Origens obscuras do comunismo: parte 1 de 3

Marx e Engels fizeram um apelo fervoroso à destruição de toda a hierarquia que pudesse desafiar sua própria hierarquia totalitária objetivando destruir a família, a propriedade, a nobreza e a religião

Por Joshua Philipp, Epoch Times

Se você perguntasse à maioria das pessoas sobre as origens do comunismo elas provavelmente apontariam para Karl Marx e Friedrich Engels, autores do “Manifesto Comunista”. Se você perguntasse a um marxista, no entanto, ele provavelmente apontaria para François-Noël “Gracchus” Babeuf, que é considerado o primeiro comunista revolucionário.

E se Babeuf pudesse responder ainda hoje e sobre as origens de sua crença, ele provavelmente responderia que, na verdade, é complicado.

Em 28 de julho de 1794, o político francês Maximilien Robespierre foi decapitado em frente a uma multidão por guilhotina, pondo fim à ditadura do Clube Jacobino, uma sociedade política revolucionária durante a Revolução Francesa.

A decapitação de Robespierre também pôs fim ao seu Reinado de Terror – um sangrento segmento da Revolução Francesa em que mais de 16.000 pessoas foram decapitadas.

O papel de Babeuf na história veio logo após a morte de Robespierre, um evento que desarmou as numerosas figuras radicais abaixo dele. De acordo com o livro “A bandeira vermelha”, de David Priestland, “Babeuf condenou Robespierre por trair os artesãos e camponeses da França e se tornar o líder de um dos primeiros movimentos comunistas”.

Sob a nova visão de Babeuf, o dinheiro seria eliminado e as pessoas seriam forçadas a entregar todos os frutos de seu trabalho a um “armazém comum”.

O objetivo de Babeuf era derrubar o Diretório – o governo revolucionário que durou de 1795 a 1799 – e restaurar o poder aos jacobinos com um “comunismo igualitário” sob um novo sistema extraído das ideias então emergentes do socialismo.

François-Noël Babeuf (1760–1797), considerado o primeiro comunista revolucionário, é mostrado em um retrato de um livro de 1846 de Léonard Gallois (Domínio público
François-Noël Babeuf (1760–1797), considerado o primeiro comunista revolucionário, é mostrado em um retrato de um livro de 1846 de Léonard Gallois (Domínio público)

Babeuf havia “desenvolvido uma condenação de propriedade mais radical do que a dos jacobinos”, segundo Priestland, e abandonou a idéia de que apenas a lei agrária poderia trazer sua nova visão de “igualdade absoluta”.

Sob sua nova visão, o dinheiro seria eliminado, e as pessoas seriam forçadas a entregar todos os frutos de seu trabalho a um “armazém comum”. A partir daí, um governo todo-poderoso estaria encarregado de redistribuir esses bens.

Babeuf aprendeu uma lição com o que ele considerava as deficiências do jacobinismo moderado e tomou nota do uso generalizado de violência por Robespierre no Reinado de Terror. Babeuf buscou um sistema ainda mais extremo que usasse a revolução violenta para tomar o controle e forçar sua vontade na sociedade.

Essa conspiração tomou forma na Conspiração dos Iguais de Babeuf, que ele formou enquanto estava preso em fevereiro de 1795 por “incitar rebelião, assassinato e dissolução do corpo representativo nacional”, segundo “Dicionário Crítico da Revolução Francesa“. O livro observa que os conspiradores incluíam “ex-terroristas” e “neo-terroristas” entre os prisioneiros: Germain, Bodson, Debon e Buonarroti. Eles logo se juntaram a outros radicais.

No entanto, antes que a rebelião armada de Babeuf pudesse se desdobrar em sua data marcada de 11 de maio de 1796, o Diretório percebeu isso. Em 10 de maio, um dia antes de a conspiração se desdobrar, Babeuf e muitos de seus conspiradores foram presos e, após um julgamento de dois meses, muitos foram condenados à morte.

Babeuf foi decapitado pela guilhotina em 27 de maio de 1797, mas suas teorias foram levadas adiante por um de seus conspiradores sobreviventes, Filippo Buonarroti, que documentou a história do movimento fracassado.

Baseadas nas ideias de Babeuf, uma nova sociedade secreta conhecida como a Liga dos Comunistas logo surgiu em Paris.

Um alfaiate alemão chamado Wilhelm Weitling se juntou à sociedade depois de chegar a Paris em 1835, de acordo com Priestland, e logo se tornou “uma das figuras comunistas mais conhecidas da década de 1840”.

Weitling adotou as ideias de Babeuf sobre revolução violenta, igualdade imposta pelo Estado e destruição da propriedade e, de acordo com Priestland, infundiu isso com suas próprias ideias de uma “visão apocalíptica cristã”. Sob ele, a Liga dos Comunistas também mudou seu nome para a Liga dos Justos.

