Operação conjunta entre Bolívia, Brasil e Peru captura 4 envolvidos em assalto a posto militar

Por Agência EFE

Uma operação conjunta entre Bolívia, Brasil e Peru conseguiu capturar quatro pessoas envolvidas no assalto de armamento de um posto militar boliviano.

O resultado da operação foi apresentado na cidade de Cobre, no norte da Bolívia e que faz fronteira com o Brasil, pelo ministro de Governo do país, Carlos Romero. O ministro de Interior do Peru, Mauro Medina, e representantes das forças de segurança brasileira também participaram do evento por videoconferência.

“Nossa intenção é dar uma resposta contundente e enviar uma mensagem clara às organizações criminosas que se movem em território peruano, brasileiro e peruano que vamos responder de maneira conjunta”, disse Romero.

Segundo o ministro boliviano, a ação conjunta ocorreu há três dias na cidade peruana de Puerto Maldonado, perto da fronteira com a Bolívia. Três brasileiros e uma pessoa com dupla cidadania foram presas. Entre eles está o líder da quadrilha.

As forças de segurança também conseguiram recuperar quatro fuzis roubados do posto militar e que foram enterrados pelos criminosos no local da operação conjunta.

“Este é um golpe muito forte e vamos atuar com mão firme como fizemos agora”, destacou Romero.

O crime ocorreu em junho, quando dezenas de criminosos, entre eles bolivianos e brasileiros, atacaram um posto naval na cidade boliviana de Porvenir, roubando nove fuzis e cinco pistolas.

Alguns militares bolivianos foram feridos na ação. Um deles recebeu um tiro no rosto, mas foi salvo no hospital.

A Bolívia resolveu então reforçar a segurança no departamento de Pando, onde fica a cidade de Porvenir, com a presença de grupos de elite da Polícia e do Exército. Também foram enviados mais agentes de investigação para encontrar os responsáveis pelo crime.

Até o momento, segundo Romero, foram presas sete das 11 pessoas que integram a organização criminosa. O ministro afirmou que o roubo tinha como objetivo fortalecer o grupo para que eles realizassem um novo ataque no território peruano.

 
Matérias Relacionadas