Opinião: Trump envia poderosa mensagem aos transgressores no mundo

Na quinta-feira, o presidente estadunidense Donald Trump deixou claro ao mundo que os Estados Unidos não mais aceitarão as graves violações dos direitos humanos e a corrupção que tem ocorrido no mundo.

Trump emitiu uma Ordem Executiva declarando uma emergência nacional para lidar com aqueles que cometem esses crimes.

Ao explicar suas ações, Trump fez referência à importância dos valores e aos danos que os perpetradores causaram às sociedades de todo o mundo.

A nova ordem executiva depende em parte da autoridade outorgada pela Lei Global Magnitsky, que permite ao poder executivo impor proibições de visto e sanções a pessoas responsáveis ​​por violações dos direitos humanos ou corrupção significativa. Trump ordenou o congelamento dos ativos de indivíduos e a proibição de perpetradores entrarem nos Estados Unidos.

Leia também:
• Regime chinês promove Nova Ordem Mundial baseada no ‘Modelo da China’
• Prisões recentes abrem caminho para reforma na Arábia Saudita
• Plano secreto do regime chinês para erradicar liberdade de crença no mundo

É uma mensagem definitiva para aqueles que cometem abusos de direitos humanos e se envolvem em corrupção que os Estados Unidos, sob o presidente Trump, não mais aceitarão isso.

A ordem executiva visa não apenas quem comete os crimes, mas também aqueles que os facilitam, sejam estrangeiros ou cidadãos dos EUA.

Durante muito tempo, o mundo viu os responsáveis ​​por graves abusos contra os direitos humanos atuarem com impunidade.

Com a ordem executiva, Trump está mostrando ao mundo que “America primeiro” não significa que a América não se preocupa com o que acontece no mundo. Com Trump no cargo, os EUA retornaram a uma posição de líder moral no mundo.

EUA, Trump, ordem executiva, direitos humanos, corrupção - O presidente estadunidense Donald Trump deixa a Casa Branca em direção à Flórida em 22 de desembro de 2017 (Charlotte Cuthbertson/The Epoch Times)
O presidente estadunidense Donald Trump deixa a Casa Branca em direção à Flórida em 22 de desembro de 2017 (Charlotte Cuthbertson/The Epoch Times)

Um dos maiores e, em muitos aspectos negligenciados, abusos dos direitos humanos ocorridos hoje é a perseguição ao Falun Gong na China.

Essa prática de meditação pacífica tornou-se extremamente popular na China na década de 1990, ao ponto de cerca de 100 milhões de chineses praticarem-na.

O regime comunista chinês e seu líder Jiang Zemin não conseguiram aceitar a popularidade da prática, que operava fora do controle ideológico do Partido Comunista Chinês.

Desde julho de 1999, foi documentado que mais de 4 mil praticantes do Falun Gong foram mortos como resultado de uma campanha de perseguição viciosa lançada por Jiang Zemin. Acredita-se que o número real seja muito maior, devido à dificuldade de obter informações sensíveis da China.

Ao lançar a perseguição, Jiang Zemin ordenou, “Destruam suas reputações, arruínem-nos financeiramente e quebrem-nos fisicamente.” Ele usou os vastos recursos da China, incluindo sua mídia estatal, forças armadas, força policial, sistema educacional e de justiça e inclusive seu sistema de saúde, para lançar uma campanha de perseguição sem precedentes contra o grupo de meditadores pacíficos.

EUA, Trump, ordem executiva, direitos humanos, corrupção - Yin Liping testemunha diante da Comissão Executiva do Congresso sobre a China, em 14 de abril de 2017, sobre o "Uso difundido da tortura na China". A sra. Yin é uma praticante do Falun Gong que sobreviveu a tortura, trabalhos forçados e violência sexual em Masanjia e outros campos de trabalhos forçados na China (Lisa Fan/The Epoch Times)
Yin Liping testemunha diante da Comissão Executiva do Congresso sobre a China, em 14 de abril de 2017, sobre o “Uso difundido da tortura na China”. A sra. Yin é uma praticante do Falun Gong que sobreviveu a tortura, trabalhos forçados e violência sexual em Masanjia e outros campos de trabalhos forçados na China (Lisa Fan/The Epoch Times)

De acordo com o Departamento de Estado dos EUA no relatório de Liberdade Religiosa Internacional de 2016, o regime chinês mantém até hoje “um aparato de segurança extralegal administrado pelo Partido Comunista para eliminar o movimento do Falun Gong”.

Fontes do Falun Gong estimam que milhões de praticantes foram detidos ilegalmente desde 1999 em campos de trabalhos forçados, prisões, centros de detenção e de lavagem cerebral, e assim por diante na China.

Mas as atrocidades do regime chinês se expandiram muito além da mera tortura e morte de seus prisioneiros de consciência.

EUA, Trump, ordem executiva, direitos humanos, corrupção - Praticantes do Falun Gong dramatizam uma extração forçada de órgãos para serem vendidos, durante uma manifestação em Taipei em 20 de julho de 2014 (Mandy Cheng/AFP/Getty Images)
Praticantes do Falun Gong dramatizam uma extração forçada de órgãos para serem vendidos, durante uma manifestação em Taipei em 20 de julho de 2014 (Mandy Cheng/AFP/Getty Images)

Desde 2006, houve numerosas alegações credíveis de que o regime chinês estabeleceu um sistema, sancionado pelo Estado, de transplante forçado de órgãos, com a principal fonte dos órgãos provenientes dos praticantes do Falun Gong.

As alegações foram relatadas pela primeira vez pelo Epoch Times em março de 2006. Em resposta a um convite do Comitê para Investigar a Persecução ao Falun Gong em maio de 2006, David Kilgour, um ex-secretário de Estado canadense para a Ásia-Pacífico, e David Matas, um advogado internacional de direitos humanos, investigaram minuciosamente as reivindicações da extração forçada de órgãos.

Leia também:
• Mais de 2,6 milhões assinam petição apoiando processo legal contra ex-líder chinês Jiang Zemin
• Regime chinês assassinou cerca de 1,5 milhão para extração de órgãos, aponta relatório

Em seu relatório inicial da investigação (veja aqui a versão mais atualizada), publicado em julho de 2006, os pesquisadores descobriram uma disponibilidade abundante de órgãos de praticantes do Falun Gong para venda nos hospitais chineses. Kilgour e Matas concluíram em sua pesquisa que esses praticantes do Falun Gong foram mortos por seus órgãos enquanto estavam presos.

Os órgãos foram vendidos para chineses e estrangeiros ricos que podiam solicitar um transplante num curto prazo de tempo, frequentemente de poucos dias. Enquanto o regime chinês sempre negou as alegações, ele não foi capaz de explicar o enorme aumento do número de transplantes de órgãos que ocorrem na China e que coincide com o início da perseguição ao Falun Gong.

EUA, Trump, ordem executiva, direitos humanos, corrupção - O ex-parlamentar canadense David Kilgour (erq.) e o advogado internacional de direitos humanos David Matas testemunharam sobre sua investigação de sete anos sobre a extração forçada de órgãos na China ao Subcomitê de Direitos Humanos do Parlamento do Canadá em 5 de fevereiro de 2013 (Matthew Little/The Epoch Times)
O ex-parlamentar canadense David Kilgour (erq.) e o advogado internacional de direitos humanos David Matas testemunharam sobre sua investigação de sete anos sobre a extração forçada de órgãos na China ao Subcomitê de Direitos Humanos do Parlamento do Canadá em 5 de fevereiro de 2013 (Matthew Little/The Epoch Times)

As alegações também suscitaram preocupações nos mais altos níveis do governo nos Estados Unidos. Em junho de 2016, a Câmara dos Representantes adotou uma resolução que expressa preocupação “em relação a relatórios persistentes e credíveis da extração sistemática, e sancionada pelo Estado, de órgãos de prisioneiros de consciência sem consentimento na República Popular da China, inclusive de um grande número de praticantes do Falun Gong e membros de outras minorias religiosas e étnicas”.

Juntamente com a ordem executiva de Trump, 13 indivíduos já foram alvo do Departamento do Tesouro. Entre eles, Gao Yan, diretor do Departamento de Segurança Pública de Pequim, a Divisão Chaoyang, devido à morte de uma ativista dos direitos humanos em março de 2014 quando ela estava numa prisão na China. Enquanto no cargo, Gao Yan foi responsável por conduzir a perseguição ao Falun Gong. Chen Youbang, um funcionário do Ministério das Relações Exteriores, processou a Divisão Chaoyang por prisão ilegal e tortura sofridas em 2012 por praticar o Falun Gong.

A lista da ordem executiva também inclui Mukhtar Hamid Shah, um cirurgião paquistanês especializado em transplante de rim que a polícia paquistanesa acredita estar envolvido em sequestros e na remoção e tráfico de órgãos humanos.

Estes dois exemplos mostram que aqueles que participaram ou permitiram a tortura e o assassinato de cidadãos inocentes, ou a remoção involuntária dos órgãos de pessoas, como os praticantes do Falun Gong, poderão em breve ser alvo do estado de emergência decretado por Trump.

 
Matérias Relacionadas