Nova presidente da Eslováquia critica direitos humanos de Pequim

Por Reuters

BRATISLAVA – A nova presidente da Eslováquia, uma ex-ativista e advogada, usou uma reunião com o principal diplomata da China em 10 de julho para criticar os direitos humanos de Pequim, uma situação rara para políticos do leste europeu em uma região sedenta por investimentos chineses.

A maioria dos políticos da Europa Oriental pós-comunista não criticou o histórico da China sobre a liberdade de expressão, o tratamento dado às minorias religiosas e étnicas e outros assuntos.

A presidente Zuzana Caputova, que assumiu o cargo no mês passado, expressou suas preocupações com a conselheira de Estado chinesa Wang Yi, que fez uma viagem de uma semana à região que inclui também a Polônia e a Hungria.

“Em consonância com a política conjunta da UE, expressei interesse e preocupação com a deterioração da situação em termos de proteção dos direitos humanos na China, sobre a detenção de advogados e ativistas de direitos humanos e sobre a posição das minorias étnicas e religiosas”, disse Caputova, em um comunicado.

A China está buscando ativamente impulsionar os laços comerciais com a Europa por meio da iniciativa “One Belt, One Road (Um Cinturão, Uma Rota)” (OBOR, também conhecida como Um cinturão, Um Caminho) do líder chinês Xi Jinping, que visa construir uma vasta rede de infraestrutura conectando a China à Ásia Centra , Sudeste da Ásia, Europa e além, muito parecido com a antiga Rota da Seda.

O governo do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, emitiu bônus na China e está usando um empréstimo chinês para financiar uma ligação ferroviária.

O presidente da República Tcheca, Milos Zeman, há muito tempo pressionou por laços mais estreitos com Pequim e apoiou firmemente a Huawei, gigante da tecnologia chinesa, em meio ao escrutínio global, diante das alegações de que seu equipamento poderia ser usado por Pequim para espionar os clientes. No entanto, a Huawei foi excluída de um concurso tcheco para construir um portal de impostos depois que o cão de guarda do país alertou sobre possíveis ameaças à segurança.

Caputova, que não tinha experiência política anterior, derrotou facilmente o candidato do partido Smer, na eleição presidencial de março na Eslováquia, com uma onda de revolta contra a corrupção pública.

Seu histórico de luta pelos direitos humanos e casos ambientais também aumentou seu apoio.

Em 2017, Caputova trabalhou para uma ONG que iniciou o eventual cancelamento de anistias concedidas pelo ex-primeiro-ministro, Vladimir Meciar, ao seu chefe de serviço secreto e 12 outras pessoas pelo sequestro de 1995 do filho do então presidente Michal Kovac. As anistias passaram a simbolizar o afastamento da Eslováquia da democracia nos anos 90.

Por Tatiana Jancarikova. O Epoch Times contribuiu para esta reportagem.

 
Matérias Relacionadas