OTAN intercepta jatos após detecção de avião ‘não identificado’

“Os radares da OTAN rastrearam vários caças não identificados sobre os mares Báltico e Negro desde 26 de abril”

Por Jack Phillips 

A OTAN anunciou que despachou caças sobre os mares Negro e Báltico devido a aeronaves russas voando perto do espaço aéreo da aliança militar.

Nos últimos quatro dias, jatos da Otan foram despachados várias vezes nas duas regiões, a aliança militar confirmou em um comunicado na sexta-feira, para rastrear e interceptar os aviões. A aliança disse que essas aeronaves pertenciam aos militares russos, embora os modelos dos aviões não tenham sido fornecidos.

“Os radares da OTAN rastrearam vários caças não identificados sobre os mares Báltico e Negro desde 26 de abril”, a aliança afirmou, acrescentando que sua equipe de resposta aérea lançou caças “em suas respectivas regiões para interceptar e identificar a aeronave que se aproximava”.

Polônia, Romênia, Dinamarca, França, Espanha e Reino Unido lançaram aviões de combate para investigar as aeronaves que supostamente estavam se aproximando do espaço aéreo da Otan, segundo a aliança. Os aviões russos nunca entraram no território da Otan, comunicado declarou, enquanto as interceptações foram feitas de maneira rotineira.

A declaração observou que os planos russos geralmente não usam um transponder indicando sua posição ou altitude e não apresentam um plano de voo para a OTAN.

“Os aliados acionados do norte ao sul da Europa permanecem unificados em apoio à missão de policiamento aéreo da OTAN”, disse o major-general Jorg Lebert, chefe do Estado-Maior do Comando Aéreo Aliado da OTAN. “A resposta rápida dos dois CAOCs da OTAN demonstra a prontidão e capacidade das forças da OTAN para proteger os céus aliados 24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano”.

As interceptações ocorrem enquanto a Rússia continua sua invasão da Ucrânia, já que a OTAN tentou implantar mais tropas e equipamentos militares perto de seu flanco leste, principalmente nos estados bálticos, Polônia, Eslováquia e Romênia.

A liderança da Otan e o presidente Joe Biden enfatizaram que não enviarão tropas para a Ucrânia, embora Biden nesta semana tenha pedido ao Congresso que aprove um pacote de gastos de US $33 bilhões para a Ucrânia, o qual incluía armas para o país sitiado.

Tanto os republicanos quanto os democratas fizeram declarações indicando que aprovarão o pacote maciço de gastos. O membro do ranking do Comitê de Relações Exteriores da Câmara, Michael McCaul (republicano do Texas), disse na quinta-feira que “o tempo é essencial” para dar mais ajuda à Ucrânia.

“Toda vez que conversei com os ucranianos, e conversei muito com eles, é sempre sobre armas”, disse McCaul em comunicado. Para o presidente ucraniano Volodymyr “Zelenskyy, sua maior crítica é que ele poderia ter usado essas armas em outubro passado”, segundo o republicano.

Enquanto isso, o presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, senador Bob Menendez (democrata de Nova Jersey), disse a repórteres na quinta-feira que acredita que haverá apoio bipartidário.

Eu esperava um apoio robusto e precisamos de um apoio robusto para apoiar a Ucrânia, então presumo que terá apoio bipartidário”, disse a repórteres.

No entanto, alguns membros do Congresso expressaram reservas sobre gastar mais dinheiro em conexão com o conflito.

“Thomas Massie @RepThomasMassie · 20h · O Congresso acaba de autorizar Biden a transferir virtualmente qualquer arma de guerra, exceto uma arma nuclear, para a Ucrânia”, escreveu o deputado Thomas Massie (republicano do Kentucky). “Insano! Aqui está o link para o projeto de lei e a definição estatutária de ‘artigo defensivo’ que o projeto de lei faz referência. Eu votei não”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas