Obesidade supera crescimento econômico na China

Pessoas obesas são pesadas num centro de acupuntura e exercícios num hospital na cidade portuária de Tianjin, China (Mark Ralston/AFP/Getty Images)
Pessoas obesas são pesadas num centro de acupuntura e exercícios num hospital na cidade portuária de Tianjin, China (Mark Ralston/AFP/Getty Images)

A obesidade na China, particularmente em crianças, tornou-se um importante problema de saúde que afeta seriamente a saúde das gerações futuras. Isso também colocará um pesado fardo econômico sobre o país.

Enquanto o PIB da China aumentou de US$ 2,75 trilhões em 2005 para US$ 4,99 trilhões em 2009, o número de pessoas obesas aumentou de 18 para 100 milhões de pessoas, um ritmo muito mais rápido do que o aumento do PIB no mesmo período. “A China entrou na era da obesidade”, disse Ji Chengye, um dos principais pesquisadores de saúde infantil, ao EUA Today.

Além disso, tornando a situação ainda mais grave, a China, bem como o Vietnã, a Índia e muitos outros países em desenvolvimento, têm de arcar com um “duplo fardo”: a persistência da desnutrição, especialmente entre crianças em áreas rurais, e o rápido aumento do excesso de peso, obesidade e doenças relacionadas, como doenças cardiovasculares, hipertensão, acidente vascular cerebral, diabetes tipo 2 e certos tipos de câncer.

“O que estamos vendo nos países em desenvolvimento submetidos à rápida transição econômica é a desnutrição, superalimentação e doenças infecciosas e crônicas coexistindo por longos períodos de tempo”, afirmou Gina Kennedy, da Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO).

Embora os termos “obeso” e “acima do peso” sejam por vezes usados como sinônimos, eles têm significados diferentes. Excesso de peso é ter um peso mais próximo do normal do que ser obeso e a diferença entre os dois termos é determinada usando-se o índice de massa corporal (IMC), que é uma maneira de determinar a quantidade de gordura corporal, com base no peso e na altura de uma pessoa.

O excesso de peso não é apenas um problema nos países em desenvolvimento, mas em países industrializados também. Nos Estados Unidos, o número de crianças com excesso de peso dobrou e em adolescentes triplicou desde 1980, segundo dados dos EUA.

Em cidades chinesas, segundo estatísticas oficiais, 8% das crianças de 10 a 12 anos são consideradas obesas e um adicional de 15% tem excesso de peso. Um estudo da Universidade do Sul da Califórnia realizado em 2006 descobriu que a gordura corporal média de crianças de Hong Kong era 21%, um número extremamente elevado.

A causa básica da obesidade em crianças e adolescentes é o desequilíbrio energético entre as calorias absorvidas e gastas por meio da atividade. Mas o aumento do número de crianças e adolescentes com excesso de peso e obesidade é devido a muitas causas.

Há várias razões para explicar o aumento da obesidade na China. Tradicionalmente, a dieta chinesa incluía principalmente grãos e legumes, com poucos alimentos de origem animal. Como resultado, a ingestão de gordura e açúcar pela população chinesa foi baixa por muito tempo. No entanto, quando o país experimentou o desenvolvimento econômico explosivo, alimentos gordurosos e açucarados se tornaram muito mais disponíveis.

Devido à falta de conhecimento da população em geral do que constitui uma nutrição adequada e sobre os efeitos nocivos dos alimentos gordurosos e açucarados, seu consumo tem aumentado significativamente nas últimas décadas e assim também os problemas associados. Por causa dos períodos de fome enfrentados no país no passado, diferentes alimentos, mas especialmente alimentos ricos em gordura, agora são vistos como itens muito atraentes. Ao mesmo tempo, o consumo de grãos, frutos e vegetais diminuiu.

Comer em locais de fast food, particularmente franquias norte-americanas de redes como McDonalds, Pizza Hut ou Starbucks, onde o alimento é particularmente rico em gorduras e açúcar, está se tornando muito atraente e é considerado um símbolo de status. Embora o alimento nesses lugares seja caro para os padrões chineses, eles oferecem uma atmosfera de relaxamento e luxo que atrai muitos chineses, especialmente os jovens empresários.

A atração pelo fast foods não desaparecerá. Em vez disso, uma nova tendência está se desenvolvendo em relação a estes lugares. Tudo começou em Hong Kong, onde os restaurantes McDonald oferecem o que tem sido chamado de “McWeddings”, quando eles realizam recepções de casamento para jovens casais. O McDonalds abrirá um total de 250 novos restaurantes este ano e espera ter 2 mil restaurantes em toda a China até o final de 2013. A indústria de fast food da China é atualmente a quinta maior do mundo.

Outro fator importante para o aumento dos níveis de obesidade na população em geral é o nível insuficiente de atividade física, como resultado do maior uso de TVs, computadores e atividades passivas de lazer; a falta de espaços seguros e adequados para o exercício físico e o aumento do uso de modos motorizados de transporte, entre outros fatores. Os carros se tornaram não apenas símbolos de riqueza, mas levaram a níveis drasticamente baixos de atividade física.

Para enfrentar este problema que tem tantas implicações graves, é necessário aumentar os programas escolares destinados a cultivar práticas alimentares saudáveis e a ensinar estilos de vida saudáveis às crianças. Também é importante aumentar o nível nacional de programas sociais e de saúde em nutrição pública por meio dos meios de comunicação e criar programas de educação nutricional com base comunitária.

Vários países têm experimentado utilizar medidas fiscais para limitar o consumo de alimentos ricos em gordura, açúcar e sal. Impostos mais altos sobre alimentos não saudáveis podem ajudar a melhorar a saúde pela mudança dos hábitos alimentares e, ao mesmo tempo, gerar arrecadação importante que pode ser utilizada nos esforços de prevenção. O desafio para os formuladores de políticas é como desenvolver programas e estratégias eficazes destinadas a prevenir e controlar o que está rapidamente se tornando um grave problema de saúde pública, enquanto, ao mesmo tempo, permitindo que a população possa desfrutar dos benefícios do crescimento econômico do país.

O Dr. César Chelala é um consultor internacional de saúde pública para várias agências da ONU e organizações internacionais. Ele também é um vencedor do prêmio Overseas Press Club of America

 
Matérias Relacionadas