Outrora uma dançarina elegante, Rachael Bastick encontra sua inspiração vocal

Outrora uma dançarina elegante, Rachael Bastick encontra sua inspiração vocal

Rachel Bastick, vocalista do Shen Yun (Cortesia de Shen Yun Performing Arts)

2022/04/09

Por Ye Zhen 

Rachael Yu Ming Bastick é uma dançarina cheia de graça. Em 2010, ela ficou em primeiro lugar no Concurso Internacional de Dança Clássica Chinesa da NTD, se tornando um exemplo em uma forma de arte que rapidamente fascinou o mundo.

Bastick tornou-se a dançarina principal da renomada Shen Yun Performing Arts, a principal companhia de música e dança clássica chinesa que percorre o mundo. Três anos depois, Bastick acrescentou “soprano” ao seu currículo de palco.

“Depois de uma peça de dança, eu trocava o traje de dança para um vestido para solo de vocalista e, depois de cantar, imediatamente voltava e dançava”, disse Bastick. Isso continuou por cerca de 100 shows por temporada, pelos próximos quatro anos, antes que ela se concentrasse apenas em se apresentar como vocalista.

“Muitas vezes as pessoas pensam que cantar e dançar exigem técnicas de respiração diferentes, que podem interferir uma na outra. Não pensei muito nisso e fiz dar certo.”

Bastick sempre teve um dom para cantar, mas a mudança de carreira não foi casual. O Shen Yun, com sede em Nova Iorque, inclui apenas um punhado de performances vocais solo em seu programa a cada ano, e seus padrões para vocalistas são incrivelmente altos.

Como tal, Bastick tornou-se uma grande artista de duas formas de arte que foram praticamente perdidas no mundo. A primeira: dança clássica chinesa, uma forma abrangente que remonta a 5.000 anos. A segunda: bel canto .

Revivendo o Bel Canto

O Shen Yun de Nova Iorque é talvez o mais famoso por revitalizar a forma de arte da dança, um sistema abrangente de dança que remonta a milhares de anos, desenvolvendo-se em paralelo com as artes e a cultura de cinco milênios da antiga civilização chinesa.

Mas a companhia também é conhecida por ser um agente importante no renascimento da técnica de canto tradicional do bel canto.

Bel canto, traduzido literalmente como “belo canto”, está associado ao auge do canto operístico. A técnica vocal italiana havia desaparecido em meados do século 19, e hoje apenas uma fração do que se sabia sobre a técnica ainda é transmitida.

Se Bastick fosse uma estudante de canto, ela poderia ter aprendido que o bel canto era um estilo de canto e aprendido as características do estilo.

Ela teria aprendido a cantar do jeito que muitos outros alunos do conservatório cantam, e então – como alguns de seus colegas vocalistas – ela teria que mudar completamente sua compreensão da produção vocal para atender aos requisitos tradicionais e ortodoxos de bel canto do Shen Yun.

Mas ela não havia sido formalmente treinada como cantora antes de vir para o Shen Yun.

No Shen Yun, Bastick recebeu treinamento em bel canto desde o início. Ela estudou com o Diretor Artístico do Shen Yun, o Sr. DF, mestre na autêntica técnica do bel canto.

“O verdadeiro bel canto tende a ser mais ‘exterior’ [no posicionamento] – o que quero dizer é que ele se concentra em enunciar claramente as palavras”, disse Bastick. Há muita ênfase na posição da voz, e Bastick diz que “quanto mais ‘exterior’, melhor”. Essa técnica ajuda a voz a se estender para fora do corpo, maximizando o som que o público ouve.

Em contraste, os métodos modernos de ensino do estilo bel canto tendem a focar a voz perto do fundo da boca, construindo volume e profundidade a partir dessa posição mais interior. Assim, a voz pode soar muito cheia e alta para os próprios cantores, mas menos clara e alta para o público.

Outra diferença é que enquanto os cantores geralmente colocam muita ênfase no estado de suas cordas vocais, este não é o caso de Bastick.

Na verdade, ela compartilhou uma história sobre como, quando perdeu a voz durante os primeiros dias de aprendizado do bel canto, em vez de descansar as cordas vocais, descobriu que era uma ótima oportunidade para encontrar a “posição correta”.

“Como eu tinha desgastado todas as posições erradas, era o momento certo para encontrar a posição certa para minha voz”, disse Bastick.

Através de tentativa e erro e muita prática, Bastick construiu sua técnica. Ela descobriu que a técnica em si era muito mais do que física, mas exigia tocar em seu coração e mente.

“É a sua imaginação”, disse ela. “É como submergir e se concentrar nesse reino, e ‘olhar’ para essa posição [de voz].”

Pura mentalidade 

Em seus muitos anos de estudo da voz e performance, Bastick descobriu que além de dominar sua técnica, um artista deve manter uma mentalidade pura, refletindo seu caráter e estado espiritual. Lá, elevar a moral torna-se essencial para um excelente artista.

Bastick acredita que há uma natureza divina inerente à música. Nos tempos antigos, a música era dedicada aos deuses, usada em cerimônias, e era uma ponte sagrada entre deuses e povos. Os artistas eram naturalmente responsáveis ​​por purificar e nutrir as almas das pessoas, e essas músicas eram entregues “com uma energia muito mais forte, [o que poderia] mover o público de maneira muito mais positiva”.

Os artistas do Shen Yun também são cultivadores espirituais. Bastick segue o Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, que ensina os três princípios universais de verdade, compaixão e tolerância, e cinco exercícios meditativos.

“Nosso cultivo exige nossa devoção à mente e aprimoramento moral”, disse ela. “E a meditação e os exercícios ajudam a melhorar nossas mentes e estados mentais”.

“Transmitir sentimentos e emoções não é nosso objetivo”, disse Bastick. “Todas as músicas nas apresentações do Shen Yun foram escritas pelo nosso diretor artístico. As letras geralmente mencionam o Criador, o Céu e os deuses. As pessoas são lembradas a não esquecer de Deus e a serem gentis, e também há um aviso de que o ateísmo do Partido Comunista é prejudicial”.

Bastick acredita que o que mais emociona o público nessas músicas são as letras. Ela diz que espera que as mensagens nas músicas inspirem as pessoas a pensar e aspirar a valores universais.

O Shen Yun retrata a antiga civilização chinesa, que é uma civilização enraizada na cultura tradicional. Estes são valores universais como bondade e integridade que as pessoas têm em alta estima em todo o mundo; em suma, o Shen Yun mostra a bondade da natureza humana, e Bastick viu isso ressoar com o público de todos os lugares.

Ela ouviu de espectadores que o Shen Yun foi uma experiência única na vida, e até mesmo sentiu que era algo que eles esperavam a vida inteira. “Muitos no público são inspirados a serem pessoas melhores, serem gentis com os outros, a viver uma vida mais significativa”, disse ela com admiração. E, por sua vez, seus sentimentos sinceros inspiraram a cantora a buscar níveis mais altos em sua arte.

“Espero alcançar um nível mais alto, poder interpretar melhor nossas músicas e transmiti-las melhor ao nosso público.”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também: