Onda de “direita” avança nas universidades brasileiras

Grupos se formaram a partir de 2016, quando a polarização política começou a ficar mais evidente no país

Por Gospel Prime

As principais universidades do país já começam a ter grupos de estudantes de direita. Ambientes que por seis décadas foram tomados por universitários de esquerda começam a viver uma renovação.

Instituições como Universidade de São Paulo (USP), de Campinas (Unicamp), Federal do Paraná (UFPR) e Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Universidade Federal de Alfenas (Unifal) e a Universidade Estadual de Londrina (UEL) já contam com grupos organizados de estudantes declaradamente de direita, tanto conservadores quanto liberais.

Os estudantes de direita sempre existiram, mas viviam no ostracismo como lembra o professor do Instituto de Filosofia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Dennys Xavier. Com a polarização política após a crise econômica do segundo governo de Dilma Rousseff, esses grupos passaram a ganhar novos integrantes.

“Os grupos de direita sempre existiram em algum grau de organização, mas ainda estavam engatinhando dentro das universidades e no ostracismo. As eleições catalisaram isso e as redes sociais tiveram papel fundamental porque com elas aqueles que pensavam pela liberdade e direita viram que não estavam sozinhos”, diz o professor em entrevista ao jornal Gazeta do Povo.

Na UFPR um grupo de 60 estudantes formaram o UFPR Livre. Para entrar é preciso passar por um processo seletivo para que a diretoria saiba se o candidato está alinhado com os “fins, princípios e valores” do grupo, como apurou o jornal.

Desde 2016 existe a Unifal Livre, um grupo de direitistas que nasceu após uma greve promovida pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE). O movimento grevista impediu estudantes de assistirem às aulas e assim os estudantes alinhados ao eixo centro-direita da política, entre eles liberais e libertários, acabaram se unindo contra a greve.

 
Matérias Relacionadas