OMS investiga problemas auditivos em pessoas vacinadas contra COVID-19

Um estudo encontrou anormalidades cardíacas em alguns adolescentes vários meses após a vacinação

Por Naveen Athrappully 

A organização disse em um boletim recente que encontrou 164 casos únicos de perda auditiva em todo o mundo. As mulheres foram responsáveis ​​por 104 desses casos, enquanto os homens foram responsáveis ​​por 59. As idades das pessoas afetadas ficaram entre 19 e 93, sendo 49 a idade média. Os Estados Unidos registraram o maior número de incidentes na faixa dos 66 anos, seguidos pelo Reino Unido com 36 casos e Itália com 15.

A vacina da Pfizer/BioNTech com 142 casos registrou o maior número de casos, seguida pela Moderna com 15 casos e AstraZeneca com sete. Dos 164 casos, 51 se recuperaram ou estavam se recuperando, enquanto 50 ainda não haviam se recuperado. A situação dos outros 63 indivíduos não era conhecida.

“Enquanto a maioria dos casos foram registrados como não grave (93 casos, 57%), 71 casos (43%) foram registrados como graves. Os critérios de gravidade foram, na maioria das vezes, ‘Outra condição médica importante’ (37 relatos de casos) e ‘Incapacitante/incapacitante’ (29), seguidos por ‘Causa/hospitalização prolongada’ (5) e ‘Ameaça à vida’ (2)”, disse o boletim.

Zumbidos foram observados em 367 casos, que incluíram 56 incidentes que foram agrupados em perdas auditivas. Dos 367 casos, as mulheres representaram 73% e os homens o restante. O Reino Unido e os Estados Unidos registraram o maior número de casos em 115 e 113, respectivamente. A Itália registrou 42 casos.

Quanto às vacinas, 80% dos casos ocorreram entre pessoas que receberam uma vacina da Pfizer, com a Moderna respondendo por 11% dos incidentes. Do número total de casos, 164 são relatados como recuperados do zumbido, enquanto 90 foram relatados como não recuperados. A situação de 112 casos é desconhecida.

Uma ligação entre a perda auditiva e a vacinação contra a COVID-19 também foi descoberta em um estudo publicado pelo JAMA em 24 de fevereiro. Embora afirme que o “tamanho do efeito” da perda auditiva potencial é “muito pequeno”, os pesquisadores admitem que “este estudo sugere que a vacina BNT162b2 mRNA [Pfizer] contra a COVID-19 pode estar associada ao aumento do risco de SSNHL [perda auditiva neurosensorial súbita]”.

Além da perda auditiva, descobriu-se que as vacinas contra a COVID-19 desencadearam outros problemas médicos. Um estudo encontrou anormalidades cardíacas em alguns adolescentes vários meses após a vacinação.

O Dr. Anish Koka, um cardiologista que não esteve envolvido com o estudo, observou que os resultados sugerem que cerca de 60 a 70 por cento dos adolescentes que são afetados por miocardite após a vacinação podem ter uma cicatriz em seus corações. A miocardite é uma condição na qual o miocárdio do músculo cardíaco fica inflado.

“Certamente, as crianças que tiveram dor no peito grave o suficiente para merecer a procura de atendimento médico precisam pelo menos realizar uma ressonância magnética de acompanhamento”, disse ele ao Epoch Times. As descobertas do estudo devem ter “implicações claras” para a discussão em torno do risco das vacinas e dos mandatos de vacinas, acrescentou.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas