O que significa ser homem

Quando a maioria das pessoas pensa em “masculinidade tóxica”, o que provavelmente vem à mente são os chamados traços de narcisismo, psicopatia e maquiavelismo da “tríade negra”

Por Joshua Philipp, The Epoch Times

A “masculinidade tradicional” foi recentemente considerada “prejudicial” pela American Psychological Association (APA). Entre os traços que condenou diretamente estavam “estoicismo emocional” e “autoconfiança”.

O relatório da APA sobre “Diretrizes para a Prática Psicológica com Garotos e Homens” foi seguido por um comercial inflamatório da empresa de produtos de barbear Gillette, que também condenou a masculinidade tradicional ao enquadrá-la como abusiva e desprovida de empatia.

Quando as pessoas dizem “seja homem”, muitas vezes o que elas estão se referindo é superficialmente difícil, levando o conceito à sua forma mais fraca.

Claro, não podemos culpar os homens de hoje por isso. A cultura popular retrata os homens “viris” como pouco mais que bandidos que são frios em seus relacionamentos e entorpecidos em sentimentos, ou que apenas se importam com seus próprios interesses.

Enquanto isso, os homens são desencorajados a incorporar até mesmo os traços mais “masculinos”, sob o risco de serem acusados de “masculinidade tóxica”. A cultura popular desempenhou um jogo inteligente: transformar o personagem masculino em seu nível mais básico e atacar qualquer um que ousa incorporá-lo.

O que me ensinaram sobre ser homem, no entanto, é um conceito muito diferente. Fui ensinado que ser homem é ser um líder e se um homem quer desempenhar bem esse papel, ele deve aprender as virtudes da boa liderança. É um caminho que exige sacrificar seus próprios interesses em benefício dos outros, ser atencioso com aqueles que estão sob seus cuidados e estar disposto a tomar decisões em momentos importantes. Até mesmo o conceito de porque os homens devem ser duros está fundamentado nesse princípio mais profundo.

Quando eu era jovem, na adolescência e à beira da idade adulta, tive o dom de ter um bom mentor. Na época, eu costumava fazer barulho por qualquer dificuldade e garantir que todos ouvissem se eu me machucasse. Um dia, meu mentor finalmente se cansou e sentou-se para conversar.

Ele me explicou que a razão pela qual os homens precisam ser duros não é por causa de alguma imagem superficial. A verdadeira razão pela qual os homens precisam ser duros é desconsiderada pelos outros.

Em uma comunidade, as pessoas olham naturalmente para homens fortes em busca de liderança, e em tempos de dificuldades, eles olham para esses mesmos homens em busca de uma sensação de segurança. Se esses homens parecem em pânico, então as pessoas que olham para eles em busca de liderança sentirão que precisam se defender sozinhas. Se todos estão passando por dificuldades, um bom homem precisa suportar isso com um quadro estoico, o que, por sua vez, mostra aos outros que eles também podem suportá-lo – dando-lhes a coragem de enfrentar as dificuldades da mesma forma.

Em outras palavras, ao invés de roubar a força dos outros, ou aumentar sua própria imagem, um bom homem refina sua força interior para ajudar a fortalecer as pessoas ao seu redor.

Um bom líder

Líderes vêm em muitas variedades. A história nos mostrou bons e maus exemplos disso. E mesmo a partir dos maus exemplos, podemos ter lições positivas aprendendo com seus erros.

Alguns eram autoindulgentes e alguns eram altruístas. A história nos mostrou líderes que governavam pela tirania e outros que governavam por benevolência; mostrou-nos líderes que tentaram esmagar todas as pessoas sob suas botas, e outras que procuraram elevar tudo pelo que eram responsáveis.

Esses mesmos princípios se aplicam a como um homem equilibra seu interesse pessoal com os interesses dos outros, em qualquer relacionamento.

Acredito que a “masculinidade” tenha desenvolvido conotações negativas por duas razões: primeiro, que as pessoas com interesses políticos – principalmente enraizadas em ideais comunistas – buscaram derrubar toda a autoridade e hierarquia social, o que requer a destruição dos homens; e segundo, que poucos homens ainda entendem o que significa ser bons líderes.

Independentemente do que os “especialistas” dizem para demonizar os traços masculinos, eu apostaria que poucas mulheres estão interessadas em homens que são indecisos, desmotivados e fracos de espírito – que é a direção para a qual eles estão empurrando os homens.

A solução não é abandonar totalmente a masculinidade, mas sim forjar os personagens para que possam incorporar as formas positivas da masculinidade.

Esses princípios eram bem conhecidos no passado.

