Os Centros de Serviços Medicare e Medicaid suspendem a aplicação do mandato de vacinas

Por Jack Phillips

Os Centros Federais de Serviços Medicare e Medicaid (CMS) suspenderam a aplicação de seu mandato de vacinação para profissionais de saúde após duas ordens judiciais no início desta semana.

Um memorando emitido pela agência, postado pelo procurador-geral do Missouri, Eric Schmitt, no Twitter na quinta-feira, disse que a CMS “continua confiante” de que prevalecerá no tribunal, mas está “suspendendo atividades relacionadas à implementação e aplicação desta regra, dependendo do desenvolvimento futuro do processo ”

“Enquanto essas liminares preliminares estiverem em vigor”, continua a dizer, “os inspetores de CMS não devem sondar os fornecedores quanto ao cumprimento dos requisitos” da regra. O memorando se refere a funcionários do governo federal conduzindo verificações para saber se as instalações financiadas pelo Medicare ou Medicaid estão cumprindo a ordem da administração Biden de que a equipe de saúde seja totalmente vacinada contra COVID-19 até 4 de janeiro.

A regra CMS permite isenções religiosas e médicas para a vacina.

Schmitt, um republicano que está concorrendo à cadeira de Missouri no Senado dos EUA, saudou o memorando do CMS como uma vitória em uma postagem no Twitter.

Esta semana, o Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Leste de Missouri e o Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Ocidental de Louisiana emitiram liminares preliminares contra a regra da vacina CMS, que foi revelada em 4 de novembro junto com as regras federais que determinam testes ou vacinas para empregadores com 100 ou mais trabalhadores.

“Entre os dois, essas liminares cobrem todos os estados”, bem como Washington, D.C. e territórios dos EUA, disse o memorando. A CMS apelou das duas decisões de tribunais federais.

A regra para empresas privadas, que está sendo aplicada pela Administração de Segurança e Saúde Ocupacional, sofreu um golpe no mês passado quando o Quinto Tribunal de Apelações dos EUA emitiu uma liminar que bloqueou sua aplicação. O mesmo tribunal confirmou sua decisão anterior alguns dias depois, que atualmente está sendo contestada pelo governo Biden.

Em 29 de novembro, o Escritório de Gestão e Orçamento Federal da administração Biden disse às agências em um memorando que elas podem esperar para demitir ou suspender seus funcionários que não serão vacinados até o fim do feriado.

O vice-diretor de gestão do OMB, Jason Miller, e o diretor do escritório de gestão de pessoal, Kiran Ahuja, escreveram que “nenhuma ação de fiscalização subsequente, além da educação e aconselhamento” é obrigatória para funcionários federais “que ainda não cumpriram com a exigência de vacinação até o início do novo ano civil em janeiro.”

Mais tarde, a Casa Branca Jen Psaki minimizou o memorando e disse que “nada mudou” em relação à aplicação, alegando que é “incorreto” dizer que a Casa Branca “atrasou ou mudou” a aplicação da regra. Em setembro, Biden anunciou que exigiria que todos os funcionários federais recebessem a injeção.

 

O Epoch Times entrou em contato com o CMS para comentar.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas