O que acontece depois que uma nação escapa do comunismo

Durante este ano do centenário do comunismo, somos lembrados do número de mortes dessa ideologia nociva. Muitos países ex-comunistas celebram sua fuga da escravidão comunista e, quase três décadas após a queda da Cortina de Ferro, os países que tiveram maior liberdade conseguiram se sair melhor.

James Gwartney e Hugo Montesinos, da Universidade Estadual da Flórida, analisaram o desempenho econômico das antigas nações do bloco soviético, referidas como “países de planejamento anteriormente centralizado” ou PPAC, num período de 20 anos (de 1995 a 2015).

Quanto mais os países se afastaram do planejamento central, mais suas economias e padrões de vida melhoraram, especialmente se obtiverem notas decentes no índice de Liberdade Econômica Mundial (EFW), publicado pelo Instituto Fraser, um grupo de reflexão (think thank) canadense. A medida avalia a liberdade econômica em cinco áreas políticas significativas: política fiscal, comércio, política monetária, regulamentação e o quadro legal. Gwartney e Montesinos escrevem em seu estudo:

“O histórico econômico dos PPAC durante 1995-2015 foi impressionante. Isto foi particularmente verdadeiro para os sete PPAC que mudaram mais em direção à liberalização econômica. O crescimento médio do PIB per capita real desses sete países ultrapassou 5% durante 1995-2015. O PIB per capita real mais do que duplicou em seis dos sete países durante as duas décadas… Estes sete países – Geórgia, Estônia, Lituânia, Letônia, Romênia, Armênia e Albânia – tiveram uma classificação no resumo de EFW em 2015 de 7,5 ou superior.”

Isso não é muito inferior à classificação dos Estados Unidos de 7,94. Hong Kong é classificado ainda mais alto com 8,97.

Leia também:
Os motivos ulteriores do movimento verde ambientalista
Capitalismo: como os comunistas rotularam os capitalistas
A ferramenta secreta do comunismo

Como esses países começaram a crescer a partir de uma base mais baixa, eles cresceram três vezes mais rápido do que os países desenvolvidos europeus de alta renda. Esse fenômeno é chamado de convergência.

No entanto, a convergência rápida só é possível com políticas governamentais adequadas e as taxas de crescimento foram menores nos PPAC com menor liberalização econômica.

Assim, o PIB per capita cresceu 4,54% ao ano durante o período de 20 anos nos países com as políticas mais livres, promovendo o intercâmbio voluntário, bem como a entrada aberta nos mercados, mas apenas cresceu 3,3% nos países com políticas menos livres. Como resultado, os rendimentos dos países mais livres convergiram mais rapidamente com aqueles em países de alta renda, escreveram Gwartney e Montesinos.

A proporção do PIB per capita médio do grupo de economia mais livre em comparação com as economias de alta renda mais do que dobrou, subindo de 19,9% em 1995 para 40,6% em 2015.

A Geórgia e os países bálticos têm progredido particularmente bem, aumentando sua porcentagem de renda em comparação com as economias ocidentais, de 6,7% para 20,3% no caso da Geórgia, e de 33% para 61,6% no caso da Estônia. A Polônia e a Eslováquia obtiveram uma pontuação ligeiramente inferior, mas também convergiram em ritmo acelerado graças a algumas boas políticas.

Olhando para o grupo inferior em termos de pontuação de EFW, é triste ver a Ucrânia indo tão mal, mas esse é um resultado previsível, dada a quase total ausência de liberdade econômica e o conflito civil que perdura no país.

A moral da história é que as nações crescerão mais rápido e gerarão mais prosperidade se seguirem a receita dos mercados que incentivam o empreendedorismo e governo limitado no contexto das cinco áreas políticas destacadas acima.

Margem para melhoria

Mas na última categoria mencionada, ou quadro legal (que mede fatores como os direitos de propriedade, o estado de direito e a corrupção governamental), todos os PPAC ainda têm bastante trabalho a fazer, de acordo com Gwartney e Montesinos:

“[Os PPAC] têm uma grande deficiência: seus sistemas legais são fracos e pouco progresso foi feito nesta área. Dado seu histórico, isso não é surpreendente. Sob o socialismo, os sistemas legais são projetados para servir os interesses do governo. Juízes, advogados e outros funcionários judiciais são treinados e recompensados ​​por servir os interesses governamentais. A proteção dos direitos dos indivíduos e das empresas e organizações privadas não é importante no âmbito do socialismo.”

Infelizmente, embora tenhamos o diagnóstico, de fato não há uma cura simples, pois não é fácil mudar a cultura socialista da classe política de uma nação.

Daniel J. Mitchell é um economista baseado em Washington, D.C., e especializado em política fiscal. Republicado da International Liberty.

 
Matérias Relacionadas