OMS afirma que não há mortes causadas pela ômicron, então qual o motivo das políticas rígidas?

Parece que a Ômicron pode ser mais prevalente em termos de infecções, mas em termos de mortes, o perigo não existe

Por Joshua Philipp

Comentário

A Organização Mundial da Saúde (OMS) não documentou uma única morte pela variante ômicron do vírus do PCC. Isso foi confirmado pelo jornal Epoch Times, ao qual a OMS comunicou que “no caso da Ômicron, não tivemos evidências de nenhuma morte, mas ainda está no início do curso clínico da doença e isso pode mudar”.

Isso também é corroborado por dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, que também enviaram um relatório ao Epoch Times de 1 a 8 de dezembro sobre a variante Ômicron, e também mostraram que não havia mortes documentadas por ela.

Apesar disso, o que ouvimos dos funcionários públicos é que essa é a mutação a ser temida: esconda-se embaixo da mesa e coloque a máscara para não infectar a vovó.

No entanto, os dados não corroboram com isso. Na África do Sul – onde a variante se originou – os cientistas disseram repetidamente que a Ômicron parece ser apenas uma doença branda.

A Nikkei Asia relatou que na África do Sul “os dados hospitalares revelam que as internações por COVID-19 [hospital] estão aumentando drasticamente em mais da metade das nove províncias do país, mas as mortes não estão aumentando tão drasticamente e os indicadores e o tempo médio de internação hospitalar são tranquilizadores”.

Em outras palavras, parece que a Ômicron pode ser mais prevalente em termos de infecções. Mas em termos de mortes, o perigo não existe: a África do Sul disse isso repetidamente tanto a OMS quanto o CDC reconheceram.

Se for esse o caso, então por que todo o pânico, e por que o endurecimento de políticas estaduais extremas, como bloqueios e vacinações forçadas – inclusive na cidade de Nova Iorque, onde o prefeito cessante Bill de Blasio anunciou requisitos de vacinação para funcionários de empresas privadas.

Em todos os Estados Unidos, a Guarda Nacional está sendo mobilizada e solicitada em hospitais para tratar dos supostos aumentos de casos. Se isso for observado, algumas pessoas dirão que os casos são tão altos que até têm que chamar a Guarda Nacional. O que eles não vão dizer é que a razão de terem de chamar a Guarda Nacional é que contribuíram para essa escassez demitindo muitas enfermeiras e profissionais de saúde não vacinados.

Há uma frase do autor Albert Camus em seu livro, “Tribute to an Exile”, que está fazendo barulho agora, por ser considerada relevante para as políticas do COVID-19. Camus afirmou: “O bem-estar do povo, em particular, sempre foi o álibi dos tiranos e também oferece a vantagem de dar aos servos da tirania uma boa consciência”.

É uma ótima citação e relevante agora. Porque o governo pode espalhar a tirania, como estamos vendo agora com governos que trancam as pessoas em suas casas, com governos que forçam as crianças a usarem máscaras, com os governos forçando as pessoas a injetar coisas em seus corpos das quais podem discordar ou mesmo violar suas religiões ao fazer isso, etc.

Eles estão forçando as pessoas a fazerem isso usando um discurso sobre um vírus que não é apoiado por ciência, dados ou qualquer coisa assim. Enquanto isso, eles dizem para você confiar na ciência e nos dados.

Mas o que eles querem dizer quando falam isso? Francamente, parece que o slogan “siga a ciência” não é realmente sobre confiar na ciência, porque os dados científicos reais não suportam essas novas medidas.

O CDC e a OMS estão de fato mostrando o oposto em termos de dados, então parece haver uma discrepância em termos de quais informações eles estão usando internamente para informar suas decisões e o que eles estão realmente declarando publicamente.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente os pontos de vistas do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 

 

 

 

 

 
Matérias Relacionadas