Outro protesto maciço contra a expropriação do agroexportador na Argentina

"Intervenção e projeto de desapropriação que atual governo sustenta à frente do presidente Alberto Fernández viola garantias constitucionais"

Por Agência EFE

Centenas de veículos participaram na terça-feira de uma mobilização maciça no norte da província de Santa Fe para repudiar a decisão do governo argentino de desapropriar a empresa Vicentín, um dos principais exportadores agrícolas do país.

A extensa caravana de carros, caminhões e tratores decorados com bandeiras argentinas percorreu com grande barulho os poucos quilômetros que ligam Avellaneda, a cidade onde se localiza o complexo industrial de Vicentín, com a cidade vizinha de Reconquista para expressar sua rejeição. a intervenção governamental da empresa e seu plano de desapropriação.

Os cidadãos da região anunciaram uma “bandeira” no sábado, 20 de junho, o dia da bandeira da Argentina, que coincidirá com outro protesto na cidade de Rosário, em Santa Fe, onde está localizado o Monumento à Bandeira Nacional.

A “buzina” entrou na lista de protestos liderados pelos habitantes de Avellaneda desde 8 de junho, quando o presidente Alberto Fernández anunciou a intervenção e sua decisão de enviar ao Congresso um projeto de lei para desapropriar a empresa fundada há quase cem anos anos, e isso incluiu uma mobilização para expulsar os funcionários enviados pelo governo em Buenos Aires.

No final de semana passado, Fernández defendeu seu projeto de “resgate” da empresa, apesar de perguntas de entidades agrícolas e industriais, e impediu que “acabasse nas mãos de capital estrangeiro”.

A Vicentín solicitou em fevereiro a falência preventiva de credores com uma dívida estimada em cerca de 1.350 milhões de dólares e entre seus credores estão 2.600 produtores agrícolas, bancos públicos, liderados pelo Banco Nación, de propriedade estatal, e um comitê de credores estrangeiros liderado pela Corporação Financeira Internacional (IFC, dependente do Banco Mundial).

“Vamos levar em consideração que na Argentina existem sete empresas de cereais e quatro delas são de capital estrangeiro”, afirmou o presidente.

Os acionistas da Vicentín rejeitaram a medida do governo, considerando que “desabilita todas as negociações que a empresa estava realizando para chegar a uma solução na esfera privada e deixa a nacionalização da empresa como única opção, afirmando que o presidente é a única possibilidade”.

“A intervenção e o projeto de desapropriação que o atual governo sustenta à frente do presidente Alberto Fernández viola as garantias constitucionais, evita arbitrariamente a independência dos poderes de uma nação e põe em cheque a confiabilidade nas instituições que toda república democrática exige” acionistas disseram em uma carta aberta publicada na mídia.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

 
Matérias Relacionadas