Oficiais de TI do Quênia pedem por sondagem na Huawei e ZTE

Huawei tem sido o “único fornecedor” de equipamentos de telecomunicações para muitas das operadoras de telecomunicações do Quênia

Por Frank Fang, Epoch Times

O Quênia se uniu a uma lista crescente de países que expressaram preocupações sobre a segurança dos equipamentos produzidos pelos gigantes das telecomunicações chineses Huawei e ZTE.

Joseph Mucheru, secretário de gabinete do Ministério da Informação, Comunicações e Tecnologia do Quênia, pediu à autoridade de telecomunicações da União Africana para conduzir uma análise das empresas, citando a preocupação de que seus produtos possam ser usados para espionar os cidadãos africanos, de acordo com um artigo de 20 de dezembro, no site de notícias de tecnologia do Quênia, Techweez.

Mucheru fez o pedido durante um recente evento para receber John Omo como novo secretário geral da União Africana de Telecomunicações (UAT).

A UAT, formada oficialmente em 1999, é uma organização que promove o desenvolvimento das telecomunicações na África, e os 44 estados membros e 16 membros associados (que são operadoras de telecomunicações). A UAT está sediada na capital do Quênia, Nairobi.

Segundo a Techweez, a Huawei tem sido o “único fornecedor” de equipamentos de telecomunicações para muitas das operadoras de telecomunicações do Quênia, fornecendo antenas de estação base, roteadores e outros produtos.

Africa Times, um site de notícias online que cobre a África Subsaariana, publicou um editorial intitulado “O mundo está observando a Huawei, mas quem está observando a África?” Em 23 de dezembro, indicando que “houve pouco clamor” sobre a Huawei na África, mesmo que os países da Nova Zelândia ao Japão excluíssem a empresa de telecomunicações devido à preocupação com brechas de segurança em seus produtos.

Em maio, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos emitiu uma ordem para remover todos os telefones Huawei e ZTE vendidos em lojas em bases militares, com a preocupação de que os dispositivos pudessem ser usados para espionar as forças dos Estados Unidos.

“Com a pegada desproporcional da [Huawei] e suas aspirações na África, talvez seja a hora de fazer algumas perguntas”, diz o artigo.

A Huawei, de acordo com seu site, entrou no mercado do Quênia em 1998. Desde então, a Huawei está envolvida na construção das redes 2G, 3G e 4G do país, incluindo cerca de 3.500 torres de transmissão móveis.

Para a rede 4G do Quênia, a Huawei trabalhou com a Safaricom e a Telkom Kenya, dois dos maiores provedores de serviços de telecomunicações do país.

A Huawei também forneceu uma plataforma para executar o M-Pesa, um serviço de transferência de dinheiro e financiamento baseado em telefones móveis lançado conjuntamente pela Safaricom e outra operadora de telecomunicações, a Vodacom.

O Quênia também faz parte do programa “Cidade Segura” da gigante chinesa de tecnologia, um sistema de vigilância e monitoramento policial que usa câmeras aprimoradas com inteligência artificial. Existem 1.800 câmeras de segurança desenvolvidas pela Huawei e 200 sistemas de vigilância de tráfego em Nairóbi, de acordo com o site da empresa.

Preocupações têm sido levantadas por especialistas em direitos humanos aos legisladores dos Estados Unidos de que os sistemas de vigilância desenvolvidos pela China – que frequentemente coletam dados sobre os cidadãos sem o seu conhecimento – ajudam os governos a criar um estado policial que usa alta tecnologia para suprimir os cidadãos.

Quanto à próxima geração de comunicações sem fio, conhecida como 5G, a Huawei está atualmente realizando testes para o lançamento do 5G com a Safaricom, de acordo com o jornal semanal do Quênia, The East African. O regime chinês está investindo pesadamente no desenvolvimento da tecnologia 5G como parte de seu objetivo de consolidar o domínio global na corrida 5G. Um relatório do Congresso dos Estados Unidos alertou recentemente que a China poderia explorar vulnerabilidades em seus dispositivos de conexão à Internet – que dependeriam do 5G para conexões de alta velocidade – e realizar ataques cibernéticos ou espionar os norte-americanos.

Francis Wangusi, diretor-geral da Autoridade de Comunicações do Quênia, disse que o Quênia planeja lançar serviços 5G em 2019, de acordo com a mídia Kenya Broadcasting Corp.

 
Matérias Relacionadas