O filósofo japonês do século 17, Yamaga Soko, escreveu em “O Caminho do Cavaleiro”, “Um homem de coragem enfrenta situações de vida ou morte, pisando em lâminas nuas, fazendo espadas e lanças voar, evidenciando firme disciplina, enfrentando assuntos sérios e tomando decisões importantes – tudo isso sem perturbações na voz ou na aparência”.

Ele acrescenta que “as capacidades civis e militares para estabilizar o mundo desta maneira devem ser encontradas em grandeza de coração”.

O antigo texto militar chinês “Wei Liaozi” afirma: “Aqueles que lideraram o povo nos tempos antigos colocaram a cortesia e a fidelidade diante do posto e do salário, da modéstia antes da disciplina e da cordialidade antes da regulamentação”.

Os “Seis Ensinamentos Secretos”, outro antigo texto militar chinês, aconselha os líderes: “Seja calmo e sereno, gentil e moderado. Seja generoso, não contencioso; seja aberto e imparcial. Trate as pessoas corretamente”.

Na tradição ocidental, o antigo filósofo grego Aristóteles explica em “Ética a Nicômaco” que o conhecimento só é valioso se puder ser usado para a bondade dos outros e que a base da boa liderança é a prática da virtude.

A “Tríade Negra”

Quando a maioria das pessoas pensa em “masculinidade tóxica”, o que provavelmente vem à mente são os chamados traços de narcisismo, psicopatia e maquiavelismo da “tríade negra”. Em outras palavras, esses são homens que são obcecados por si mesmos, não consideram as consequências de suas ações e consideram todas as coisas da vida como um jogo de estratégia.

Ironicamente, esses traços também são o que definem a imagem do “bad boy” que muitas mulheres acham atraente.

Se você me perguntasse, no entanto, eu diria que toda a imagem foi virada de cabeça para baixo. Não é uma questão de saber se os homens retêm traços masculinos ou abandonam-nos completamente, mas se eles podem aprimorar sua natureza inata para aproveitar os aspectos positivos da masculinidade.

A chamada “tríade negra” gira em torno dos aspectos negativos dessas características, baseadas no egoísmo. No entanto, acredito que esses traços também tenham suas qualidades redentoras.

Atrás de um narcisista está um homem confiante e que acredita em si mesmo. Atrás de um psicopata – com isso quero dizer um homem que não considera as consequências antes de agir – é um homem que é decisivo e rápido para agir. E por trás de uma mente maquiavélica está um homem que tem ambições na vida, que pode construir estratégias para alcançar grandes feitos.

Agora, eu só posso falar muito para as mulheres, mas eu aposto que a razão pela qual elas gostam de homens com essas características é porque elas veem as virtudes potenciais neles, e acreditam que podem salvar esses homens dos lados mais obscuros de seu caráter.

Quando uma mulher tenta se aproximar de um homem, ela tipicamente não olha apenas para a aparência dele, mas também para o mundo que ele carrega consigo. Em um relacionamento, sua vida se tornará sua vida, e sua capacidade de lidar com as dificuldades, reagir rapidamente diante de escolhas – e ter confiança nas escolhas que ele fizer – tudo terá um grande impacto na qualidade de vida que eles terão juntos.

Naturalmente, como Aristóteles explica, praticamente tudo pode ser problemático quando levado ao extremo. A chave é encontrar a “média dourada”, aquele meio termo agradável sem deficiência ou excesso.

A coisa perigosa para os homens é quando lhes dizemos para abandonar completamente sua natureza – jogar fora tudo que os torna homens, desafiar o que eles sentem por dentro e sentir vergonha de quem eles são. Se as pessoas não enfrentam sua natureza interior, seus traços mais sombrios podem se tornar desenfreados e suas virtudes podem não ser refinadas.

Para cultivar as melhores partes de suas naturezas interiores, porém, os homens precisam fazer muito esforço. Isso pode ter sido mais fácil no passado, quando os homens podiam mais facilmente encontrar bons mentores e modelos, e quando os pais não estavam sendo perdidos por meio do divórcio.

No entanto, ainda há muito por aí para nos guiar. A história deixou para nós uma riqueza de conhecimento, dos estoicos da Grécia e Roma aos eruditos confucianos da China e do Japão. As artes marciais tradicionais ainda ensinam autocontrole e disciplina; esportes ainda ensinam trabalho em equipe e camaradagem. E também podemos nos voltar para a riqueza da sabedoria dentro de nossas próprias culturas – os valores de nossos antepassados e a antiga mitologia e história clássica preservada.

Por meio deles, ainda podemos encontrar um caminho de volta – e encontrar esperança para os homens bons.

Joshua Philipp é um repórter investigativo do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas