EUA exorta Pequim a libertar fontes do Epoch Times detidas por reportarem sobre COVID-19

Por Eva Fu

O Departamento de Estado dos EUA levantou preocupações sobre os 11 cidadãos chineses detidos por fornecerem informações relacionadas à pandemia à edição chinesa do Epoch Times . Ele também exigiu que Pequim pare de suprimir informações verdadeiras no país.

“Os Estados Unidos exortam o governo da RPC [República Popular da China] a libertar jornalistas e seus contatos detidos por suas reportagens sobre as restrições do COVID-19 e a cessar seus esforços para silenciar aqueles que tentam denunciar a verdade.” Um porta-voz do departamento de estado disse ao Epoch Times por e-mail.

“Sublinhamos consistentemente a importância de informações independentes, transparentes e baseadas em fatos no COVID-19”, acrescentou o porta-voz.

Os 11 indivíduos, todos eles praticantes da crença perseguida do Falun Gong , estão detidos no Centro de Detenção do Distrito de Dongcheng, em Pequim, há mais de um ano. Em uma acusação de abril, eles foram acusados ​​de “tirar fotos e colocá-las em sites estrangeiros entre fevereiro e junho de 2020”, de acordo com seus advogados.

A acusação não mencionou o site específico, mas o Committee to Protect Journalists, um órgão de vigilância da liberdade de imprensa com sede em Nova Iorque, disse que os detidos foram acusados ​​de fornecer material ao Epoch Times, citando uma pessoa familiarizada com o caso.

O regime chinês controlou estritamente as informações sobre a pandemia, como políticas rígidas de bloqueio e números reais de infecções e mortes, em sua tentativa de suprimir qualquer coisa que possa manchar a imagem do Partido. Médicos denunciantes, jornalistas cidadãos e acadêmicos foram punidos pelo regime por divulgar informações não filtradas sobre o surto ou por criticar as políticas do Partido.

Pessoas se reúnem em uma área externa para fazer um teste de cotonete durante o teste em massa para COVID-19 em Pequim, China, em 23 de junho de 2020 (NOEL CELIS / AFP via Getty Images)

“A China precisa parar de tentar impedir seus cidadãos de relatar as notícias e postar fotos sobre as restrições do COVID-19”, disse Steven Butler, coordenador do programa para a Ásia do grupo de jornalistas, em um comunicado em 24 de agosto.

“As onze pessoas presas por enviarem fotos e informações ao Epoch Times devem ser liberadas imediatamente e todas as acusações [devem] ser retiradas”, acrescentou Butler.

Um porta-voz do Epoch Times expressou anteriormente preocupação com a segurança desses indivíduos e pediu à comunidade internacional que “condene esta violação da liberdade de imprensa”.

O Epoch Times foi fundado em 2000 nos Estados Unidos, originalmente como um jornal em língua chinesa, em resposta aos esforços de propaganda global do Partido Comunista Chinês (PCC). Como resultado, o meio foi proibido no país e seus primeiros repórteres na China foram presos, alguns por até 10 anos.

O Tribunal Popular de Pequim em Dongcheng cancelou a aparição dos detidos marcada para 19 de agosto, de acordo com um artigo de 15 de agosto no Minghui.org, um site dos EUA dedicado a rastrear a perseguição ao Falun Gong.

Xie Yanyi, advogado de um dos detidos, Xu Na, não pode defender seu cliente desde maio. Ele chamou o caso de uma “versão escalonada do incidente de Li Wenliang”, dizendo que o regime chinês estava “cometendo um crime”.

Li foi um dos primeiros médicos chineses a alertar sobre o vírus do PCC, comumente conhecido como o novo coronavírus que causa o COVID-19, em dezembro de 2019. Posteriormente, foi repreendido pela polícia por fazer isso e obrigado a assinar um comunicado. Ele se desculpou por “espalhar boatos”. Ele acabou morrendo após contrair o vírus.

Uma captura de tela do jornalista cidadão Zhang Zhan falando em frente à estação ferroviária Hankou na cidade de Wuhan, China, em 13 de maio de 2020 (captura de tela via The Epoch Times)

O jornalista cidadão Zhang Zhan, que postou vídeos nas redes sociais detalhando o número de vítimas do surto de Wuhan, foi condenado em dezembro por “iniciar brigas e causar problemas” e sentenciado a quatro anos de prisão. Uma de suas acusações, de acordo com a decisão publicada pelo site de direitos humanos China Change, disse que Zhang era culpado de aceitar entrevistas da “mídia estrangeira Radio Free Asia e The Epoch Times para criar exageros maliciosos sobre a nova pneumonia por coronavírus em Wuhan, causando um impacto negativo entre um grande público. ”

Zhang atualmente pesa menos de 36 quilos – quase a metade de seu peso corporal – devido à greve de fome parcial que começou desde sua prisão em maio passado.

“A mídia livre e independente, incluindo jornalistas cidadãos, é essencial para responsabilizar o governo, mantendo-nos todos mais seguros de futuros surtos e pandemias em potencial”, disse o porta-voz do Departamento de Estado.

Com informações de Sherry Dong.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas