O vírus que está causando a pandemia global deve receber o nome correto: vírus do PCC

O nome responsabiliza o PCC por sua desconsideração pela vida humana e pelo consequente surgimento de uma pandemia que colocou em risco um grande número de países em todo o mundo

Pela Equipe do Epoch Times

Ultimamente, tem havido muita controvérsia sobre como chamar o vírus que desencadeou uma pandemia global. O Partido Comunista Chinês (PCC) prefere chamá-lo de “novo coronavírus”. Outros se referiram a ele como o “vírus de Wuhan” devido ao seu local de origem, como é comum em nome de doenças.

O Epoch Times sugere que um nome mais preciso seja o “vírus do PCC” (Partido Comunista Chinês) e convoca outras pessoas a adotarem esse nome.

O nome responsabiliza o PCC por sua desconsideração pela vida humana e pelo consequente surgimento de uma pandemia que colocou em risco um grande número de países em todo o mundo, ao mesmo tempo em que cria medo generalizado e economias devastadoras de nações que tentam lidar com esta doença.

Afinal, as autoridades do PCC sabiam no início de dezembro que o vírus havia aparecido em Wuhan, mas retiveram as informações por seis semanas. Eles prenderam aqueles que tentaram alertar sobre o perigo, acusando-os de espalhar “rumores”, e usaram a rigorosa censura do regime para impedir a mídia de cobrir as notícias e remover qualquer menção a elas nas mídias sociais.

O que poderia estar contido foi permitido se espalhar silenciosamente, e logo apareceu por toda a China. As pessoas que poderiam se proteger se tornaram vítimas, em números muito maiores do que o PCC admitiu. No final de janeiro, havia relatos de que todos os crematórios de Wuhan estavam operando 24 horas por dia, sete dias por semana, para lidar com o grande número de corpos.

Enquanto isso, as medidas tomadas para colocar em quarentena e tratar a população de Wuhan eram grotescamente desumanas. Prédios de apartamentos foram soldados para que as pessoas não pudessem sair. Criaram-se “hospitais” temporários que realmente serviram como prisões para aqueles que se acredita estarem doentes com o vírus. Trancados nesses lugares, sem tratamento médico e com pouca comida, os infelizes foram presos ali até a morte.

Ao mentir sobre o perigo que a China enfrentava, o PCC agia de acordo com seu roteiro usual. A narrativa dominante do PCC é que o Partido é “grande, glorioso e correto”. A presença do vírus mortal do PCC em Wuhan ou, em 2003, o vírus SARS, não se encaixa no script. Como na SARS, a primeira resposta foi negação.

Mas, ao lidar com esse vírus, a negação não é aceitável. O mundo precisa conhecer sua origem e o PCC se recusou a cooperar. Especialistas externos não foram autorizados a entrar em Wuhan.

E existe uma preocupação compreensível com as atividades do Instituto de Virologia de Wuhan, o único laboratório P4 da China, destinado a trabalhar com patógenos de fácil transmissão que podem causar doenças mortais. Como as narrativas oficiais oferecidas sobre a fonte do vírus foram refutadas, foram levantadas questões sobre se o vírus do PCC vazou do instituto.

De qualquer forma, como as perguntas sobre a origem do vírus permaneceram sem resposta, o PCC começou a fazer acusações loucas de que os Estados Unidos são os culpados. Isso foi recebido em todo o mundo como uma confusão, se não ridicularizado. O presidente Donald Trump reagiu chamando-o de “vírus chinês”.

Mas o PCC provavelmente fez essas alegações sobre a responsabilidade dos EUA para o seu público nacional. O PCC vitimou o povo chinês com sua primeira negação do vírus e agora está tentando vitimizá-lo novamente, empurrando a responsabilidade por suas ações para os outros.

E isso indica por que o nome “vírus do PCC” é necessário para distinguir as vítimas dos vitimizadores. O povo de Wuhan e da China são vítimas da arrogância e incompetência do PCC, expressas nessa pandemia viral.

O nome do vírus do PCC também soa como um aviso: os países e indivíduos próximos ao PCC são os que sofrem os piores efeitos desse vírus, como pode ser visto nas infecções furiosas no aliado do PCC, no Irã e na Itália, o único país do G-7 que se juntou à iniciativa Um Cinturão, Uma Rota. Taiwan e Hong Kong, que são muito céticos em relação ao PCC, tiveram relativamente poucas infecções.

Finalmente, o vírus do PCC lembra as pessoas do mundo que a fonte do vírus é o próprio mal. Este é um vírus comunista e, com o nome vírus do PCC, o Epoch Times lembra o mundo da cura: rejeite o PCC.

 
Matérias Relacionadas