O projeto europeu e Karl Marx

União Europeia está perdendo seu compasso moral?

Por Miriam Lexmann

Jean-Claude Juncker, o presidente da Comissão Europeia, apareceu recentemente em Trier, a cidade natal de Karl Marx, para homenagear sua memória. Isto foi seguido por uma série de exposições, incluindo a inauguração de uma gigantesca estátua de Marx, doada pelo regime chinês, para comemorar o 200º aniversário do criador do comunismo moderno.

Vir de um país que experimentou o marxismo na prática – como eu, sendo da Eslováquia – é estremecer com essa bajulação. O que significa, ou pressagia, quando Juncker honra um arquiteto da tirania e da opressão coletivista num momento em que muitas democracias enfrentam dificuldades?

Isso significa que devemos estudar e honrar a história, é claro. Sabemos da história que sistemas baseados em ideologias que colocam um grupo de cidadãos contra o outro – a própria essência da guerra de classes marxista – degeneram até se voltarem contra a própria humanidade.

O argumento de Juncker de que “[Marx] representa coisas pelas quais ele não é responsável e que ele não causou” é grandemente impreciso. Conhecimento e experiência com o marxismo nos dizem exatamente o oposto. Quanto à prática, não temos um único exemplo de teoria marxista sendo aplicada com resultados positivos. Será que Junker e outros teriam nos feito acreditar que, se tentássemos mais, poderíamos um dia “corrigir o marxismo” em nossa política?

Muitos entregaram suas vidas na luta contra o comunismo. Eles rejeitaram o marxismo tanto na teoria quanto na prática e compreenderam as consequências inevitáveis ​​trazidas por aqueles que ingenuamente sonhavam com boas intenções. Só por esse motivo, a celebração de Marx por Juncker e sua mensagem em Trier desonram outra parte da história: a vida e a morte daqueles mártires que lutaram pela liberdade e pela dignidade humana.

Marxismo e Fé

Para aqueles de nós que nos consideramos pessoas de , a afeição de Juncker por Marx e pelo marxismo é especialmente preocupante.

Talvez o relato mais elaborado sobre por que o marxismo inevitavelmente escraviza a pessoa humana foi fornecido pela Igreja Católica, a igreja da qual Juncker afirma ser um membro. Em suas encíclicas, a Igreja reconhece “a miséria e desgraça pressionando tão injustamente a maioria da classe trabalhadora” e oferece uma alternativa à solução escravizadora apresentada por Marx, primeiro na encíclica Rerum Novarum (1891) de Leão XIII, que é considerada um texto fundamental do ensino social católico moderno. Muitas das posições sobre os dogmas de Marx foram suplementadas por encíclicas posteriores.

O momento e o contexto também são alarmantes. Louvar Marx é uma tolice enquanto o Ocidente luta tanto com pessoas perdendo sua quanto vacilam na confiança de que a democracia liberal pode proporcionar uma vida melhor para todos.

A democracia enfrenta a “competição” da demagogia populista e é ameaçada por campanhas crescentes de desinformação e propaganda. O Kremlin é um dos maiores promotores dessas campanhas.

Pesquisas de opinião no Grupo Visegrad (República Tcheca, Hungria, Polônia e Eslováquia) e na Alemanha, conduzidas pelo Instituto Republicano Internacional em 2017, indicam que 40% dos tchecos, 36% dos eslovacos, 21% dos húngaros e 17% dos poloneses acreditam que a União Europeia os está pressionando a abandonar seus valores tradicionais. Além disso, 41% dos eslovacos, 27% dos tchecos, 20% dos alemães, 18% dos húngaros e 14% dos poloneses acreditam que a Rússia ficou do lado dos valores tradicionais europeus.

O regime de Putin está ativamente tentando reavivar o poder da Rússia, obscurecendo as diferenças entre os regimes comunistas e as democracias liberais, ao mesmo tempo em que apresenta a União Soviética sob uma luz positiva.

Organizações russas como a Memorial, que estão tentando homenagear as centenas de milhões de vítimas do regime soviético e assim apoiar a direção pró-democrática que a Rússia tomou inicialmente nos anos 90, são perseguidas, enquanto estátuas de Stalin são erguidas em todo o país.

Normalizando o comunismo

As tentativas de normalizar a memória do comunismo são exportadas para a União Europeia com o apoio tácito de atores como o partido governista eslovaco Smer-SD; o príncipe belga Laurent, que participa regularmente de eventos que celebram os regimes chinês, cubano ou outros; muitas universidades ocidentais, que recebem generosos “patrocínios” do regime chinês; e agora Juncker, com sua homenagem a Marx.

De um lado, os europeus estão sendo sitiados por estátuas de Marx, que são patrocinadas por um dos mais brutais regimes atuais: o Estado-partido na China, que mata seus próprios cidadãos em escala industrial (ver, por exemplo, EndTransplantAbuse.org). Por outro lado, estátuas de Stalin são patrocinadas pela Rússia, que está travando uma guerra híbrida e ameaçando a própria integridade da União Europeia.

No ano passado, observamos o centésimo aniversário da revolução bolchevique. No dia 7 de novembro de 2017, a Casa Europeia de História, juntamente com o partido político de Juncker, o Partido Popular Europeu (PPE), organizou um evento para esclarecer o incidente histórico que desencadeou uma das maiores atrocidades da história e para prestar homenagem às vítimas do comunismo soviético.

O PPE abrange a maioria dos partidos de antigos dissidentes e líderes da oposição dos Estados europeus pós-comunistas. A este respeito, o partido tem um papel importante a desempenhar na salvaguarda das memórias dos horrores do comunismo.

Vozes que defendem a ideologia marxista com a desculpa de que as atrocidades não eram uma consequência inevitável da teoria do materialismo histórico são perigosas para as democracias atualmente contestadas. A ligação entre as atrocidades e a teoria marxista é clara. Colocar antolhos é irresponsável e perigoso.

Talvez Juncker e a Comissão Europeia precisem de uma viagem de campo. Eles podem começar com uma visita aos campos de trabalhos forçados e às prisões políticas em toda a China, cujo regime de partido único parece ansioso para encorajar a ingenuidade e a cegueira deliberadas.

Miriam Lexmann é uma ex-representante permanente do Parlamento eslovaco para a União Europeia, que deixou a diplomacia quando o atual governo pós-comunista na Eslováquia assumiu. Ela trabalha em apoio à democracia internacional e atua como membra do conselho consultivo do COMPASS na Universidade de Kent.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas