Outras faces da aurora boreal: os riscos além da beleza das luzes

Por Michael Wing

Centenas de milhares de pessoas de todo o mundo viajam para o Norte para vislumbrar as incrivelmente belas luzes do norte. Por mais espetaculares que sejam, há riscos associados a essas luzes, também chamadas de aurora boreal. Suas forças subjacentes podem ser incrivelmente perigosas.

No sábado, espera-se que o brilhante espetáculo verde, às vezes rosa ou vermelho, seja mais poderoso que o normal, devido a uma tempestade geomagnética no início desta semana. Como resultado, as luzes podem ser visíveis em partes dos Estados Unidos até o sul de Nova York e Chicago, informa a NOAA.

Graças a uma pequena explosão solar que ocorreu na quarta-feira, uma nuvem gigante de partículas supercarregadas do sol está vindo em nossa direção. Isso também é conhecido como “ejeção de massa coronal”, ou EMC, onde partículas da coroa solar são lançadas no sistema solar.

Domínio Público

 

NASA

Como observado historicamente, tais tempestades solares não são isentas de riscos. Em 1859, as luzes do Norte eram tão poderosas que iniciaram incêndios em instalações de observação. Um astrônomo britânico chamado Richard Carrington, estava estudando manchas solares quando viu dois clarões luminosos, indicando uma enorme tempestade geomagnética.

Ele relatou que um raio de luz tão brilhante quanto a luz direta do sol passara por seu equipamento de observação. O pulso magnético resultante era tão forte que chocou os operadores e provocou faíscas em máquinas de telégrafo, incendiando papéis.

Enquanto tipicamente as luzes do norte são vistas perto das regiões polares, durante o evento de 1859, as auroras vermelhas foram vistas do extremo sul de El Salvador e Havaí. O incidente já foi apelidado de Evento Carrington após o astrônomo que o denunciou.

(Domínio público)

 

(Domínio público)

Essas tempestades solares podem causar estragos em lugares que dependem de redes elétricas – praticamente toda a sociedade. Radiação solar e ondas de choque magnéticas podem interromper campos magnéticos e sistemas de energia. Eles podem bloquear satélites, GPS e telefones celulares, danificar computadores e outros dispositivos eletrônicos e sobrecarregar a rede elétrica.

Uma simples engenhoca conhecida como “gaiola de Faraday” pode ajudá-lo a proteger dispositivos eletrônicos, ou dispositivos de backup, como rádios ou laptops, no caso de uma tempestade magnética. Uma simples caixa de papelão completamente embrulhada em folha de alumínio ajudará a proteger contra perturbações magnéticas externas. Outra maneira é colocar seus dispositivos em uma lata de lixo de metal forrada com papelão. Na verdade, algumas pessoas foram ao extremo com este princípio, alinhando as salas ou mesmo as suas casas em blindagem de radiação de malha metálica. Outros foram tão longe a ponto de fazer ternos e chapéus com o material protetor.

(Shutterstock)

 

(Domínio público)

Existem outras precauções que podem ser tomadas nessa situação: basta desconectar os dispositivos eletrônicos para garantir que eles não sejam sobrecarregados durante um pico; há também uma gama de protetores contra surtos para sua casa, bem como para dispositivos eletrônicos individuais, como computadores e TVS.

Enquanto isso, há certos suprimentos que valem a pena ser mantidos: uma fonte de energia alternativa, como um gerador de gás, e as baterias permitirão o acesso à eletricidade se tudo o mais falhar; uma “fonte de alimentação ininterrupta” (UPS) para um computador ajudará a evitar surtos e quedas de energia; uma caixa de suprimentos de emergência que contenha alimentos, aquecedor, fogão, água, backup de registros pessoais e financeiros, dinheiro, rádio e primeiros socorros podem ser verdadeiros salva-vidas.

 
Matérias Relacionadas