Retorno dos EUA ao Acordo de Paris será ‘devastador’, alerta especialista

Por Brehnno Galgane, Terça Livre

Após o presidente democrata dos Estados Unidos, Joe Biden, decidir voltar ao Acordo Climático de Paris na última quinta-feira (21) especialistas alertaram sobre o impacto econômico ‘devastador’ do retorno ao Acordo de Paris, com poucos benefícios ambientais reais.

O presidente Joe Biden, em 20 de janeiro, assinou uma ordem executiva para voltar ao pacto global, um de seus primeiros movimentos importantes como presidente.

De acordo com as Nações Unidas, os países desenvolvidos no âmbito do acordo devem “assumir a liderança na prestação de assistência financeira aos países menos dotados e mais vulneráveis”, ao mesmo tempo que incentivam as contribuições voluntárias de outros países.

Embora “bem intencionado”, o acordo foi prejudicado econômica e ambientalmente desde o início, de acordo com Nicolas Loris, vice-diretor do Instituto Thomas A. Roe para Estudos de Política Econômica da Heritage Foundation.

“Será muito caro para as famílias e empresas americanas porque 80% de nossas necessidades de energia são atendidas por meio de combustíveis convencionais que emitem carbono”, disse Loris. “Regulá-los e subsidiar alternativas vai prejudicar as famílias americanas e os contribuintes.

“Como o acordo climático de Paris não tem dentes, os países em desenvolvimento estão recebendo um passe livre em termos de emissões”, disse Loris. “É provável que o acordo climático de Paris não alcance o objetivo pretendido.”

“Se o custo da energia aumentar, os americanos não só terão que pagar mais pela eletricidade e na bomba, mas também terão que pagar mais pelos mantimentos, sair para comer ou comprar roupas, pois tudo leva energia para fazer”, afirmou o vice-diretor.

O impacto econômico para as famílias será significativo e afetará desproporcionalmente os pobres, que gastam a maior porcentagem de seu orçamento em custos de energia, disse Loris.

Os Estados Unidos abandonaram formalmente o acordo de Paris em novembro de 2020, embora o presidente Donald Trump tenha falado em deixar o acordo já em 2017. Trump criticou o acordo por impactar negativamente a economia dos EUA, ao mesmo tempo em que observou que alguns outros países não seguiriam os mesmos padrões.

“Segundo o acordo, a China será capaz de aumentar essas emissões por um número impressionante de anos”, disse Trump. “Eles podem fazer o que quiserem por 13 anos. Nós não. Existem muitos outros exemplos.”

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas