O inimigo é a China, alertam especialistas no encontro anual de conservadores

As pessoas começaram a entender pela primeira vez em décadas que "a verdadeira doença é o comunismo"

Por Emel Akan

PORTO NACIONAL, Md. – A crescente ameaça que o regime comunista chinês representa para os Estados Unidos foi um tema em alta na Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC) deste ano, a maior reunião anual de conservadores do país.

Em um painel de discussão em 27 de fevereiro intitulado “O perigo presente: China” e moderado por Frank Gaffney, presidente executivo do Center for Security Policy, um parlamentar republicano, classificou o regime comunista como “insidioso”, enquanto especialistas em China criticaram Pequim por seus esforços para desviar a culpa pelo surto de COVID-19 da China para os Estados Unidos.

Falando no evento, o deputado Scott Perry disse que, após quatro décadas, os americanos começaram a perceber a ameaça representada pela ascensão militar e econômica da China. Ele comparou a estratégia do Partido Comunista ao “cavalo de Troia” na mitologia grega, um enorme cavalo oco de madeira construído pelos gregos para ganhar entrada na cidade de Troia durante a Guerra de Troia.

O que a China fez é pior do que o cavalo de Troia, disse ele, culpando os governos anteriores por ajudarem o regime.

“Nós saímos do portão e construímos o cavalo de Troia para a China.”

Ele passou a descrever o segredo comercial da China e o roubo de tecnologia. Para diminuir a lacuna tecnológica, ele disse que a China roubou segredos comerciais das empresas americanas, incluindo projetos relacionados aos aviões de transporte militar C-17 da Boeing e aos caças F-22 e F-35 da Lockheed Martin.

Empresas chinesas como a Huawei fazem parte do plano de hegemonia global do regime, disse ele. Além disso, os americanos estão involuntariamente financiando essas entidades diretamente através de seus fundos de pensão e aposentadoria, como o Thrift Savings Plan.

“Toda vez que investimos em nossa aposentadoria, estamos investindo na China”, disse Perry.

Um relatório de 2018 da Casa Branca descreveu táticas que a China usa há décadas para roubar tecnologias-chave e propriedade intelectual de empresas norte-americanas, incluindo roubo físico e cibernético, transferências forçadas de tecnologia, evasão dos controles de exportação dos EUA, restrições à exportação de matérias-primas e investimentos em empresas de alta tecnologia.

“Dez anos atrás, não havia empresa chinesa entre as 10 principais empresas do mundo”, disse Perry. “Agora existem cinco entre as dez”.

Falando no painel, Gordon Chang, analista da China e autor de “The Coming Collapse of China”, disse que o surto de COVID-19 expôs as vulnerabilidades do regime comunista chinês. O surto, que se originou na cidade central chinesa de Wuhan, se espalhou rapidamente por toda a China e outros países, provocando pânico nos mercados financeiros globais.

Os economistas prevêem que o vírus terá um impacto significativo na economia chinesa, já que até as fábricas que permanecem abertas estão operando com pessoal reduzido, e uma série de medidas diminuiu a produção. As vendas de carros caíram 92% na primeira quinzena de fevereiro e apenas cerca de um terço dos trabalhadores chineses retornaram aos seus empregos, disse Chang.

“Uma economia em contração, é claro, é uma ameaça existencial a um regime que depende da entrega contínua de prosperidade como base primária de sua legitimidade”, afirmou Chang.

Epoch Times Photo
O presidente executivo do Centro de Política de Segurança Frank Gaffney, autor Gordon Chang, o tenente-general reformado da Força Aérea dos EUA Steven Kwast, o ex-microbiologista do Exército dos EUA Sean Lin e o deputado Scott Perry (R-Pa.) falam em um painel intitulado “O Presente Perigo: China” no CPAC em National Harbor, Maryland, em 27 de fevereiro de 2020 (Samira Bouaou / The Epoch Times)

Ele disse que as pessoas se voltaram para as mídias sociais para desabafar a raiva diante da resposta dada ao coronavírus pelo regime e começaram a entender pela primeira vez em décadas que “a verdadeira doença é o comunismo”.

Ele também acusou Pequim de “lançar as bases teóricas para a noção de que os Estados Unidos espalharam deliberadamente” o coronavírus na China. Um famoso médico chinês, disse ele, anunciou que “os primeiros casos diagnosticados do vírus foram na China, mas a origem não foi na China”, que lançou as bases para atacar os Estados Unidos.

“Estamos em guerra e o inimigo é a República Popular da China”, disse Chang.

 

“Inimigo de toda a humanidade”

Sean Lin, ex-microbiologista do Exército dos Estados Unidos e sobrevivente do Massacre da Praça da Paz Celestial, disse no painel do CPAC que o regime comunista chinês é “o inimigo do povo chinês” e “o inimigo de toda a humanidade”.

Lin descreveu o comportamento do regime em relação a seus próprios cidadãos ao longo da história. Ele disse que, como estudante universitário, em 1989, foi a Pequim para apoiar o movimento democrático e testemunhou um tanque chinês rolando sobre a cabeça de um estudante.

“A cabeça dele era como um pedaço de papel no chão, isso foi uma cena muito horrível.”

A natureza do Partido Comunista nunca mudou ao longo da história, disse ele, acrescentando que todos os tipos de perseguição fazem parte dos esforços de “engenharia social” do regime desde a Revolução Cultural.

Ele também disse que o regime lançou uma guerra abrangente contra todas as religiões e crenças espirituais na China, “e o Falun Gong é um exemplo”.

O partido está usando vários métodos de perseguição, disse ele, e um de seus “maiores crimes” é a extração forçada de órgãos de prisioneiros de consciência.

Lin, que também é microbiologista e ex-diretor de laboratório da área de doenças virais do Instituto de Pesquisa Walter Reed Army, disse que o coronavírus é outro exemplo de como a China está tratando seu próprio povo, tomando medidas draconianas e suprimindo o fluxo livre de informações.

A China ‘nos estrangulará’

Com um orçamento de defesa que disparou na última década, a China expandiu sua força aérea, exército, marinha e mão de obra. O acúmulo militar e as ambições de política externa da China são uma ameaça para os Estados Unidos, segundo especialistas.

Steven Kwast, tenente-general aposentado da Força Aérea dos EUA, disse no painel que a China está no caminho da estratégia para “nos estrangular”.

“De maneira sutil e lenta, eles estão assumindo nossos negócios, comprando nossas dívidas, dominando mercados que lhes dão domínio da informação. Huawei e 5G são uma manifestação desse domínio da informação que se moverá para o espaço”, afirmou ele.

“Eles vão dominar os mercados de energia dominando o espaço e o espectro eletromagnético”, disse ele, que daria ao regime o poder de “paralisar os mercados”.

“Eles planejam ter essas usinas de geração de energia no espaço nos próximos 10 anos.”

Kwast disse que os chineses estão implementando esses planos ambiciosos, aproveitando “nosso mercado aberto, nossa economia livre e nossa sociedade aberta”.

Siga Emel no Twitter: @mlakan

 
Matérias Relacionadas