Publicado em - Atualizado em 01/09/2017 às 16:15

A origem comunista do grupo radical Antifa

Grupo promoveu a ditadura comunista na Alemanha em nome da União Soviética e rotulou todas as ideologias não comunistas como 'fascismo'

Membros da organização de extrema-esquerda Antifa fazem saudação com o punho cerrado em 1º de setembro de 1928. A intenção original do grupo era implantar uma ditadura comunista na Alemanha (Fox Photos/Getty Images)

Membros da organização de extrema-esquerda Antifa fazem saudação com o punho cerrado em 1º de setembro de 1928. A intenção original do grupo era implantar uma ditadura comunista na Alemanha (Fox Photos/Getty Images)

O grupo extremista anarco-comunista Antifa esteve presente nas manchetes devido aos recentes confrontos violentos em Charlottesville, na Virgínia. No entanto, embora a organização tenha sido aplaudida por alguns meios de comunicação de esquerda por incluir nacionalistas brancos e neonazistas em sua lista de alvos, a organização nem sempre combateu o fascismo, como afirma.

A organização era anteriormente parte da frente de operações da União Soviética para implantar uma ditadura comunista na Alemanha, e que rotulou todos os partidos rivais como ‘fascistas’.

A origem da organização pode ser rastreada a partir da ‘frente unida’ da Internacional Comunista da União Soviética (Comintern) durante o Terceiro Congresso Mundial realizado em Moscou, em junho e julho de 1921, de acordo com o livreto alemão intitulado ’80 Anos de Ação Antifascista’, escrito por Bernd Langer e publicado pela Associação para a Promoção da Cultura Antifascista. Langer é um ex-membro do Antifa Antônomo, anteriormente uma das maiores organizações antifascistas da Alemanha, que se dissolveu em 2004.

A União Soviética foi uma das ditaduras mais violentas do mundo, matando cerca de 20 milhões de pessoas, de acordo com ‘O Livro Negro do Comunismo’, publicado pela Harvard University Press. O regime soviético só fica atrás, em número de mortes, do Partido Comunista Chinês sob Mao Zedong, que matou cerca de 65 milhões de pessoas.

“O antifascismo é mais uma estratégia do que uma ideologia.” — Bernd Langer, ex-membro do grupo Antifa Autônomo

A estratégia da frente unida era reunir organizações de esquerda para incitar a revolução comunista. Os soviéticos acreditavam que, após a revolução russa em 1917, o comunismo se estenderia para a Alemanha, uma vez que o país tinha o segundo maior partido comunista, o Partido Comunista da Alemanha (KPD).

Foi no Quarto Congresso Mundial do Comintern, em 1922, que o plano tomou forma. Moscou criou o lema “Para as Massas” como estratégia de sua frente unida e procurou unir os vários partidos comunistas e trabalhadores da Alemanha sob uma única bandeira ideológica sob seu controle.

“A ‘frente unificada’ não significava uma cooperação igualitária entre as diferentes organizações, mas o domínio do movimento dos trabalhadores pelos comunistas”, escreve Langer.

Benito Mussolini, um socialista marxista que foi expulso do Partido Socialista da Itália em 1914 por causa de seu apoio à Primeira Guerra Mundial, mais tarde fundou o movimento fascista como um partido político próprio. Ele tomou o poder através de sua ‘Marcha sobre Roma’, em outubro de 1922.

Na Alemanha, Adolf Hitler tornou-se chefe do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (Partido Nazista) em 1921 e executou uma tentativa de golpe em 1923.

O KPD decidiu usar a bandeira do antifascismo para criar um movimento. Langer observa, no entanto, que para o KPD, as definições de ‘fascismo’ e ‘antifascismo’ eram “indiferenciadas”, e o termo ‘fascismo’ serviu apenas como retórica para apoiar sua oposição agressiva.

Ambos os sistemas comunista e fascista se baseavam no coletivismo e na economia controlada pelo Estado. Ambos também propuseram sistemas em que o indivíduo é fortemente controlado por um Estado poderoso, e ambos são responsáveis por atrocidades em larga escala e genocídio.

O relatório de 2016 emitido pelo serviço de inteligência nacional da Alemanha, o Escritório Federal para a Proteção da Constituição (BfV), assinala a mesma questão: do ponto de vista do extremista de esquerda, o rótulo de ‘fascismo’ usado pelo Antifa muitas vezes não se refere ao fascismo real, mas é meramente um rótulo atribuído ao ‘capitalismo’.

Enquanto os extremistas de esquerda afirmam lutar contra o fascismo ao lançar seus ataques contra outros grupos, o relatório afirma que o termo ‘fascismo’ tem um duplo significado sob a ideologia da extrema esquerda, indicando a ‘luta contra o sistema capitalista’.

Foi assim desde o início, de acordo com Langer. Para os comunistas na Alemanha, o ‘antifascismo’ significava simplesmente ‘anticapitalismo’. Ele observa que os rótulos só serviram como “guerra de conceitos” sob um “vocabulário político”.

Membro do grupo radical Antifa vandaliza fachada de uma loja em Nantes, na França, em 14 de fevereiro de 2014 (Frank Perry/AFP/Getty Images)

Membro do grupo radical Antifa vandaliza fachada de uma loja em Nantes, na França, em 14 de fevereiro de 2014 (Frank Perry/AFP/Getty Images)

Uma descrição do grupo Antifa existente no site da BfV diz que a organização ainda mantém esta mesma definição básica de capitalismo como sendo ‘fascismo’.

“O grupo argumenta que o Estado capitalista produz o fascismo, ou no mínimo o tolera. Portanto, o antifascismo é dirigido não apenas contra extremistas de direita reais ou hipotéticos, mas também contra o Estado e seus representantes, em particular contra os membros das autoridades de segurança”, afirma.

Langer observa que historicamente, ao rotular os interesses anticapitalistas do movimento comunista como ‘antifascismo’, o KPD usou essa retórica para rotular todos os outros partidos políticos como fascistas. Langer afirma: “Assim, os outros partidos que se opuseram ao KPD foram chamados de fascistas, especialmente o SPD [Partido Social Democrata da Alemanha]”.

Então, no que hoje seria considerado irônico, o grupo a que os “antifascistas” comunistas mais fortemente dirigiram seu novo rótulo de ‘fascismo’ foram os social-democratas.

Em 23 de agosto de 1923, o Bureau Político do Partido Comunista da Rússia realizou uma reunião secreta, e de acordo com Langer, “todas as autoridades importantes falaram de uma insurreição armada na Alemanha”.

O KPD ficou à frente deste chamado, lançando um movimento sob a bandeira da Frente Unida de Ação e chamando sua ala “antifascista” armada sob o nome de Antifaschistische Aktion (‘Ação Antifascista’), que o Antifa ainda usa na Alemanha e no qual as organizações Antifa em outros países estão enraizadas.

Congresso da Unidade Antifa, realizado na Phillarmonic Opera House em Berlim, em 10 de julho de 1932. O Congresso foi organizado pelo Partido Comunista da Alemanha como ponto de partida para derrotar o Partido Social Democrata e o Partido Nazista. Antifa rotulou ambos os partidos como 'fascistas', o qual era um rótulo político que usavam contra todos os partidos rivais (Domínio público)

Congresso da Unidade Antifa, realizado na Phillarmonic Opera House em Berlim, em 10 de julho de 1932. O Congresso foi organizado pelo Partido Comunista da Alemanha como ponto de partida para derrotar o Partido Social Democrata e o Partido Nazista. Antifa rotulou ambos os partidos como ‘fascistas’, o qual era um rótulo político que usavam contra todos os partidos rivais (Domínio público)

Nesta época, Hitler e seu Partido Nazista começaram a surgir no cenário mundial, e o Partido Nazista empregou um grupo semelhante ao Antifaschistische Aktion para a prática de violência política e intimidação, chamados de ‘camisas marrons’.

Antifaschistische Aktion, enquanto isso, começou a atrair alguns membros que se opunham à chegada do fascismo real na Alemanha e que não se filiaram ou desconheciam os laços da organização com a União Soviética.

No entanto, a violência instigada pelo grupo Antifaschistische Aktion teve, em grande medida, um efeito oposto. As táticas contínuas de violência e intimidação de todos os sistemas rivais sob o movimento Antifa, juntamente com sua ideologia violenta, levaram muitas pessoas ao fascismo.

“A violenta retórica revolucionária dos comunistas, que prometia a destruição do capitalismo e a criação de uma Alemanha soviética, aterrorizou a classe média do país, que sabia muito bem o que tinha acontecido aos seus homólogos na Rússia depois de 1918”, escreve Richard J. Evans em ‘The Third Reich in Power‘.

“O antifascismo é dirigido não apenas contra extremistas de direita reais ou hipotéticos, mas também contra o Estado e seus representantes, em particular contra os membros das autoridades de segurança.” — Escritório Federal da Alemanha para a Proteção da Constituição

“Assombrados pelo fracasso do governo em resolver a crise e assustados com o surgimento dos comunistas”, diz Bernd, “eles começaram a relevar as pequenas facções da direita política convencional e se voltar para os nazistas”.

Langer ressalta que, desde o início, o KPD foi um membro do Comintern e, “depois de alguns anos, se tornou um partido stalinista”, tanto ideológica quanto logisticamente. Ele afirma que o partido até se tornou “financeiramente dependente da sede de Moscou”.

Os líderes do KPD, com o grupo Antifa como seu movimento baseado na violência e intimidação de partidos políticos rivais, ficaram sob o comando do aparelho soviético. Muitos líderes do KPD tornaram-se mais tarde líderes da República Democrática Alemã Comunista, incluindo seu infame Ministério da Segurança do Estado, a Stasi.

Como diz Langer, “o antifascismo é mais uma estratégia do que uma ideologia”.

“Ele foi posto em prática na Alemanha na década de 1920 pelo KPD”, não como um movimento legítimo contra o fascismo que mais tarde surgiria na Alemanha, mas “como um conceito de luta anticapitalista”, escreve.

Colaborou: Christian Watjen

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016