Regime chinês tenta “roubar caminho dos EUA” para supremacia econômica, diz chefe do FBI

Por Cathy He, Epoch Times

O FBI tem mais de 1.000 investigações ativas sobre roubo de propriedade intelectual dos Estados Unidos, “quase todas voltadas para a China”, enquanto o regime comunista está travando uma “luta de gerações” para alcançar o domínio econômico, disse o diretor do FBI, Christopher Wray, em 23 de julho.

“Não há país que represente uma ameaça contra-inteligência mais severa a esse país agora do que a China”, disse Wray ao Comitê Judiciário do Senado, reiterando as advertências anteriores que fez sobre o regime chinês.

Pequim está usando agentes estatais e não-estatais para “roubar o caminho do crescimento econômico às nossas custas”, disse ele.

“É uma ameaça que é profunda e diversificada e ampla e irritante em termos dos tipos de atores que são usados, dos tipos de técnicas utilizadas, ou dos tipos de alvos que são usados”, disse Wray. “Afeta basicamente todos os setores do país”.

Vítimas da espionagem econômica chinesa, disse Wray, englobam desde as start-ups do Vale do Silício até as empresas da Fortune 100, em diversos campos, incluindo a agricultura e a alta tecnologia.

O diretor do FBI disse que o regime usa meios legais e ilegais para roubar segredos comerciais e de propriedade intelectual dos Estados Unidos, inclusive por meio de hackers cibernéticos, investimentos estrangeiros e subornos de insiders que trabalham em organizações dos Estados Unidos.

“Isso não significa que não devemos fazer negócios com a China”, disse Wray, mas as empresas precisam ter “visão clara” sobre com quem elas negociam.

Não são apenas oficiais de inteligência e agentes estatais que estão fazendo as ofertas do regime chinês, disse Wray, observando que há uma enorme quantidade de “coletores não tradicionais”, como executivos, cientistas, acadêmicos de alto nível e cientistas que transferem propriedade intelectual dos Estados Unidos para a China.

Ele disse que muitos norte-americanos podem não apreciar o fato das empresas chinesas não serem independentes do Partido Comunista Chinês (PCC), devido às leis chinesas que exigem que as empresas forneçam informações ao partido sob demanda. Além disso, as autoridades exigem que todas as empresas chinesas estabeleçam comitês partidários para garantir que a empresa obedeça às políticas do PCC, disse ele.

Wray deu como exemplos vários casos recentes levados à promotoria federal, incluindo dois hackers chineses que trabalham para a principal agência de inteligência da China, o Ministério de Segurança do Estado (MSS), acusados de realizar ataques extensos a 45 empresas em dezenas de países; um espião do MSS acusado de roubar segredos comerciais das principais empresas de aviação e aeroespaciais dos Estados Unidos; e um cidadão chinês acusado de roubar segredos comerciais de uma companhia de petróleo dos Estados Unidos com a intenção de beneficiar uma empresa chinesa.

Ele também se referiu às duas acusações federais contra a gigante de telecomunicações chinesa Huawei. Em um caso, a empresa é acusada de roubar segredos comerciais relacionados a um dispositivo de teste robótico da operadora de celular norte-americana T-Mobile. No outro, a empresa e seu diretor financeiro são acusados de fraude bancária e violação das sanções dos Estados Unidos contra o Irã.

O regime chinês também tem como alvo institutos acadêmicos e de pesquisa ocidentais por meio de um programa de recrutamento conhecido como “Programa Mil Talentos”. Embora o programa, que visa recrutar cientistas e especialistas talentosos baseados em países ocidentais para trabalhar na China, seja legal, ele criou um “Pipeline” de propriedade intelectual que flui de instituições acadêmicas dos Estados Unidos para a China, disse ele.

O programa facilita a transferência de tecnologia desenvolvida em instituições acadêmicas, incluindo aquelas provenientes de pesquisa financiada por verba federal, para a China, disse Wray.

O diretor do FBI disse que a agência está trabalhando com universidades dos Estados Unidos e institutos de pesquisa para informá-los dos riscos associados ao programa.

O regime chinês negou repetidamente queixas dos Estados Unidos de roubo de propriedade intelectual. A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, disse em 24 de julho que os comentários de Wray eram acusações “infundadas”.

O roubo de propriedade intelectual dos Estados Unidos está entre várias preocupações centrais sobre as práticas comerciais desleais da China que Washington está tentando resolver durante as negociações comerciais em curso com Pequim.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

 
Matérias Relacionadas