre deve triunfar sobre essa nova tirania”, disse ele, descrevendo-a como a “missão do nosso tempo”.

Pompeo pediu aos americanos e aos países parceiros que reconheçam que o PCC é fundamentalmente um regime marxista-leninista, dizendo que “a ideologia informa esse desejo por décadas de hegemonia global do comunismo chinês”. Com base nisso, os Estados Unidos devem abordar o regime a partir do ponto de “desconfiar e verificar”, adaptando as famosas palavras do ex-presidente Ronald Reagan sobre as negociações com a União Soviética “confiar, mas verificar”.

“A única maneira de mudar verdadeiramente a China comunista é agir não com base no que os líderes chineses dizem, mas na maneira como eles se comportam”, disse ele.

Os comentários de Pompeo culminaram em uma série de discursos de altos funcionários do governo nas últimas semanas para destacar as más ações do PCC nos Estados Unidos e em todo o mundo. Isso ocorreu depois que Washington rebateu o regime chinês por roubo de tecnologia, violações de direitos humanos e agressão militar.

Em uma ação sem precedentes, os Estados Unidos ordenaram nesta semana o fechamento do consulado chinês em Houston na tarde de 24 de julho, enquanto Pompeo acusou a facilidade de ser um “centro de espionagem e roubo de propriedade intelectual”. O Departamento de Justiça também confirmou em 23 de julho que o consulado de São Francisco está abrigando um procurador chinês procurado, acusado de não divulgar em seu pedido de visto que ela era membro do exército chinês.

Três outros cidadãos chineses foram presos recentemente por acusações semelhantes de fraude de vistos, informou o departamento.

O Departamento de Justiça também anunciou uma acusação em 21 de julho contra dois hackers chineses acusados ​​de uma campanha para roubar segredos comerciais de empresas de defesa e centenas de empresas em todo o mundo por uma década. Sua tentativa mais recente foi adquirir pesquisas relacionadas à COVID-19.

Não é um “país normal”

Pompeo disse que pessoas e países “precisam dizer a verdade” sobre o PCC: “Não podemos tratar esta encarnação da China como um país normal como qualquer outro”.

Por exemplo, na área comercial, Pequim “trata os acordos internacionais … como sugestões, como canais para o domínio global”, afirmou.

Fazer negócios com empresas do PCC também não é o mesmo que assumir compromissos comerciais normais, disse Pompeo, dizendo que essas empresas “não respondem a conselhos independentes, e muitas delas são patrocinadas pelo Estado e, portanto, não precisam procurar Lucros”.

“Se nossas empresas investem na China, elas podem, consciente ou inconscientemente, apoiar as graves violações dos direitos humanos do Partido Comunista”, disse ele.

Na mesma linha, Pompeo disse que muitos estudantes e funcionários chineses “vêm aqui para roubar nossa propriedade intelectual e levá-la de volta ao seu país”.

Capacitar o povo chinês

Os Estados Unidos também devem “envolver e capacitar o povo chinês”, a quem Pompeo chamou de “povo dinâmico e amante da liberdade, completamente diferente do Partido Comunista Chinês”.

Ele disse que a “maior mentira” que o PCC diz é “que eles falam pelos 1,4 bilhões de pessoas que são vigiadas, oprimidas e com medo de falar”.

“Pelo contrário, o PCC teme as opiniões honestas do povo chinês mais do que qualquer inimigo”, afirmou Pompeo.

O secretário criticou a supressão do regime contra aqueles que expressam opiniões inaceitáveis ​​para o Partido, como dissidentes e médicos que denunciaram o alarme do vírus do PCC durante os estágios iniciais da pandemia.

“Por muitas décadas, nossos líderes ignoraram, minimizaram, as palavras dos bravos dissidentes chineses que nos alertaram sobre a natureza do regime que estamos enfrentando”, disse ele.

“Não podemos mais ignorar.”

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 
Matérias Relacionadas