Muitas sociedades secretas radicais existiam na Europa na época, e muitas figuras e jornais estavam espalhando as novas ideias do socialismo e do comunismo. Isso foi especialmente verdadeiro em Paris, que viu muitas tentativas de revoluções ao longo dos anos 1800.

A Liga dos Justos juntou-se à rebelião blanquista de maio de 1839, liderada por Louis Auguste Blanqui. Posteriormente, ele se tornaria o líder do que pode ser considerado o primeiro governo comunista, a Comuna de Paris de 1871, que realizou um programa de assassinato e destruição que em pouco mais de dois meses deixou dezenas de milhares de mortos e um quarto estimado de Paris e sua relíquia cultural em ruínas.

Os restos da Coluna Vendôme, depois de ter sido destruída pelos comunas liderados por Gustave Courbet em 16 de maio de 1871 na Comuna de Paris (Harris Brisbane Dick Fund, 1953)
Os restos da Coluna Vendôme, depois de ter sido destruída pelos comunas liderados por Gustave Courbet em 16 de maio de 1871 na Comuna de Paris (Harris Brisbane Dick Fund, 1953)

No entanto, o comunismo começara a enraizar-se diante da Comuna de Paris e, desde aqueles primórdios, o comunismo moderno, baseado no ateísmo imposto pelo Estado e na luta interminável, cresceria.

A Liga dos Justos se mudou para Londres depois da fracassada rebelião de 1839 e formou a Sociedade Educacional para os Trabalhadores Alemães em 1840. Então, em um congresso em junho de 1847, a Liga dos Justos se uniu ao Comitê Comunista de Correspondência formado um ano antes e por Karl Marx e Friedrich Engels.

Eles então formaram a Liga Comunista, com Marx e Engels no comando. De dentro da liga, Marx e Engels escreveram “O Manifesto Comunista”, que publicaram um ano depois, em 1848.

O manifesto tornou-se desde então um texto central dos regimes comunistas modernos. No entanto, de acordo com “Marx e a Revolução Permanente na França”, de Bernard H. Moss, era na época apenas “um panfleto esboçado escrito para uma pequena seita” e não ganhou imediatamente muita atenção.

O manifesto teve pouco impacto imediato, porque em 1848 “a maioria das ideias que ele continha eram comuns entre os democratas da classe trabalhadora, certamente na França”, segundo Moss.

Em vez disso, ganhou popularidade à medida que Marx e Engels aumentaram seus perfis ao longo do tempo, uma vez que fornecia um panfleto curto e consolidado que transmitia seus ensinamentos a pessoas que dificilmente passariam por outros escritos de Marx e Engels.

Outro papel importante desempenhado por Marx e Engels, no entanto, foi em suas tentativas de unificar os vários movimentos socialistas e comunistas de seu tempo – trabalho primeiramente tentado no Clube dos Trabalhadores Alemães, depois com sucesso através de seus papéis na Associação Internacional de Trabalhadores, também conhecida como a primeira internacional.

Marx e Engels procuraram unir os numerosos movimentos socialistas e comunistas sob uma ideologia comum, e estabeleceram uma forma de comunismo que saía profundamente das suas raízes nas ideias por trás da Revolução Francesa. Marx e Engels fizeram um apelo fervoroso à destruição de toda a hierarquia que pudesse desafiar sua própria hierarquia totalitária e, como a Revolução Francesa, objetivou destruir a família, a propriedade, a nobreza e a religião.

Embora “O Manifesto Comunista” pareça exigir conceitos que pareçam elevados como igualdade e compartilhamento, ele na verdade promove idéias desastrosas para a humanidade. O manifesto afirma que “o comunismo abole as verdades eternas, abole todas as religiões e toda moralidade”.

Em lugar das virtudes tradicionais e da responsabilidade pessoal, o manifesto queria um governo todo-poderoso que destruísse vigorosamente todas as estruturas sociais e se colocasse como o único poder imposto aos seus cidadãos com um novo sistema de ateísmo e luta de classes.

Marx e Engels escreveram em 1845, em “A Sagrada Família”, que “o movimento revolucionário que começou em 1789 no Cercle Social… e que finalmente com a conspiração de Babeuf foi temporariamente derrotado, deu origem à idéia comunista que Buonarroti, amigo de Babeuf, reintroduziu na França após a Revolução de 1830. Essa idéia, consistentemente desenvolvida, é a idéia da nova ordem mundial”.

Em pouco mais de um século, esse novo sistema seria, segundo o “Livro Negro do Comunismo”, responsável pela morte de mais de 100 milhões de pessoas.

Estima-se que o comunismo tenha matado pelo menos 100 milhões de pessoas, mas embora seus crimes ainda tenham sido totalmente compilados, sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times procura expor a história e as crenças deste movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde que surgiu. Leia toda a série aqui.

 
Matérias Relacionadas