ONU alerta Venezuela sobre ameaças às etnias Ianomâmi e Yukpa

Nativos ianomâmis da comunidade Irotatheri, no sul da Venezuela (Leo Ramirez/AFP/GettyImages)
Nativos ianomâmis da comunidade Irotatheri, no sul da Venezuela (Leo Ramirez/AFP/GettyImages)

O Comitê da Organização das Nações Unidas contra a Discriminação Racial cobrou do governo da Venezuela que investigue e puna os responsáveis por agressões às etnias Ianomâmi e Yukpa. Para as Nações Unidas, as denúncias de violência contra os indígenas são muito graves. O comitê se diz preocupado com a ação dos mineiros que atuam ilegalmente nas áreas ocupadas pelos índios.

A Organização das Nações Unidas (ONU) destacou os esforços do governo da Venezuela para garantir a plena participação dos povos indígenas, reconhecendo o direito de serem consultados, mas pede que esses esforços sejam intensificados, especialmente com as mulheres, nas instituições públicas que os representam.

Os ianomânis vivem no Sul da Venezuela e, no Brasil, nos estados de Roraima e do Amazonas. Os yukpas são ameríndios que vivem na região de Perijá, nas fronteiras da Colômbia e Venezuela.

Para o comitê da ONU, são “muito graves” os confrontos entre os ianomâmis e os ocupantes ilegais da Serra de Periká. Em março, foram assassinados o cacique Sabino Romero e a família em decorrência da falta de demarcação de terras.

Esta matéria foi originalmente publicada pela Agência Brasil

 
Matérias Relacionadas