O primeiro-ministro húngaro adverte o Ocidente contra uma tomada comunista

Viktor Orban dá início ao CPAC em Dallas

Por Darlene McCormick Sanchez

Viktor Orban, o primeiro-ministro húngaro, disse a centenas de conservadores no Texas, na quinta-feira, que seu país derrotou o comunismo – e agora os Estados Unidos devem fazer o mesmo.

Falando na Conferência de Ação Política Conservadora em Dallas, Orban disse à multidão que os Estados Unidos estão lutando por sua vida contra progressistas e globalistas, que são comunistas.

“Não tenha medo de chamar seus inimigos pelo nome”, disse ele. “Eles me odeiam e caluniam a mim e meu país, assim como odeiam você e caluniam você e a América que você representa.”

Orban disse que os democratas nos Estados Unidos não gostavam dele e queriam que a Hungria deixasse de ser um estado nacionalista cristão.

“Eles não queriam que eu estivesse aqui e fizeram todos os esforços para criar uma barreira entre nós”, disse ele.

Orban foi criticado como um nacionalista cristão de direita. Sua postura anti-imigração atraiu a condenação dos Estados Unidos e da comunidade internacional recentemente, depois que ele disse que os húngaros não queriam se tornar “pessoas de raça mista”.

Orban mais tarde esclareceu que a questão não é tanto sobre raça, mas sobre cultura. Embora não tenha mencionado a controvérsia diretamente, ele observou que um político cristão “não pode ser racista”.

“Estado da Estrela Solitária da Europa”

A política anti-imigração de Orban lhe rendeu uma recepção calorosa no Texas, que está sobrecarregado de imigrantes ilegais sob as políticas de fronteira do presidente Joe Biden.

Orban elogiou a CPAC, por sua independência e liberdade, chamando a Hungria de “Estado da Estrela Solitária da Europa”, para o deleite da multidão.

O primeiro-ministro disse que a imigração em massa é um objetivo globalista. George Soros, um húngaro de nascimento, tem um exército de seguidores em instituições de todo o mundo que querem criar um mundo pós-ocidental.

Em 2015, Orban disse que 400.000 imigrantes ilegais chegaram às fronteiras da Hungria, mas a Hungria construiu um muro e reduziu a imigração ilegal a zero.

O discurso de Orban delineou como os Estados Unidos e a Hungria, que ele vê lutando contra um inimigo comum em duas frentes, podem vencer o movimento marxista que tenta destruir a civilização ocidental. Para o bem ou para o mal, o mundo vê os Estados Unidos como uma grande potência que conduzirá o mundo para o futuro, disse ele.

“O Ocidente está em guerra consigo mesmo”, disse ele. “Todos os globalistas podem ir para o inferno. Eu fui para o Texas”, disse ele, provocando grande comoção e uma onda de aplausos vigorosos.

Orban disse que a luta contra a extrema esquerda começa com o entendimento de que eles querem criar uma barreira entre as pessoas e sua fé e destruir famílias. A Alemanha nazista foi capaz de ter sucesso em um ambiente sem Deus, disse ele.

“Você deve jogar para ganhar. Jogue de acordo com suas próprias regras”, disse ele. “Esta guerra é uma guerra cultural.”

Os progressistas mudam a linguagem para disfarçar sua agenda marxista, disse ele. A ideologia quer destruir a família porque o marxismo a vê como um sistema patriarcal opressivo.

A ideologia de gênero e a sexualização das crianças é uma ideia da esquerda destinada a prejudicar as famílias. Na Hungria, a mãe é uma mulher e o pai é um homem. A ordem é necessária para qualquer país livre, o que significa que a aplicação da lei é respeitada, disse ele.

Na Hungria, famílias numerosas são incentivadas por meio de incentivos fiscais por terem mais de dois filhos. Com essas políticas em vigor, a Hungria viu casamentos duplicados e abortos reduzidos pela metade na última década, disse ele.

“Precisamos de uma América forte com um líder forte”, disse ele, acrescentando que a América deve liderar o mundo para derrotar os globalistas.

O caminho para a vitória começa com a retomada das instituições e voltando-se para a fé em Deus. Orban disse que a América tem dois anos para se preparar, aludindo à próxima eleição presidencial.

Inimigos na mídia não veriam seu discurso de forma favorável, disse Orban, que se encontrou com o ex-presidente Donald Trump antes de sua aparição no CPAC.

“Já posso ver as manchetes de amanhã: racista de extrema direita europeu, homem forte antissemita, o cavalo de Tróia de Putin, faz um discurso na conferência conservadora”, disse ele.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas