Opinião: A última tentativa de ataque contra Trump e por que irá falhar

Até agora, todas as tentativas de atacar o presidente Donald Trump falharam.

A história de que o presidente norte-americano tramou com a Rússia desmoronou. Foi provado que as alegações de que Trump prejudicaria a economia ou a posição que os Estados Unidos ocupariam no mundo mostraram-se equivocadas.

A economia dos Estados Unidos está crescendo e mais e mais países sentem mais respeito pelos Estados Unidos.

A última tentativa de ataque foi contra sua saúde mental.

Políticos, organizações de mídia e especialistas se uniram para defender essa nova história sobre a saúde mental do presidente Trump.

Final do jogo? Incentivar a ira pública suficientemente para que os políticos interfiram e expulsem Trump do cargo pela força.

A história falsa da conspiração com a Rússia tinha o mesmo objetivo.

A salva inicial para a última tentativa de ataque foi publicada por Michael Wolff em um livro que descreve a imagem de um presidente instável.

As agências de notícia, cujos proprietários corporativos se opõem ao presidente norte-americano, foram usadas para divulgar esta nova história.

Isso ficou claro durante uma conferência de imprensa na Casa Branca em 4 de janeiro, quando uma jornalista pediu à secretária de imprensa Sarah Sanders para responder às alegações de que Trump é “mentalmente incapaz de servir como presidente”.

Sanders acertadamente descreveu a sugestão como “lamentável e ridícula”.

“Se ele não fosse apto, provavelmente não estaria sentado lá e não teria derrotado o grupo mais qualificado de candidatos que o Partido Republicano já viu”, acrescentou Sanders. “Trump é um líder incrivelmente forte e bom”.

Mas sua reprimenda não impedirá que a mídia continue a espalhar a história. O jornal britânico The Times publicou um artigo principal em sua edição de 5 de janeiro com a manchete “Saúde mental de Trump é questionada pelo assistente principal”.

Parafraseando o ex-presidente Barack Obama, “as eleições têm consequências e, no final do dia, eu ganhei”.

O presidente Trump ganhou as eleições presidenciais de forma limpa e correta. As tentativas contínuas de deslegitimar sua presidência só podem ser descritas como uma tentativa de golpe para expulsá-lo do cargo.

No entanto, esta última tentativa também fracassará.

Milhares de horas de programas de televisão em horário nobre e matérias jornalísticas dedicadas à história mentirosa da conspiração russa não conseguiram influenciar a opinião pública sobre Trump.

Com a economia em ascensão, o desemprego em seu ponto mais baixo desde 2000, a queda dos impostos e a posição dos Estados Unidos restaurando-se em todo o mundo, alguém realmente compraria a história de que o presidente norte-americano tem problemas em relação à “saúde mental”?

Trump provou ser um líder que não só se importa profundamente com os Estados Unidos e seu povo, mas que também é capaz de fazer as coisas.

Os americanos não são tão estúpidos quanto alguns políticos e agências de notícias gostam de acreditar.

Em vez de ter seus políticos e meios de comunicação se movendo de uma tentativa de ataque para outra, procurando um meio de atingi-lo, os Estados Unidos se beneficiariam enormemente se as pessoas defendessem a democracia.

Isso não significa que você tem que concordar com Trump, ou com qualquer outro político; é por isso que temos eleições.

Em vez disso, significa que você não deve se envolver em atividades imorais, e talvez ilegais, no afã de derrubar um presidente eleito apenas porque você não gosta dele.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente o posicionamento do Epoch Times.

Leia também:
Burocracia estatal: imposto oculto sobre crescimento
Kim Jong-un faz aniversário, mas ninguém sabe sua idade
Coreia do Norte e do Sul concordam em resolver questões por meio do diálogo

 
Matérias Relacionadas