Paciente com HIV infectado pela COVID desenvolveu 21 mutações, afirma estudo

'É necessário aumentar a vigilância' entre pacientes com HIV que contraem a COVID-19 para 'prevenir o surgimento' de variantes, afirmam pesquisadores

Por Jack Phillips 

Uma mulher sul-africana que sofria de HIV “mal controlado” que também teve COVID-19 por nove meses viu o vírus do PCC desenvolver pelo menos 21 mutações em seu corpo, segundo um estudo recente de pré-impressão.

A mulher, de 22 anos, conseguiu superar o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) que causa a COVID-19, dentro de seis a nove semanas após começar a tomar medicamentos antirretrovirais usados ​​para tratar HIV, segundo pesquisadores de Stellenbosch e a Universidade de KwaZulu-Natal.

Eles concluíram que “é necessário aumentar a vigilância” entre os pacientes com HIV que contraem a COVID-19 para “prevenir o surgimento” de variantes da COVID-19. Notavelmente, a variante Ômicron foi descoberta pela primeira vez na África do Sul em novembro de 2021, e as autoridades de saúde dos EUA afirmam que agora é a cepa dominante nos Estados Unidos.

“Este caso, como outros anteriores, descreve um caminho potencial para o surgimento de novas variantes”, relataram os cientistas no estudo de pré-impressão, acrescentando que ainda é uma hipótese e são necessários muito mais dados. “Nossa experiência reforça relatos anteriores de que o tratamento antirretroviral eficaz é a chave para controlar esses eventos”.

A África do Sul possui a maior epidemia de HIV do mundo. Cerca de 8,2 milhões de sua população de 60 milhões estão infectados com o vírus.

De acordo com os pesquisadores, a paciente observada no estudo desenvolveu cerca de 10 mutações na proteína espicular do vírus do PCC, o que permite que ela se ligue às células, juntamente com outras 11 mutações. Algumas das mutações foram semelhantes às observadas nas variantes Ômicron e Lambda, enquanto outras foram consistentes com mutações que permitem que o vírus contorne os anticorpos.

“Mais uma vez, nossa experiência reforça relatos anteriores de que [medicamentos antirretrovirais] eficazes são a chave para controlar esses eventos. Uma vez que a replicação do HIV é controlada e a reconstituição imunológica começa, a rápida eliminação [do vírus do PCC] é alcançada, provavelmente mesmo antes da reconstituição imunológica completa”, declararam eles. “Isso ressalta o ponto mais amplo de que as lacunas na cascata de cuidados com o HIV precisam ser fechadas, o que também beneficiará outras condições e problemas de saúde pública, incluindo a COVID-19”.

Enquanto isso, após semanas de disseminação da Ômicron pelo país, alguns especialistas sul-africanos afirmaram estar otimistas de que o país tenha atingido um “ponto de virada”.

“A onda Ômicron agora é responsável por menos de 5% de todas as mortes que ocorreram devido à COVID-19 [na África do Sul] desde o início da pandemia”, relatou o vacinologista Shabir Madhiti, professor da Universidade de Witwatersrand, à CBS News na segunda-feira.

Embora mais variantes da COVID-19 possam surgir, ele acredita que o pior da pandemia de dois anos já passou.

“Estou altamente otimista de que chegamos a um ponto de virada nesta pandemia”, afirmou Madhiti. “Não consigo nos ver revisitando o que experimentamos durante as três primeiras ondas na África do Sul”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas