EUA e 6 outros países exigem que a Guatemala garanta combate à corrupção

Por Agência EFE

Diversas embaixadas de países credenciados na Guatemala , entre os quais Estados Unidos, Alemanha e França, exigiram nesta sexta-feira que o governo presidido pelo ex-diretor da presidência Alejandro Giammattei retome e garanta o combate à corrupção e à impunidade.

Os países que emitiram a declaração foram Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Reino Unido, Suécia e Suíça, além de outras nações que compõem o Grupo de Países Doadores da Guatemala (denominado G13).

No documento, as embaixadas lamentam que a procuradora-geral e chefe do Ministério Público (MP), Consuelo Porras, tenha demitido o promotor anticorrupção Juan Francisco Sandoval há sete dias.

As nações aliadas enfatizaram que o Provedor de Direitos Humanos (PDH), promotores e juízes independentes “devem contar com o mais forte apoio e todas as garantias e proteções possíveis para realizar seu trabalho de forma independente e eficaz”.

Esses esforços, asseguraram, são “fundamentais para a construção de uma democracia estável e de um Estado de Direito sólido que permita atrair investimentos, gerar empregos e consolidar uma sociedade próspera e inclusiva na Guatemala”.

O embaixador do Reino Unido na Guatemala, Nick Whittingham, por sua vez, pediu um “diálogo aberto entre todos os setores para a resolução pacífica desta crise”, decorrente da demissão de Sandoval na última sexta-feira e de uma greve nacional ocorrida nesta quinta-feira por vários setores indígenas.

Esta greve ecoou em quase todos os departamentos do país em busca da renúncia de Giammattei e do procurador-geral, apesar da decisão da direção empresarial de não aderir à suspensão do trabalho.

Em relação à declaração internacional, o ombudsman guatemalteco, Jordán Rodas, argumentou nesta sexta-feira que a mensagem da comunidade internacional “não deve ser tomada de ânimo leve, é muito importante que o Governo da Guatemala dê ouvidos às preocupações sobre a necessidade de retomar o combate à corrupção e impunidade ”.

Remoção controversa

Sandoval, de 38 anos, foi afastado do cargo na sexta-feira por Porras, que argumentou supostos “abusos frequentes” da instituição pelo agora ex-promotor, e denunciou que ela mesma foi vítima de supostas “humilhações”.

O promotor foi o líder da luta anticorrupção na Guatemala nos últimos três anos e em março de 2021 foi condecorado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos com o prêmio de “Campeão Anticorrupção” junto com outras pessoas de destaque em todo o mundo.

Além disso, em entrevista coletiva, após ter sido demitido, indicou que a procuradora-geral, Consuelo Porras, suspendeu várias investigações de corrupção contra o atual governo Giammattei.

Devido à demissão de Sandoval, os Estados Unidos decidiram suspender temporariamente toda a sua colaboração com o Ministério Público da Guatemala. Além disso, o Departamento de Estado dos EUA alegou ter perdido a confiança no chefe da entidade.

Porras garantiu na mídia local durante a semana que o Ministério Público pode sobreviver sem o apoio financeiro dos Estados Unidos.

Segundo investigação do jornal La Hora, em 23 de julho, a decisão de Porras de destituir Sandoval foi influenciada pelo presidente Giammattei.

O promotor anticorrupção, sob o comando do Promotor Especial contra a Corrupção do Ministério Público, indiciou mais de 200 pessoas desde 2015 até o momento, incluindo ministros, deputados, funcionários, membros da elite empresarial, bem como presidentes e ex-presidentes.

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas