Pais se preocupam mais com perda de aprendizado das crianças do que com riscos da COVID-19, mostra pesquisa

Relatórios também destacaram o progresso educacional prejudicado nos níveis local, estadual e nacional

Por Bill Pan 

Após dois anos letivos consecutivos com fechamento de escolas intermitentes e aulas on-line, a maioria dos pais americanos agora se preocupa mais com o fato de seus filhos ficarem para trás academicamente do que potencialmente contrair a COVID-19 na escola, de acordo com uma nova pesquisa divulgada na sexta-feira.

A pesquisa foi conduzida pelo Pew Research Center entre 2.241 pais americanos com filhos na educação básica, de 24 a 30 de janeiro, com uma margem de erro de 3,3 pontos percentuais para mais ou para menos e um nível de confiança de 95%. Os entrevistados foram questionados sobre o quanto eles se importam com a possibilidade dos alunos ficarem para trás academicamente sem instrução presencial.

De acordo com o Pew, 64% dos entrevistados afirmaram que se preocupam “muito” com os desafios acadêmicos de seus filhos. Quando a mesma pergunta foi feita em fevereiro de 2021, estava em 60%. Cinquenta e quatro por cento dos pais afirmaram a mesma coisa em julho de 2020.

Enquanto isso, quando questionados sobre o quanto eles se preocupam com o “risco para os alunos de contrair ou espalhar o coronavírus”, 64% dos pais em julho de 2020 afirmaram estarem “muito” preocupados com isso. O número caiu para 45% em fevereiro de 2021 e 43% em janeiro.

Em comparação com os adultos, as crianças correm um risco muito menor de sofrer doenças graves devido à COVID-19, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

O Pew também observou que é mais provável que os pais republicanos (76%) do que os democratas (63%) digam que “muita” consideração deve ser dada à possibilidade dos alunos ficarem para trás academicamente sem o aprendizado presencial. Os republicanos (56%) também são um pouco mais propensos do que os democratas (50%) a afirmar que sua maior preocupação é não poder trabalhar se seus filhos estiverem em casa.

A pesquisa ocorre junto a relatórios que destacam o progresso educacional prejudicado nos níveis local, estadual e nacional. No início desta semana, um professor da Patterson High School em Baltimore, afirmou a uma agência de notícias local que 77% dos alunos estavam lendo em um nível de ensino fundamental ou mesmo de jardim de infância.

“Eles passam por [níveis de série]”, relatou o professor à WBBF, uma afiliada da NBC. “Eles não estão prontos para a força de trabalho. Eles não estão prontos para a próxima etapa da educação”.

Os resultados da avaliação de aprendizagem iReady da escola pareceram confirmar a afirmação do professor, relatou o WBBF. Dos 628 alunos testados, 484 apresentaram um nível de leitura equivalente ao de um aluno do ensino fundamental, incluindo 159 que estavam no jardim de infância ou no primeiro ano.

Em janeiro, uma análise de dados de testes em nível de aluno por pesquisadores de educação da Michigan State University também sugere que os alunos de Michigan que aprenderam remotamente aprenderam menos do que os colegas que frequentaram as escolas pessoalmente durante o ano letivo de 2020-2021.

As descobertas ecoaram as de um estudo nacional anterior da McKinsey & Company, que descobriu que a pandemia deixou os estudantes americanos, em média, cinco meses atrasados ​​em matemática e quatro meses atrasados ​​em leitura até o final do ano letivo de 2020-2021. A menos que a perda de aprendizado do ano seja tratada adequadamente, alertou a empresa de consultoria, os alunos de hoje podem ganhar de US$ 49.000 a US$ 61.000 a menos ao longo de suas vidas, custando à economia doméstica até US$ 188 bilhões todos os anos ao ingressarem no mercado de trabalho.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas